boo-box

sábado, 30 de agosto de 2008

Corinthians e Flamengo largam no fim do grid na estréia da F-Superliga

Criada com o objetivo de reunir os principais clubes de futebol do mundo dentro das pistas, a F-Superliga realizou neste sábado, em Donnington Park, na Inglaterra, sua primeira sessão oficial de treinos. E coube a um time da China a honra de marcar a primeira pole postion da história desta ainda um tanto misteriosa categoria.

O carro do Beijing Guoan, que tem como piloto Davide Rigon, ficou com a primeira posição, superando o Sevilla (Esp), pilotado por Borja Garcia.

Os clubes brasileiros representados na categoria deixaram a desejar neste primeiro treino oficial. O Flamengo, que tem como piloto Tuka Rocha, largará em 12º, enquanto que o Corinthians (foto), cujo carro nesta prova será guiado pelo espanhol Andy Soucek, sairá em 14º lugar. O brasileiro Antonio Pizzonia é o piloto titular do Timão na F-Superliga.

Abaixo, o grid de largada:

1º) Beijing Guoan (CHN)/Davide Rigon
2º) Sevilla (ESP)/Borja Garcia
3º) PSV Eindhoven (HOL)/Yelmer Buurman
4º) Olympiacos (GRE)/Kasper Andersen
5º) Milan (ITA)/Robert Doornbos
6º) Roma (ITA)/Enrico Toccacelo
7º) Galatasaray (TUR)/Alessandro Pier Guidi
8º) Tottenham (ING)/Duncan Tappy
9º) Al Ain (EAU)/Andri Zuber
10º) Anderlecht (BEL)/Craig Dolby
11º) Borussia Dortmund (ALE)/Nelson Philippe
12º) Flamengo (BRA)/Tuka Rocha
13º) Porto (POR)/Tristan Gommendy
14º) Corinthians (BRA)/Andy Soucek
15º) Rangers (ESC)/Ryan Dalziel
16º) Basel (SUI)/Max Wissel
17º) Liverpool (ING)/Adrian Valles

Máquina do tempo

30/08/1937 – Nascimento do piloto neozelandês Bruce McLaren
30/08/1962 – O Santos vence o Peñarol (Uru) por 3 a 0 e conquista a Taça Libertadores
30/08/1972 – Nascimento da atriz americana Cameron Diaz
30/08/1979 – Nascimento do tenista argentino Juan Ignacio Chela
30/08/1987 – O São Paulo empata com o Corinthians em 0 a 0 e conquista o Campeonato Paulista
30/08/2004 – O jogador Luís Fabiano é vendido pelo São Paulo para o Porto (Por)

Fontes: Ponteiro e RSSSF

sexta-feira, 29 de agosto de 2008

NBA 08/09: filho de Pat Ewing segue os passos do pai e vai para o Knicks

Parece até coisa de cinema: o pivô Pat Ewing, um dos maiores ídolos da história do New York Knicks, onde atuou entre 1985 e 2000, terá a chance de ver a dinastia de seu sobrenome sobreviver na NBA.

Patrick Ewing Jr, de 24 anos e filho do pivozão, acaba de ser negociado com o time de Nova York. Ewing Jr foi selecionado no draft deste ano pelo Sacramento Kings e repassado em seguida para o Houston Rockets. O time texano, por sua vez, trocou-o pelo francês Frederic Weis.

Ewing Jr. (que ao contrário do pai atua como ala) foi revelado pela universidade de Georgetown - a mesma de Ewing - e agora brigará por um lugar na equipe titular dos Knicks.

Nos 15 anos em que defendeu o New York, o máximo que Pat Ewing conseguiu foi ser vice-campeão da NBA duas vezes, em 1994 e 1999.

Obs: na foto, à esquerda, Ewing Jr, atuando por Georgetown, e o pai, o auge, defendo os Knicks

Novo show de Bolt. E sem fazer força...

Ele nem precisou bater o recorde mundial dos 100m rasos, como fez de forma espetacular nos Jogos de Pequim. Mas a marca de 9s83 foi o bastante para que o jamaicano Usain Bolt vencesse nesta sexta-feira a prova válida pelo Grand Prix de Zurique, integrante da milionária Liga de Ouro (Golden League).

Além do habitual show que fez na largada, Bolt levou o estádio de Zurique ao delírio cruzando a linha de chegada com boa vantagem sobre o segundo colocado, o americano Walter Dix (9s99). E depois ainda esnobou:
"Foi bom, mas meu início na prova não foi muito satisfatório. Eu estava concentrado em ganhar, mas comecei a sentir frio e não consegui mais pensar em um tempo mais rápido".

Usain Bolt corre esta tarde em Zurique, com a promessa de mais um show

Reunindo um total de 36 atletas que foram medalhistas nos Jogos Olímpicos de Pequim, entre eles o "showman" jamaicana Usain Bolt (foto), medalha de ouro e recordista mundial nos 100 e 200m rasos, o Grand Prix de Zurique de atletismo, que integra a Golden League (Liga de Ouro), promete agitar as pistas nesta sexta-feira.

A competição será realizada no estádio Letzigrund, que terá seus 26 mil lugares lotados por um público que só quer saber de ver mais um show de Usain Bolt, o homem que destruiu os recordes dos 100 e 200m em Pequim, sem fazer muito esforço.

"A hora é de curtir o momento. Alcancei todos os meus objetivos, não tenho nada em particular para realizar no restante da temporada", disse Bolt. E sem correr pressionado, a expectativa é de um novo show. A prova dos 100m rasos em Zurique deverá começar às 15h55 (horário de Brasília).

Aliás, o feito de Bolt nos 100m nas Olimpíadas ainda surpreende os especialistas. De acordo com estudos matemáticos feitos antes dos Jogos, esperava-se que a marca de Bolt (9s69) fosse atingida apenas em 2030.

"Com esses novos dados, o tempo previsto para os 100 metros provavelmente estará destinado a se reduzir ainda mais", explica o matemático da Bloomsberg University da Pensilvânia, Reza Noubary, de acordo com nota publicada pela Agência Ansa.

A volta da coluna Diário Esportivo

Após a maratona olímpica, o Diário de S. Paulo volta a publicar, na edição desta sexta-feira, a coluna Diário Esportivo. Neste retorno, este escriba faz a primeira de três colunas abordando os melhores (e piores) momentos dos Jogos Olímpicos de Pequim. Confira...

Pitacos olímpicos (parte 1)

Podem falar qualquer coisa dos recém-encerrados Jogos Olímpicos de Pequim, menos que eles não foram marcantes. Estes Jogos serão lembrados para sempre como aqueles em que China encantou o planeta com uma cerimônia de abertura inesquecível, porém manchada para sempre pela vergonhosa história da dublagem da linda garotinha Lin Miaoke, que fingiu cantar “Ode à Pátria”, e que foi escolhida por ser mais bonita (para os padrões chineses) do que a cantora de verdade, Yang Peiyi, de apenas sete anos.

Os Jogos de Pequim foram aqueles em que o mundo viu marcas consideradas insuperáveis serem simplesmente pulverizadas por verdadeiros fenômenos do esporte, como o nadador americano Michael Phelps, que ganhou oito medalhas de ouro, sepultando o feito do compatriota Mark Spitz, sete vezes campeão olímpico em Munique-1972; o velocista jamaicano Usain Bolt, a figura mais carismática das Olimpíadas, que ganhou os 100m rasos quase brincando e ainda cravou o impressionante tempo de 9s69; e a saltadora russa Yelena Isinbayeva, que mais uma vez superou seu próprio recorde no salto com vara, com 5m05.

Foi ainda em Pequim que duas atletas de países em conflito armado (Natalia Paderina, da Rússia, e Nino Salukvadze, da Geórgia) se abraçaram no pódio em uma prova do tiro, mostrando que o espírito olímpico ainda sobrevive.

Meninas brilhantes

Para o Brasil, Pequim-2008 também será inesquecível, para o bem e para o mal. Na China, as mulheres brasileiras conseguiram brilhar como nunca, com Maurren Maggi (a primeira campeã olímpica individual, no salto em distância); as garotas da seleção de vôlei (primeiro título olímpico feminino); Natália Falavigna (bronze no taekwondo, a primeira medalha da história da modalidade no Brasil); a dupla Fernanda Oliveira e Isabel Swan (bronze na classe 470, a primeira medalha feminina do iatismo); e Ketleyn Quadros, que por ordem cronológica na programação dos Jogos, tornou-se a primeira brasileira a faturar uma medalha individual em Olimpíadas, com o bronze na categoria até 57kg.

Chororô nacional

O Brasil que fez festa também chorou bastante, com o fim da hegemonia do vôlei masculino; o fiasco (mais um) de Jadel Gregório no salto triplo; o incrível tombo do favorito ginasta Diego Hypólito; e o sumiço da vara de Fabiana Murer. Para piorar, o Comitê Olímpico Brasileiro (COB), que recebeu fortunas de verbas públicas para a preparação olímpica, teve que fazer um malabarismo para dizer que o desempenho nacional foi excelente, apesar de ter obtido o mesmo número de ouros (3) e total de medalhas (15) do que em Atlanta-1996. Enfim, os Jogos de Pequim foram tão marcantes que uma coluna só é muito pouco para falar sobre tudo o que se passou nestes incríveis dias de agosto. E assim, os pitacos olímpicos prosseguirão pelas próximas duas colunas.

Máquina do tempo

29/08/1915 – Nascimento da atriz sueca Ingrid Bergman
29/08/1938 – Nascimento do ator americano Elliot Gould
29/08/1967 – O Racing (Arg) vence o Nacional (Uru) por 2 a 1 e conquista a Taça Libertadores
29/08/1983 – Encerramento dos Jogos Pan-Americanos de Caracas (Ven)
29/08/2004 – A seleção brasileira masculina de vôlei derrota a Itália por 3 a 1 e conquista a medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Atenas
29/08/2004 – Vanderlei Cordeiro de Lima conquista a medalha de bronze na maratona nos Jogos Olímpicos de Atenas-04

Fontes: Ponteiro, RSSSF e IMDb

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Liga dos Campeões: novas equipes que entram na briga pelo título europeu

O sorteio desta quinta-feira da fase de grupos da Liga dos Campeões da Uefa, temporada 2008/09, colocou três novas equipes na rota dos grandes do futebol mundial. Pela primeira vez na história do torneio, as equipes do Anorthosis, de Chipre, CFR 1907, da Romênia, e o BATE Borisov, da Bielorrússia, estarão participando da fase decisiva, ao lado das principais potências do mundo da bola.
O Anorthosis Famagusta, da cidade de Larnaca (CHP) tem como principal referência a presença do veterano atacante brasileiro Sávio, de 36 anos. O time integra o Grupo B, ao lado do Panathinaikos (GRE), Werder Bremen (ALE) e a Internazionale (ITA).


O CFR 1907 é de Cluj-Napoca (ROM). É o atual campeão romeno. Integra o Grupo A, onde enfrentará clubes com a presença de brasileiros: Chelsea (de Felipão, Beletti e provavelmente Robinho), Roma (de Doni, Cicinho, Júlio Baptista e Juan) e Bordeaux (de Wendel, Henrique e Jussiê).

Por fim, o BATE, da cidade de Borisov (BIE), conquistou o campeonato nacional da Bielorrússia em 2007, mas precisou superar duas fases eliminatórias, derrotando na última delas o Levski Sofia, da Bulgária. Integra o Grupo H, ao lado dos poderosos Real Madrid (ESP) e Juventus (ITA), além da força emergente do Zenit (RUS), atual campeão da Copa da UEFA.

Confira os grupos da Liga dos Campeões da Europa 2008/2009

Liga dos Campeões - Fase de grupos

Grupo A: Chelsea (ING), Roma (ITA), Bordeaux (FRA) e CFR 1907 Cluj (ROM)
Grupo B: Internazionale (ITA), Werder Bremen (ALE), Panathinaikos (GRE) e Anorthosis (CHP)
Grupo C: Barcelona (ESP), Sporting (POR), Basel (SUI) e Shakhtar Donetsk (UCR)
Grupo D: Liverpool (ING), PSV (HOL), Olympique (FRA) e Atlético de Madri (ESP)
Grupo E: Manchester United (ING), Villarreal (ESP), Celtic (ESC) e Aalborg (DIN)
Grupo F: Lyon (FRA), Bayern de Munique (ALE), Steaua Bucareste (ROM) e Fiorentina (ITA)
Grupo G: Arsenal (ING), Porto (POR), Fenerbahce (TUR) e Dynamo de Kiev (UCR)
Grupo H: Real Madrid (ESP), Juventus (ITA), Zenit (RUS) e BATE Borisov (BLR)

Corinthians vê o sonho do estádio mais uma vez ir para o ralo

Certamente não há clube no mundo que mais sofra na mão de enganadores e vendedores de ilusão do que o Corinthians.

Especialmente quando o assunto diz respeito ao tão sonhado estádio que o alvinegro tenta erguer há mais de três décadas.

Nesta quarta-feira, o enésimo projeto do novo estádio corintiano foi sepultado, com a desistência oficial do consórcio Egesa/Seebla de erguer a arena do Timão, em um terreno na Marginal Tietê.

Agora, será que alguma alma acreditava na possibilidade deste estádio realmente ser construído? Durante as negociações, o próprio presidente do clube, Andrés Sanchez, mostrava-se cético quanto à possibilidade de sucesso.

Para piorar, veículos de imprensa cansaram de publicar em jornais, sites ou reproduzir na TV as imagens de uma maquete (foto) que jamais sairá do papel. Cadê o senso crítico para saber que aquilo era mais um engodo na vida do corintiano?

Ah, Sanchez prometeu à torcida que um estádio estará pronto até 2011. Então, tá...

Máquina do tempo

28/08/1931 – Nascimento do ator brasileiro Raul Cortez
28/08/1938 – Fundação do Operário Futebol Clube (MS)
28/08/1946 – Estréia no Rio de Janeiro o filme “O Ébrio”, estrelado por Vicente Celestino
28/08/1962 – Nascimento do jogador colombiano de futebol René Higuita
28/08/1971 – Nascimento da nadadora americana Janet Evans
28/08/1983 – O piloto francês René Arnoux, com uma Ferrari, vence o GP da Holanda de F-1, realizado no Autódromo de Zandvoort

Fontes: Ponteiro e RSSSF

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Máquina do tempo

27/08/1959 - Abertura dos Jogos Pan-Americanos de Chicago (EUA)
27/08/1967 - O piloto australiano Jack Brabham, com uma Brabham, vence o GP do Canadá de Fórmula 1, realizado no Autódromo de Mosport Park
27/08/1976 - Nascimento do piloto australiano de F-1 Mark Webber
27/08/1989 - O piloto brasileiro Ayrton Senna, com uma McLaren, vence o GP da Bélgica de Fórmula 1, realizado no Autódromo de Spa-Francorchamps
27/08/2000 - Casamento dos atores Brad Pitt e Jennifer Aniston
27/08/2004 - O cavaleiro brasileiro Rodrigo Pessoa ganha a medalha de prata na prova individual de saltos dos Jogos Olímpicos de Atenas. Um ano depois, ganharia ou ouro, em virtude do doping do cavaleiro irlandês que havia vencido a prova

Fonte: Ponteiro

terça-feira, 26 de agosto de 2008

Do blog da Magic Paula

Magic Paula, uma das maiores jogadoras de basquete do mundo e que hoje dirige o Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa da prefeitura de São Paulo, faz uma cesta de três pontos ao analisar em seu blog a pífia participação do basquete brasileiro nos Jogos de Pequim.

Nosso basquete em Pequim (II)

Falar da participação das nossas meninas nos Jogos Olímpicos é voltar ao passado e relembrar dos mesmos problemas de 20 anos atrás. A única diferença é o orçamento, afinal o basquete jamais teve tanto dinheiro. Já não podemos alegar que iremos demorar 15 anos para que esta nova geração possa conquistar um título importante e que o basquete não tem apoio. Ficaria muito fácil neste momento culpar as jogadoras pelo tal fracasso, mas eu sei que elas acabaram fazendo além do que era esperado. O basquete feminino brasileiro foi para Pequim com oito das doze jogadoras sem a mínima experiência internacional. Não podemos jogar as nossas atletas na jaula dos leões e ver o que acontece, como já fizemos várias vezes. Desta vez não foi diferente.

A campanha do Brasil foi a que eu já imaginava e eu vou explicar o porquê. Porque vivemos em um país que tem uma cultura esportiva imediatista! Porque não trabalhamos pensando em ciclos olímpicos! Porque não sabemos renovar! Porque somos incapazes de trabalhar de forma planejada e com metas a serem alcançadas! Porque mudamos o técnico um ano antes de começar uma competição!

Teria inúmeros motivos para aliviar a campanha do nosso basquete feminino brasileiro, mas confesso que tem sido duro perceber que paramos no tempo (e quanto tempo). Olhar para trás e perceber que os novos problemas são velhos conhecidos deste mundo chamado basquete. Pior ainda é ter a certeza de que os grandes culpados somos nós mesmos.

A cada fracasso vem à tona a idéia de que os grandes ídolos deveriam assumir o comando do basquete brasileiro, algo como “os ídolos poderiam ser a solução para o caos em que a modalidade vive e também ser os grandes responsáveis por mudanças”. Discordo. Não vamos confundir as coisas. Bom para o basquete seria a união de todos para que as mudanças acontecessem e que se fizesse uma reflexão do que queremos para o nosso basquete. Quem vai ser o grande comandante não importa, pois o que está em jogo é o resgate de uma modalidade que já esteve no podium por inúmeras vezes.

Pequim-08: e as medalhas brasileiras?

No Brasil, ao contrário da China, a situação é um pouquinho diferente...

Apesar do dinheiro injetado pela Lei Piva, o Comitê Olímpico Brasileiro (COB) não destinou nenhuma verba para premiar as conquistas brasileiras em Pequim, deixando este papel de mecenas para as respectivas confederações.

O vôlei, modalidade esportiva mais organizada do país, iria pagar R$ 4,75 milhões para a conquista da medalha de ouro. Não deverá pagar nada pela prata. As garotas da seleção feminina, que pela primeira vez faturaram o título olímpico, irão receber cerca de metade do prêmio dos homens (R$ 2,4 milhões).

A fantástica medalha do nadador César Cielo nos 50m livre não terá qualquer tipo de premiação da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA). Até agora, o presidente da entidade, Coaracy Nunes, não anunciou se haverá prêmio em dinheiro pelo desempenho de Cielo (que também foi bronze nos 100m livre).

Os judocas Leandro Guilheiro, Tiago Camilo e Ketleyn Quadros receberão R$ 20 mil por suas medalhas de bronze da Confederação Brasileira de Judô (CBJ).

Por fim, ainda não foi confirmado se a Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F) de São Paulo fará sua tradicional premiação aos medalhistas olímpicos, a exemplo do que ocorre desde os Jogos de Seul-88, quando a entidade distribuiu barras de ouro a todos os atletas que ganharam medalhas.

Os medalhistas individuais recebem barras de ouro de um quilo; os de prata, 500 gramas; e os de bronze, 250 gramas. Nos esportes coletivos, todos os atletas são premiados, mas recebem uma quantia menor (250 gramas). Entre os Jogos de 88 e 2004, a BM&F já premiou os medalhistas brasileiros com 55,75 quilos de ouro.

Foto: divulgação/COB

Pequim-08: O preço da vitória chinesa

Muita gente ainda se espanta com a quantidade de medalhas conquistadas pelos atletas chineses nos Jogos Olímpicos de Pequim, a ponto de terem deixado para trás uma superpotência esportiva como os Estados Unidos.

As 51 medalhas de ouro da China, contudo, não sairam de graça.

O governo chinês anunciou nesta terça-feira que cada campeão olímpico receberá US$ 50 mil por seu feito (cerca de R$ 90.000). Com isso, o total pago pelas medalhas de ouro chinesas chega a US$ 2.550.000 (quase R$ 46 milhões).
Convenhamos, não é pouca coisa...


Foto: o boxeador Zhang Xiaping comemorando a última medalha de ouro a China em Pequim, na categoria meio-pesado
Crédito: Bocog

Máquina do tempo

26/08/1914 – Fundação da Sociedade Esportiva Palmeiras
26/08/1926 – Fundação do A.C.F. Fiorentina (Ita)
26/08/1972 – Abertura dos Jogos Olímpicos de Munique
26/08/1973 – Santos e Portuguesa dividem o título do Campeonato Paulista, após erro do árbitro Armando Marques durante a disputa de pênaltis
26/08/1990 – O Bragantino empata com o Novorizontino em 0 a 0, na prorrogação, e conquista o Campeonato Paulista
26/08/2004 – A seleção brasileira feminina de vôlei é derrotada pela Rússia por 3 a 2, nas semifinais dos Jogos Olímpicos de Atenas

Fontes: Ponteiro e RSSSF

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

CBF divulga calendário de 2009 e lança a Série D

Ao divulgar em seu site oficial, nesta segunda-feira, o calendário oficial das competições para 2009, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) trouxe como principal novidade a inclusão do campeonato da Série D, a quarta divisão, que terá a participação de 40 clubes.

A Série C (terceira divisão) também passará por reformulações e terá a presença de 20 equipes (pontos corridos), a exemplo das Séries A e B: as quatro rebaixadas da Segundona de 2008 e as 16 melhor classificadas da Série C deste ano.

O campeonato da Série A tem seu início marcado para 3 de maio e o encerramento em 6 de dezembro. Já a Série B começará em 1º de maio e terminará em 29 de novembro. Outra competição do calendário da CBF será a Copa do Brasil, que será realizada entre 18 de fevereiro e 1º de julho.

Valdir Espinosa é mais um técnico a ser degolado na Série A

Valdir Espinosa não resistiu a vitória de 4 a 2 do Palmeiras sobre a Portuguesa e tornou-se no último domingo o mais novo desempregado no futebol brasileiro.

O técnico, contratado em 20 de julho para ajudar a tirar a Lusa do buraco, foi demitido ainda no vestiário. Para seu lugar, foi contratado Estevam Soares.

Clique aqui para acompanhar as mudanças de treinadores nas outras equipes que disputam o Campeonato Brasileiro.

Micos olímpicos: recordar é viver...

Só para não cair no esquecimento: na coluna Diário Esportivo, publicada no dia 21 de março, Marcos Vinícius Freire, chefe de missão da delegação brasileira em Pequim-08, esbanjava otimismo. Para ele, o Brasil superaria o desempenho de Atenas-04 e ficaria entre os 10 primeiros no quadro de medalhas. Ficou em 23º...

Internauta quer Dunga demitido da seleção brasileira o mais rápido possível

Não chega a ser uma surpresa, mas vá la: para 70% dos freqüentadores deste blog, o técnico Dunga deveria ser demitido do cargo na seleção brasileira. De preferência, quando chegasse ao Brasil, mas como isso não aconteceu, teremos que engolir o colérico treinador até os jogods das eliminatóirias, contra Chile e Bolívia.

Para 30% de pacientes internautas, tudo deveria ficar como está. Mas será que estes 30% vão manter a opinião em caso de tropeços nas próximas partidas?

Nuzman reinventa a matemática para inflar a participação do Brasil em Pequim

Incrível o trabalho que o presidente do COB, Carlos Arthur Nuzman, teve para tentar explicar a participação brasileira nos Jogos Olímpicos de Pequim, encerrados domingo e que tiveram uma modesta coleta de medalhas por parte do Brasil: 15 no total (igualando Atlanta-96), sendo três de ouro, quatro de prata e oito de bronze. Segundo o dirigente, numa coletiva em que fez um balanço do Brasil nos Jogos, houve uma inquestionável evolução.

"O crescimento esportivo de um país não deve ser medido apenas por medalhas. A presença de um maior número de atletas e de modalidades em finais olímpicas indicam a evolução qualitativa do esporte brasileiro nas últimas quatro edições dos Jogos Olímpicos", enalteceu Nuzman, lembrando que o país chegou a 38 finais (contra 30 de Atenas-04), além deter conquistado três medalhas de ouro inéditas (César Cielo/natação, Maurren Maggi/atletismo e vôlei feminino).

Porém, o cartola usou dois critérios diferentes ao analisar os pódios brasileiros. Por exemplo, exaltou que o Brasil ficou em 17º lugar na classificação por total de medalhas e que terminou à frente de Cuba em relação a ouros conquistados. Engraçado é que no total de medalhas, os cubanos ficaram à frente (24 contra 15)...

O problema é que todo este exercício matemático cai por terra quando confrontamos o desempenho olímpico brasileiro ao investimento federal na delegação. Nunca antes na história deste país (como diria o presidente Lula) se colocou tanto dinheiro em uma delegação esportiva. Neste ciclo olímpico (2005-08), o esporte de alto rendimento recebeu cerca de R$ 1,2 bilhão, incluídos aí verba da Lei Piva, lei de incentivo fiscal, patrocínios estatais e programa Bolsa Atleta, segundo reportagem desta segunda-feira, na Folha de S. Paulo.

Com tanto dinheiro assim, seria natural esperar uma participação melhor e em uma quantidade maior de modalidades. Mas o que se viu foram os mesmos esportes sendo premiados (vôlei, vôlei de praia, natação, iatismo, judô, atletismo, futebol), com o taekwondo sendo a exceção.

Para Londres-2012, que se faça um controle mais rígido do destino das verbas públicas no investimento olímpico, com a instalção de um programa de metas. Ou do contrário, daqui a quatro anos estaremos festejando os poucos heróis olímpicos de sempre e chorando as medalhas perdidas.

Máquina do tempo

25/08/1917 – Nascimento do ator americano Mel Ferrer
25/08/1927 – Nascimento da tenista americana Althea Gibson
25/08/1960 – Abertura dos Jogos Olímpicos de Roma
25/08/1977 – Nascimento do boxeador americano Diego Corrales
25/08/1985 – O piloto austríaco Niki Lauda, com uma McLaren, vence o GP da Holanda de Fórmula 1, realizado no Autódromo de Zandvoort
25/08/2004 – Os brasileiros Ricardo e Emanuel derrotam a dupla da Espanha Bosma e Herrera e conquista a medalha de ouro no vôlei de praia dos Jogos Olímpicos de Atenas

Fonte: Ponteiro

domingo, 24 de agosto de 2008

Pequim-08: veja a relação de todos os campeões olímpicos no futebol feminino

Atlanta-1996: EUA
Sydney-2000: Noruega
Atenas-2004: EUA
Pequim-2008: EUA (foto)

Pequim-08: veja a relação de todos os campeões olímpicos no futebol masculino

Paris-1900: Grã-Bretanha
St.Louis-1904: Canadá
Londres-1908: Grã-Bretanha
Estocolmo-1912: Grã-Bretanha
Antuérpia-1920: Bélgica
Paris-1924: Uruguai

Amsterdã-1928: Uruguai
Berlim-1936: Itália
Londres-1948: Suécia
Helsinque-1952: Hungria
Melbourne-1956: URSS
Roma-1960: Iugoslávia
Tóquio-1964: Hungria
México-1968: Hungria
Munique-1972: Polônia
Montreal-1976: Alemanha Oriental
Moscou-1980: Tchecoslováquia
Los Angeles-1984: França
Seul-1988: URSS
Barcelona-1992: Espanha
Atlanta-1996: Nigéria
Sydney-2000: Camarões
Atenas-2004: Argentina
Pequim-2008: Argentina (foto)

Pequim-08: veja a relação de todos os campeões olímpicos no vôlei feminino

Tóquio-1964: Japão
México-1968: URSS
Munique-1972: URSS
Montreal-1976: Japão
Moscou-1980: URSS
Los Angeles-1984: China
Seul-1988: URSS
Barcelona-1992: Cuba
Atlanta-1996: Cuba
Sydney-2000: Cuba
Atenas-2004: China
Pequim-2008: Brasil (foto)

Pequim-08: veja a relação de todos os campeões olímpicos no basquete feminino

Monteral-1976: URSS
Moscou-1980: URSS
Los Angeles-1984: EUA
Seul-1988: EUA
Barcelona-1992: CEI*
Atlanta-1996: EUA
Sydney-2000: EUA
Atenas-2004: EUA
Pequim-2008: EUA (foto)
* CEI = Comunidade dos Estados Independentes, representado por atletas das extintas repúblicas soviéticas

As mulheres brasileiras jamais irão se esquecer dos Jogos de Pequim

Seleção feminina de vôlei, Maurren Maggi, Ketleyn Quadros, Fernanda Oliveira e Isabel Swan, Natália Falavigna...Não dá para negar que os Jogos Olímpicos de Pequim ficarão marcados na história olímpica do Brasil como o ponto alto da participação da mulher brasileira.

Até Pequim-08, nunca uma mulher brasileira havia conquistado uma medalha individual. Foi então que Ketleyn Quadros quebrou este jejum, com seu bronze no judô, categoria até 57kg.

Até Pequim-08, as mulheres brasileiras jamais tinham obtido uma medalha no iatismo, esporte que mais rendeu metais ao país em Olimpíadas. Foi então que Fernanda Oliveira e Isabel Swan, na classe 470, faturaram o bronze.

Até Pequim-08, o atletismo brasileiro nunca tinha conquistado qualquer medalha. E a primeira que veio foi logo de ouro, com Maurren Maggi tendo a honra de se tornar a primeira mulher campeã olímpica do Brasil, com sua incrível vitória no salto em distância.

Até Pequim-08, o taekwondo, esporte pouco difundido no Brasil, jamais chegou perto de trazer uma medalha olímpica. E a primeira coube a uma mulher, Natália Falavigna e seu bronze na categoria acima de 67kg.

Por fim, até Pequim-08, o vôlei feminino brasileiro finalmente conseguiu chegar à final olímpica, depois de bater na trave quatro vezes. Mas era pouco e elas trouxeram nada menos do que uma medalha de ouro.

Para as mulheres do Brasil, que fizeram bonito em Pequim e não pipocaram, todas as homenagens.

Máquina do tempo

24/08/1908 – Nascimento da atriz americana Helena Grant
24/08/1965 – Nascimento da atriz americana Marlee Matlin
24/08/1972 – O enxadrista americano Bobby Fisher torna-se campeão mundial de xadrez, ao derrotar o russo Boris Spassky
24/08/1977 – Nascimento do jogador brasileiro de futebol Denílson
24/08/1984 – Nascimento da nadadora brasileira Rebeca Gusmão
24/08/1994 – A Fifa suspende o jogador argentino de futebol Diego Maradona por 15 meses, em virtude de doping durante a Copa do Mundo dos EUA

Fonte: Ponteiro

sábado, 23 de agosto de 2008

Musas de Pequim (10): Paula Pequeno

Nome: Paula Renata Marques Pequeno
Modalidade: vôlei
Nascimento: 22/01/1982 (26 anos)
Local: Brasília (DF)
Altura: 1m85
Peso: 75kg
Currículo: vice-campeã mundial (2006); campeã do Grand Prix (2008/2005); medalha de prata nos Jogos Pan-Americanos do Rio (2007); campeã mundial juvenil (2001)
Melhor momento em Pequim: além do "conjunto da obra", foi eleita a melhor jogadora do torneio feminino de vôlei e faturou a medalha de ouro

Pequim-08: cubano do taekwondo perde a compostura e dá um bico no fair play

A exemplo do que ocorreu na luta greco-romana, quando o sueco Ara Abrahamian jogou fora a medalha de bronze na categoria até 84kg por não concordar com o resultado de uma luta, o taekwondo dos Jogos Olímpicos de Pequim viveu neste sábado um momento bizarro.

O cubano Angel Valodia Matos, ouro em Sydney-00 na categoria acima de 80kg, foi desclassificado pelo árbitro sueco Chakil Chelbat, por ter ultrapassado o tempo de um minuto de atendimento médico, na luta que decidia a medalha de bronze, diante de Arman Chilmanov, do Cazaquistão.

Inconformado com a decisão, Matos partiu para cima do árbitro, reclamando da decisão. Com o sueco não voltou atrás, o lutador cubano simplesmente desferiu um chute na cabeça do árbitro.

A Federação Internacional de Taekwondo pediu o banimento do cubano do esporte.

Pequim-08: alguns números que explicam a medalha de ouro do vôlei feminino

A superioridade da seleção brasileira feminina de vôlei, medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Pequim, pode ser traduzida em alguns números da partida final diante dos Estados Unidos.
  • dos 53 pontos de ataque marcados pelo Brasil na partida, 16 foram feitos por Sheilla. A principal pontuadora de ataque dos EUA foi Logan Tom, com 15;
  • o bloqueio brasileiro foi avassalador na final: foram 16 pontos contra 5 das americanas. Walewska e Fabiana, com 4 pontos cada uma, foram as grandes pontuadoras neste fundamento;
  • A defesa brasileira foi outro ponto alto nesta conquista. Ao longo da partida, o Brasil realizou 56 defesas, enquanto os EUA fizeram 47.
  • e o que dizer de um time que em oito jogos, perde apenas um set?

Foto: Paula Pequeno, no melhor fundamento do Brasil nos Jogos Olímpicos, o bloqueio
Crédito: Divulgação/FIVB

Pequim-08: Cadê as amarelonas, hein?

Nos últimos quatro anos, as jogadoras da seleção brasileira feminina de vôlei foi obrigada a conviver com um destes rótulos que torcedores e jornalistas adoram pregar em equipes que não conseguem títulos: amarelonas.

E motivos para isso não faltavam, em especial o jogo semifinal diante da Rússia, nos Jogos de Atenas-04, quando o time brasileiro tinha 24/19 no quarto set e levou a virada.

Também falharam no Mundial-06, no Japão, e no Pan-Americano-07...


Só que hoje não era dia de falhar. Não este time, que até o jogo deste sábado não havia perdido um único set em todo o torneio olímpico. E mesmo com a derrota no segundo set, as brasileiras não se abalaram e conseguiram manter o jogo sob controle.

Um placar de 3 sets a 1 (25/15, 18/25, 25/13 e 25/21) para não deixar margem para constestação.

O vôlei feminino do Brasil conseguiu alcançar sua glória maior, uma medalha de ouro inédita, talvez a mais merecida nestes Jogos. E um prêmio para o comandante deste time, José Roberto Guimarães, o único treinador a se tornar campeão olímpico dirigindo equipes masculina e feminina.

Quem é que era amarelona mesmo?

Foto: Divulgação/FIVB

Sumiço da vara de Fabiana Murer é o maior mico olímpico, segundo internauta

O desaparecimento de uma das varas da saltadora brasileira Fabiana Murer na final do salto com vara foi eleito pelo internauta que freqüenta este blog como o maior mico dos Jogos Olímpicos de Pequim, com 59% dos votos.

Também foram bem votados o caso da dublagem da menina chinesa durante a festa de abertura das Olimpíadas (19%) e a incrível falha do ginasta Diego Hypólito na final do solo (12%).

Pequim-08: Galvão Bueno fica de olho na concorrência e fala mais do que devia

Retiraram do ar o vídeo em que Galvão Bueno dá uma mancada ao vivo (mais uma...)

Ao ser chamado por Cléber Machado, que narrava o jogo da seleção masculina contra a Bélgica, pela medalha de bronze, Galvão - que estava na semifinal do vôlei masculino -, sem saber que estava no ar, acaba deixando vazar comentário sobre a Band.

"E a Band, tá com o quê (no ar)"...

Após contrangedores segundos, Cléber volta a narra o futebol, tentando segurar o riso




Máquina do tempo

23/08/1910 – Nascimento do jogador italiano de futebol Giuseppe Meazza
23/08/1912 – Nascimento do ator e bailarino Gene Kelly
23/08/1963 – Nascimento da atriz brasileira Glória Pires
23/08/1970 – Nascimento do ator americano River Phoenix
23/08/1978 – Nascimento do jogador americano de basquete Kobe Bryant
23/08/2005 – O piloto brasileiro de F-1 Felipe Massa faz testes com uma Ferrari no circuito de Monza, na Itália


Fonte:
Ponteiro

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

Musas de Pequim (9): Hope Solo



Nome: Hope Solo
Modalidade: futebol (goleira)
Nascimento: 30/07/1981 (27 anos)
Local: Richmond (EUA)
Altura: 1m75
Peso: 70kg
Currículo: medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Pequim-08; 3º lugar na Copa do Mundo da China-07
Melhor momento em Pequim: parou o ataque da seleção brasileira na decisão

Pequim-08: descoberta a razão do fiasco de Jadel Gregório no salto triplo

Jadel Gregório, aquele mesmo que chegou cheio de marra em Pequim, dispensou o período de aclimatação em Macau ao lado dos demais integrantes da equipe de atletismo para poder desfilar na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos, deixou aos prantos a pista do Ninho do Pássaro na última quarta-feira.

Atônito, ele não conseguia encontrar explicações para o fato de um atleta que já saltou 17m90 só chegar, com muito custo diga-se de passagem, a 17m20. “Não sei o que aconteceu, trabalhei o ano inteiro, não sei o que deu errado”, balbuciou Jadel, desta vez sem marra.

Talvez a explicação esteja na vitória de hoje de Maurren Maggi. No início de seu carreira, Jadel também foi orientado pelo técnico Nélio Moura, que deixa Pequim com o orgulho de ter preparado dois campeões olímpicos: além da própria Maurren, o panamenho Irving Saladino, ouro no salto em distância.

Só que Jadel brigou com Nélio. Como também brigou com o inglês Peter Stanley (que treinou o inglês Jonathan Edwards, atual campeão olímpico) e Pedro Henrique de Toledo, ex-treinador de João do Pulo, largado sozinho em um hotel meia-lua de Pequim. No final, o brigão Jadel estava sozinho.

Isso explica porque Jadel ficou em sexto e Maurren Maggi levou a medalha de ouro.

Foto: Nélio Moura (à dir.), ao lado de Maurren Maggi
Crédito: Divulgação/CBAt

Maurren Maggi faz história e acaba com jejum de 24 anos no atletismo brasileiro

A medalha de ouro conquistada há pouco pela paulista Maurren Maggi no salto em distância traz uma história repleta de drama, frustração, superação e emoção.

Em 2003, quando vivia talvez a melhor fase de sua carreira, Maurren teve um exame de doping positivo, ocasionado segundo a saltadora por causa de um creme depilatório.

Afastada das pistas por dois anos, Maurren simplesmente abandonou a carreira e foi viver com o ex-piloto de F-1, Antonio Pizzonia, com quem teve a filha Sofia.

Em 2005, já separada de Pizzonia, Maurren foi retomando aos poucos sua carreira, sempre treinada pelo competente Nélio Moura. No ano seguinte, conseguiu por duas vezes a respeitável marca de 6m84, marca que no ano passado, no Mundial de Osaka, chegou a 6m95.

Neste ano, no Mundial Indoor, em Valencia (Esp), ela ficou com a prata, saltando 6m89.

Nesta sexta-feira histórica, Maurren atingiu um impressionante 7m04, logo em sua primeira tentativa na final do salto em distância. E a medida que as rivais não conseguiam alcançá-la, a medalha ficava cada vez mais próxima.

Até que a russa Tatyana Lebedeva, campeã olímpica de Atenas, fez 7m03 em seu último salto, garantindo a vitória para a brasileira.

Maurren tornou-se assim a primeira mulher brasileira a ganhar uma medalha de ouro individual na história olímpica. E o atletismo voltou a festejar uma vitória depois de 24 anos, desde a conquista de Joaquim Cruz nos 800m, em Los Angeles-1984.

Foto: Divulgação/Iaaf

Máquina do tempo

22/08/1902 – Nascimento da cineasta alemã Leni Riefenstahl
22/08/1964 – Nascimento do tenista sueco Mats Wilander
22/08/1973 – O Fluminense vence o Flamengo por 4 a 2 e conquista o Campeonato Carioca
22/08/1975 – Nascimento do ator brasileiro Rodrigo Santoro
22/08/1982 – O piloto brasileiro Ayrton Senna conquista o título europeu de Fórmula Ford 2000
22/08/2004 – O iatista brasileiro Robert Scheidt conquista a medalha de ouro na classe Laser nos Jogos Olímpicos de Atenas. É a segunda medalha olímpica de Scheidt


Fontes: Ponteiro e RSSSF

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Iatismo volta a ser o esporte brasileiro que mais medalhas olímpicas ganhou

Com a medalha de prata conquistada nesta quinta-feira pela dupla Robert Scheidt e Bruno Prada, na classe Star (além do bronze que Fernanda Oliveira e Isabel Swan ganharam na 470), o iatismo volta a ser a modalidade que mais medalhas rendeu ao esporte brasileiro na história das Olimpíadas, 16 no total.

Confira abaixo todas as medalhas olímpicas do iatismo:


Ouro
Alex Welter e Lars Björkströn (Tornado - Moscou/80)
Eduardo Penido e Marcos Soares (470 - Moscou/80)
Robert Scheidt (Laser - Atlanta/96)
Torben Grael e Marcelo Ferreira (Star - Atlanta/96)
Robert Scheidt (Laser - Atenas/04)
Torben Grael e Marcelo Ferreira (Star - Atenas/04)

Prata
Torben Grael, Daniel Adler e Ronaldo Senfit (Soling - Los Angeles/84)
Robert Scheidt (Laser - Sydney/00)
Robert Scheidt e Bruno Prada (Star - Pequim/08)

Bronze
Bunkhard Cordes e Reinaldo Conrad (Flying Dutchman - México/68)
Peter Ficker e Reinaldo Conrad (Flying Dutchman - Montreal/76)
Lars Grael e Clinio Freitas (Tornado - Seul/88)
Torben Grael e Nelson Falcão (Star - Seul/88)
Lars Grael e Kiko Pelicano (Tornado - Atlanta/96)
Torben Grael e Marcelo Ferreira (Star - Sydney/00)
Fernanda Oliveira e Isabel Swan (470 - Pequim/08)

Foto: Divulgação/COB

Pequim-08: seleção brasileira feminina de vôlei está a um degrau da glória

Há muita semelhança entre as campanhas brilhantes que a seleção feminina de vôlei vem realizando em Pequim-08 e a da equipe masculina que faturou a medalha de ouro em Barcelona-92.

Como elo de ligação entre os dois times sensacionais, está o competente técnico José Roberto Guimarães, que vem conseguindo o que muitos achavam impossível: acabar com a síndrome destas meninas de sempre vacilarem na hora decisiva, assim como fez há 16 anos com a turma de Tande, Maurício, Negrão...

Ainda falta um jogo, é verdade. Mas pelo que vem apresentando até agora - e principalmente pela superioridade com que tem derrotado os adversários -, o Brasil chega à decisão da medalha de ouro contra os EUA como favorito.

A vitória desta quinta-feira sobre a China, por incontestáveis 3 sets a 0, é a prova de que o complexo de vira-latas que atormentava o vôlei feminino do Brasil está chegando ao fim. Só falta um joguinho para que ele seja sepultado definitivamente.

Foto: Divulgação/FIVB

Pequim-08: confira os resultados dos confrontos entre Brasil e EUA até hoje

22/07/1986 - EUA 2 x 1 Brasil (Jesolo/EUA) - amistoso
19/11/1991 - Brasil 0 x 5 EUA (Panyu/
China) - Copa do Mundo
12/05/1995 - EUA 3 x 0 Brasil (Tacoma/EUA) - amistoso
14/05/1995 - EUA 4 x 1 Brasil (Portland/EUA) - amistoso
16/01/1996 - Brasil 2 x 3 EUA (Campinas/Brasil) - amistoso

21/01/1996 - EUA 1 x 1 Brasil (Campinas/Brasil) - amistoso
11/12/1997 - Brasil 1 x 2 EUA (Taubaté/Brasil) - amistoso
13/12/1997 - Brasil 1 x 0 EUA (São Paulo/Brasil) - amistoso
20/09/1998 - EUA 3 x 0 Brasil (Richmond/EUA) - amistoso
22/05/1999 - EUA 3 x 0 Brasil (Orlando/EUA) - amistoso
4/07/1999 - EUA 2 x 0 Brasil (San Francisco/EUA) - Copa do Mundo
26/09/1999 - EUA 6 x 0 Brasil (Denver/EUA) - amistoso
10/10/1999 - EUA 4 x 2 Brasil (Louisville/EUA) - amistoso
27/06/2000 - EUA 0 x 0 Brasil (Foxboro/EUA) - Copa continental
3/07/2000 - EUA 1 x 0 Brasil (Foxboro/EUA) - Copa continental
1º/09/2000 - EUA 4 x 0 Brasil (San Jose/EUA) - amistoso

24/09/2000 - EUA 1 x 0 Brasil (Canberra/Austrália) - Jogos Olímpicos
13/07/2003 - EUA 1 x 0 Brasil (Nova Orleans/EUA) - amistoso
24/04/2004 - EUA 5 x 1 Brasil (Birmingham/EUA) - amistoso
14/08/2004 - EUA 2 x 0 Brasil (Thessaloniki/Grécia) - Jogos Olímpicos
26/08/2004 - EUA 2 x 1 Brasil (Piraeus/Grécia) - Jogos Olímpicos
23/06/2007 - EUA 2 x 0 Brasil (New Jsersey/;EUA) - amistoso
27/09/2007 - EUA 0 x 4 Brasil (Hangzhoui/Chi) - Copa do Mundo
13/07/2008 - EUA 1 x 0 Brasil (Commerce City/EUA) - amistoso
16/07/2008 - EUA 1 x 0 Brasil (San Diego/EUA) - amistoso

Máquina do tempo

21/08/1898 – Fundação do Club de Regatas Vasco da Gama
21/08/1944 – Nascimento do cineasta australiano Peter Weir
21/08/1956 – Nascimento da atriz americana Kim Cattrall
21/08/1967 – Nascimento da atriz canadense Carrie-Anne Moss
21/08/1986 – Nascimento do atleta e campeão olímpico jamaicano Usain Bolt
21/08/2002 – O Paraguai vence o Brasil por 1 a 0, em amistoso realizado em Fortaleza, no jogo que marcou a despedida de Luiz Felipe Scolari do cargo de técnico da seleção

Fontes: Ponteiro e RSSSF

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

Musas de Pequim (8): Leryn Franco

Nome: Leryn Franco
Modalidade: atletismo (lançamento do dardo)
Nascimento: 1º/03/1982 (26 anos)
Local: Assunção (Paraguai)
Altura: 1m74
Peso: 54kg
Currículo: Já foi modelo, Miss Paraguai em 2006 e concorreu ao concurso Miss Mundo. Como atleta, participou dos Jogos Olímpicos de Atenas-04 e foi terceira colocada no Sul-Americano de 2007, em São Paulo
Melhor momento em Pequim: participou das eliminatórias do lançamento do dardo. Mas precisava de mais alguma coisa?




Pequim-08: veja a evolução do recorde dos 200m rasos pulverizado por Usain Bolt


Atualizado em 21/08, às 10h06

Pequim-08: Usain Bolt é o cara!

Os Jogos Olímpicos de Pequim estão destinados a derrubar marcas e criar novos ídolos e ícones do esporte. Já tinha sido assim com o americano Michael Phelps, na natação, e com a russa Yelena Isinbayeva, no salto com vara. Agora, foi a vez do jamaicano Usain Bolt entrar para a história.

Se o marrento e divertido velocista já havia assombrado o mundo ao pulverizar o recorde dos 100m rasos no sábado, aparentemente sem fazer muito esforço, o que dizer da prova dos 200m, encerrada há pouco no Ninho do Pássaro?

Bolt simplesmente não tomou conhecimento dos adversários, quebrou também o recorde mundial do americano Michael Johnson, que parecia imbatível, ao correr em 19s30, e ainda por cima tornou-se o primeiro atleta da história, desde Carl Lewis em 1984, a ganhar os 100 e 200m numa mesma edição olímpica.

E da melhor forma possível, calou a boca de alguns invejosos, entre eles o brasileiro Sandro Viana, que por não terem competência de bater o jamaicano, insinuam que todas estas marcas só estão aparecendo em virtude de substâncias proibidas.

Bolt é o cara!

Foto: Divulgação Iaaf

Trapalhada tática faz brasileiras perderem medalha na maratona aquática de Pequim

Seria uma daquelas medalhas que ninguém estaria esperando. Mas as brasileiras Poliana Okimoto e Ana Marcela Cunha, que por pouco não chegaram ao pódio da maratona aquática de 10km nos Jogos Olímpicos, acabaram fazendo uma lambança e ficaram sem medalhas. Desta forma, as mulheres brasileiras continuam sem ganhar medalha na natação.

Nos metros finais da prova, Ana Paula e Poliana começaram a apertar o ritmo e chegaram a dividir a terceira colocação. Mas por causa da briga doméstica, acabaram se distanciando e perderam terreno em relação às demais competidoras. No final, Ana Paula terminou em quinto lugar, enquanto Poliana acabou em sétimo.

"Uma atrapalhou a outra. Perdemos o vácuo no final. Poderíamos ter chegado mais perto", lamentou Poliana. "Foi uma falta de visão nossa, uma querendo ficar na frente da outra, e acabamos perdendo o grupo", rebateu Ana Marcela.

A medalha de ouro ficou com a russa Larisa Ilchenko, seguida pelas britânicas Keri-Anne Payne (prata) e Cassandra Patten (bronze).

Crédito: Alaor Filho/Divulgação COB

Máquina do tempo

20/08/1912 – Fundação do Goytacaz Futebol Clube (RJ)
20/08/1920 – Fundação do Club Deportivo Palestino (Chi)
20/08/1945 – Nascimento do ator brasileiro José Wilker
20/08/1987 – Nascimento da ginasta romena Catalina Ponor
20/08/1995 – Briga generalizada entre torcedores de São Paulo e Palmeiras, na final da Supercopa São Paulo de futebol Junior, causa a morte de Márcio Gasparin da Silva, de 16 anos
20/08/2004 – Estréia do filme “Olga”, do diretor brasileiro Jayme Monjardim

Fontes: Ponteiro

terça-feira, 19 de agosto de 2008

Pequim-08: confira como foram todas as participações do Brasil no futebol olímpico

Helsinque-1952: eliminado nas quartas-de-final (2 vitórias e 1 derrota)

Roma-1960: eliminado na primeira fase (2 vitórias e 1 derrota)

Tóquio-1964: eliminado na primeira fase (1 vitória, 1 empate e 1 derrota)

México-1968: eliminado na primeira fase (2 empates e 1 derrota)

Munique-1972: eliminado na primeira fase (1 empate e 2 derrotas)

Montreal-1976: derrotado pela URSS na disputa da medalha de bronze (2 vitórias, 1 empate e 2 derrotas)

Moscou-1980: não se classificou

Los Angeles-1984: conquistou a medalha de prata, derrotado pela França na final (4 vitórias, 1 empate e 1 derrota)

Seul-1988: conquistou a medalha de prata, derrotado pela URSS na final (4 vitórias, 1 empate e 1 derrota)

Barcelona-1992: não se classificou

Atlanta-1996: conquistou a medalha de bronze, vencendo Portugal (4 vitórias e 2 derrotas)

Sydney-2000: eliminado nas quartas-de-final (2 vitórias e 2 derrotas)

Atenas-2004: não se classificou

Pequim-08: Argentina 3 x 0, fora o baile...

Não deu nem graça. A Argentina sobrou em campo, deu um baile no Brasil e o 3 a 0 ficou até barato. Vão com justiça brigar pela medalha de ouro, diante da Nigéria.

Ao Brasil, que nunca foi brilhante nestas Olimpíadas, resta jogar pelo bronze, contra a Bélgica. Agora, o time do Dunga não precisa apelar no final, com as expulsões bisonhas de Lucas e Thiago Neves.

Parece que o destino da seleção é nunca ganhar uma medalha de ouro olímpica no futebol (mas será que eles querem tento mesmo?).

E pelo jeito, toda a vez que Maradona e Dunga estiverem juntos no mesmo estádio, o argentino com certeza levará a melhor...

Pequim-08: o fiasco de Diego Hypólito e a dificuldade de assumir as próprias falhas

A primeira imagem que me veio à mente quando vi o ginasta Diego Hypólito surpreendentemente ao chão, no final de sua apresentação na prova do solo, no último domingo, é que este rapaz teria sua vida transformada num inferno. Considerado favorito absoluto para conquistar a medalha de ouro pela conceituada revista americana "Sports Illustrated", Diego estampou no rosto mo espanto que tantas pessoas sentiram ao ver aquela cena.

Nesta terça-feira, Diego Hypólito resolveu encarar os jornalistas brasileiros que estão em Pequim. Voltou a pedir desculpas por não trazer a medalha - coisa que absolutamente ele precisa fazer, afinal não deve nada a ninguém - e negou, enfático, que tenha sentido a pressão de estar tão perto do ouro.

Dando uma garimpada em diversos sites, pesquei as frases mais interessantes de Diego: "Não sou amarelão. Disputei cinco mundiais e sei lidar com a pressão(...) Gosto de decisões, o que aconteceu foi uma fatalidade(...) a ferida está aberta, mas o Diego está inteiro, está vivo".

Engraçado como às vezes as palavras não conseguem expressar exatamente aquilo que a pessoa está sentindo. Pode até ser que Diego Hypólito realmente não tenha sentido a pressão, mas exibia uma auto-confiança acima do normal. Nas entrevistas (poucas) que dava dias antes da prova, era nítido que o brasileiro já se sentia com a medalha no peito. O sorriso que exibia durante sua série era um sinal de que ele sentia o ouro garantido.

E a tomar como base as palavras de pessoas próximas ao ginasta, a tese de que ele não sentiu a pressão passa a ser questionada. Como, por exemplo, da técnica ucraniana Irina Ilyiashenko, da seleção feminina, ao jornal O Globo: "Ele não aguentou a pressão psicológica". Ou o que disse a presidente da Confederação Brasileira de Ginástica, Vicélia Florenzano, também ao Globo: "Ele implodiu depois da derrota (...) É claro que não vai ficar feliz de um dia para o outro, mas fiquei preocupada com a forma como sentiu tudo isso".

Pequim-08: confira a evolução do recorde na prova do salto com vara feminino


Musas de Pequim (7): Elena Isinbayeva

Nome: Elena Isinbayeva
Modalidade: atletismo (salto com vara)
Nascimento: 3/06/1982 (26 anos)
Local: Volgograd (Rússia)
Altura: 1m74
Peso: 64kg
Currículo: bicampeã olímpica (Atenas-04 e Pequim-08); bicampeã mundial (Helsinque/05 e Osaka-07); campeã européia (Gotemburgo-06); bicampeã mundial indoor (Moscou-06 e Valencia-08); atual recordista mundial da prova

Principal momento em Pequim: conquistar a medalha de ouro e quebrar o seu próprio recorde mundial, saltando 5m05, para delírio das 90 mil pessoas que lotavam o estádio Ninho do Pássaro

Máquina do tempo

19/08/1947 – Nascimento do piloto inglês James Hunt
19/08/1957 – Nascimento do ator americano Martin Donovan
19/08/1963 – Nascimento do ator brasileiro Marcos Palmeira
19/08/1973 – O piloto sueco Ronnie Petterson, com uma Lotus, vence o GP da Áustria de Fórmula 1, realizado no Autódromo de Osterreichring
19/08/1995 – O boxeador Mike Tyson retorna aos ringues, após passar três anos na prisão, e derrota Peter McNeeley por nocaute técnico, no 1º assalto
19/08/2001 – O piloto alemão Michael Schumacher, com uma Ferrari, vence o GP da Hungria de F-1, realizado no Autódromo de Hungaroring, e conquista o tetracampeonato mundial de pilotos

Fontes: Ponteiro

segunda-feira, 18 de agosto de 2008

Pequim-08: cadê a vara da Fabiana?

É de se supor que em um evento do grau de importância dos Jogos Olímpicos, a organização seja a mais cuidadosa possível. Em todos os detalhes. Por isso, não dá para acreditar no que aconteceu com a saltadora brasileira Fabiana Murer.

Sumir uma vara em meio à prova é inacreditável. Nem a russa Elena Isinbayeva, que ganhou com facilidade sua segunda medalha de ouro olímpica e ainda baeu de novo o redorde mundial (5m05), conseguiria segurar a barra diante de uma situação destas.

Deu pena de ver o desespero de Fabiana, procurando em todos os tubos onde estaria a vara com a qual ela daria o seu salto.

Se ela conseguiria ou não chegar à medalha, não dá pra garantir. Mas é lamentável que um mico destes ocorra em plenas Olimpíadas.

Foto: Marcelo Pereira/Terra

Máquina do tempo

18/08/1919 – Nascimento do ator americano Jack Palance
18/08/1933 – Nascimento do cineasta francês Roman Polanski
18/08/1936 – Nascimento do ator americano Robert Redford
18/08/1952 – Nascimento do ator americano Patrick Swayze
18/08/1976 – O Palmeiras derrota o XV de Piracicaba por 1 a 0 e vence o Campeonato Paulista
18/08/2002 – O piloto brasileiro Rubens Barrichello, com uma Ferrari, vence o GP da Hungria de F-1, realizado o Autódromo de Hungaroring

Fontes: Ponteiro e RSSSF

domingo, 17 de agosto de 2008

Musas de Pequim (6): Nataliia Dobrynska

Nome: Nataliia Dobrynska
Modalidade: atletismo (heptatlo)
Nascimento: 29/05/1982
Local: Brovary (Ucrânia)
Altura: 1m82

Peso: 70kg
Melhor momento em Pequim: conquistou a medalha de ouro no heptatlo, com a marca de 6.733 pontos, a melhor de sua carreira

Pequim-08: confira todas as medalhas olímpicas na história da natação brasileira


OURO
César Cielo (50m livre - Pequim/08)

PRATA
Ricardo Prado (400m medley - Los Angeles/84)
Gustavo Borges (100m livre - Barcelona/92)
Gustavo Borges (200m livre - Atlanta/96)

BRONZE
Tetsuo Okamoto (1.500m livre - Helsinque/52)
Manoel dos Santos Júnior (100m livre - Roma/60)
Ciro Delgado, Djan Madruga, Jorge Fernandes e Marcus Mattioli (revezamento 4 x 200m livre - Moscou/80)
Fernando Scherer (50m livre - Atlanta/96)
Gustavo Borges (100m livre - Atlanta/96)
Carlos Jayme, Edvaldo Valério, Fernando Scherer e Gustavo Borges (revezamento 4 x 100m livre - Sydney/00)
César Cielo (100m livre - Pequim/08)

César Cielo avisa: vai tentar o recorde mundial dos 50m livre em 2009

O nadador brasileiro César Cielo, o mais novo campeão olímpico brasileiro, depois de uma maratona extenuante de entrevistas, avisou neste sábado: "Quero descansar até dezembro, mas para o ano que vem, parto para novos desafios, como quebrar o recorde mundial dos 50m livre".

Depois do que Cielo fez no Cubo D'Água na última sexta-feira, temos que acreditar em tudo o que ele disser.

Foto: Sátiro Sodré/Divulgação CBDA

Candidatura brasileira para os Jogos de 2016 é rejeitada pelo internauta

A imagem de "potência olímpica" que o Comitê Olímpico Brasileiro (COB) e o Ministério do Esporte do Governo Federal tentam empurrar goela abaixo do torcedor está sendo razoavelmente arranhada com a campanha brasileira nos Jogos Olímpicos de Pequim. Mas nada que possa surpreender, afinal a farra de medalhas do Pan-Americano foi uma ilusão que só a parcela "chapa branca" da imprensa resolveu encampar.

Mas outro devaneio que o COB e o governo Lula querem nos empurrar, a candidatura do Rio para os Jogos de 2016, também está longe de ser um campeão de audiência. Ao menos entre os frequentadores deste blog.

Para 62% dos internautas, o Brasil não tem condições de organizar uma edição dos Jogos Olímpicos. Já para 37% de otimistas incorrigíveis, o país pode abrigar o evento poliesportivo mais popular do planeta.

Máquina do tempo

17/08/1939 – Estréia nos Estados Unidos do filme “O Mágico de Oz”, estrelado por Judy Garland
17/08/1943 – Nascimento do ator americano Robert DeNiro
17/08/1952 – Nascimento do piloto brasileiro de F-1 Nélson Piquet
17/08/1960 – Nascimento do ator americano Sean Penn
17/08/1975 – O São Paulo derrota a Portuguesa na disputa de pênaltis por 3 a 0 e conquista o Campeonato Paulista
17/08/2004 – O judoca brasileiro Flávio Canto conquista a medalha de bronze na categoria meio-médio nos Jogos Olímpicos de Atenas


Fontes: Ponteiro e RSSSF

sábado, 16 de agosto de 2008

Máquina do tempo

16/08/1906 – Nascimento do ator e comediante brasileiro Oscarito
16/08/1958 – Nascimento da atriz americana Angela Basset
16/08/1962 – Nascimento do ator americano Steve Carrell
16/08/1975 – Nascimento do jogador brasileiro de futebol Caio Ribeiro
16/08/1981 – O piloto francês Jacques Laffite, com uma Ligier, vence o GP da Áustria de Fórmula 1, realizado no Autódromo de Osterreichring
16/08/2004 – O judoca Leandro Guilheiro conquista a medalha de bronze nos Jogos Olímpicos de Atenas

Fontes: Ponteiro

sexta-feira, 15 de agosto de 2008

Musas de Pequim (5): Ana Paula

Nome: Ana Paula Rodrigues Connelly
Modalidade: vôlei de praia (faz dupla com Larissa França)
Nascimento: 13/02/1972 (36 anos)
Local: Lavras (MG)
Altura: 1m83
Peso: 68kg
Currículo: medalha de bronze no vôlei de quadra, em Atlanta/96; na praia, campeã do circuito mundial em 2003

Pequim-08: atleta da luta greco-romana joga fora medalha olímpica; veja o vídeo

Estou longe de ser um entendido em luta greco-romana. Por isso, não tenho como avaliar se o sueco Ara Abrahamian tinha ou não razão em reclamar de sua derrota nas semifinais da categoria até 84kg diante do italiano Andrea Minguzzi.

O que ninguém discorda é sobre a atitude de Abrahamian no pódio, quando recebeu a medalha de bronze. Por mais que o sujeito esteja revoltado com o resultado de uma competição, me parece ser no mínino falta de espírito esportivo jogar no chão uma medalha. O caso está sendo investigado pelo COI, que pode retirar a premiação do sueco marrento.


Veja o vídeo:

Pequim-08: Handebol feminino acerta a mão e comemora vitória histórica

A participação da seleção feminina de handebol nos Jogos de Pequim tinha sido marcada até ontem pelo "quase". Contra a Alemanha, na estréia, virou o primeiro tempo na frente, mas acabou perdendo por 24 a 22; diante da Hungria, o time vencia até o último segundo do jogo, quando levou o empate (28 a 28); no jogo contra a Rússia, jogou muito bem no primeiro tempo, mas foi massacrada na etapa final (28 a 19).

Nesta quinta-feira, acabou o "quase". A atuação histórica do Brasil na vitória sobre a Coréia do Sul (vice-campeã olímpica em Atenas) é mais um marco na evolução deste esporte no país, e mais uma prova de que quando há um trabalho sério, com o dinheiro do patrocinador sendo bem aplicado, os resultados aparecem.

As garotas do Brasil ainda dependem de uma vitória sobre a Suécia para passarem à próxima fase e, desta forma, tentar superar o sétimo lugar obtido em Atenas-04, o melhor da história do handebol nas Olimpíadas.

Foto: Deonise, autora de três gols na vitória sobre as corenas

Crédito: Federação Internacional de Handebol

Pequim-08: Bassul tenta justificar o fiasco da seleção feminina de basquete

Eliminada do torneio feminino de basquete das Olimpíadas de Pequim, a seleção brasileira reúne os cacos e também tenta encontrar desaculpas para a ridícula campanha cumprida até agora em Pequim.

A derrota desta sexta-feira para a Rússia por 74 a 64 voltou a mostrar os velhos problemas exibidos ao longo do torneio, especialmente na hora de decidir o jogo. De que adianta liderar os dois primeiros quartos se nos últimos 10 minutos o time sente a pressão ?

Além disso, há uma nítida carência de talentos neste grupo que disputa os Jogos, agravada pelas ausências de Iziane (por indisciplina) e Érika (contusão).

O técnico Paulo Bassul, que é competente mas errou além da conta ao longo das Olimpíadas, se revolta com quem chama de vexame a participação brasileira. "Falar em vexame ou vergonha é injusto. Esse time poderia estar entre os quatro. Nós ganhamos duas vezes neste ano da Espanha, que tem boas chances de chegar à semifinal", argumenta Bassul.

Devaneios do técnico à parte, é preciso deixar claro que o Brasil sofreu uma profunda renovação para estas Olimpíadas. Em relação ao time que esteve em quadra no Mundial de 2006, em São Paulo, quando ficou em quarto lugar, não estão presentes Janeth, Alessandra, Helen, Cíntia Tuiú (que abandonaram a seleção), além de Iziane e Erika. Fazer uma renovação tão radical assim tem o seu preço.

Talvez seja necessário compreender que esta será a realidade do basquete feminino do Brasil daqui para frente. Acabou aquela geração mágica que levou o país ao título mundial de 1994, à medalha de prata em Atlanta-96 e bronze em Sydney-00.

Daqui para frente, teremos que nos acostumar com equipes apenas esforçadas, brigando para chegar às grandes competições, onde provavelmente fará o papel de figurante.

E que ninguém se esqueça da responsabilidade da Confederação Brasileira de Basquete (CBB) em tudo isso. O anêmico basquete feminino brasileiro, que mal consegue reunir oito equipes para fazer um Campeonato Nacional, não consegue segurar seus principais talentos, que na primeira chance se mandam para o exterior.

O basquete do Brasil não merecia isso. E no final da história, Bassul e suas jogadoras têm a menor parcela de culpa pelo resultado bizonho em Pequim.

Foto: Adrianinha, cestinha da partida com 21 pontos, tenta passar pela marcação russa
Crédito: Divulgação/Fiba

Máquina do tempo

15/08/1898 – Fundação do Club Atletico Estudiantes (Arg)
15/08/1904 – Fundação da Associação Atlética Argentinos Juniors (Arg)
15/08/1915 – Fundação do Alecrim Futebol Clube (RN)
15/08/1952 – Nascimento do jogador francês de futebol Bernard Lacombe
15/08/1965 – Casamento da atriz americana Jane Fonda com o cineasta Roger Vadin
15/08/1972 – Nascimento do ator americano Bem Affleck


Fontes: Ponteiro e RSSSF

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

Musas de Pequim (4): Chiara Cainero



Nome:
Chiara Cainero
Modalidade: tiro esportivo (skeet)
Nascimento: 24/03/1978 (30 anos)
Local: Udine (Itália)
Altura: 1m70

Peso: 65kg
Melhor momento em Pequim: conquistou a medalha de ouro na prova de skeet. Em Atenas-04, ela havia ficado em 8º lugar na mesma prova

Mancadas de narradores alegram as transmissões olímpicas no Brasil

Em todo grande evento esportivo, como é o caso atualmente dos Jogos Olímpicos, as redes de TV do Brasil fazem uma ampla cobertura que, muitas vezes, chegam a ser cansativas. Se cansa o telespectador, o que dirá do coitado que está atrás das câmaras, narrando e comentando as mais variadas modalidades esportivas?

Só que isso não dá isenção a que inundem nossas ouvidos com bobagens, ufanismos tolos, erros de português etc...O ótimo Estado de Circo, do amigo e colega Rodrigo Borges, tem ficado atento às besteiras que invadem a telinha. Hoje, quem sintonizou na Band para acompanhar o jogo de basquete entre Estados Unidos e Grécia, pode escutar várias delas.

O narrador Silvio Luiz, para início de conversa, parece que só conhecia dois jogadores americanos, LeBron James e Kobe Bryant. Depois, passou o jogo todo rebatizando o armador Carmelo Anthony de "Anthony Carmelo"...

Mas a peróla veio perto do final do primeiro tempo. O médico e comentarista Osmar de Oliveira (que tem um profundo conhecimento em outras modalidades) quis fazer uma brincadeira com o nome do pivô grego Schortsanitis, filho de pai grego e mãe camaronesa.

- E o primeiro nome dele é Sofoklis - disse Osmar
- Ah, o deus grego - rebateu Silvio Luiz, na lata


- Não, o filósofo..- respondeu rapidamente o comentarista, referindo-se a Sófocles, um dos mais famosos dramaturgos da Grécia antiga e que escreveu, entre outras obras, Rei Édipo.

Pequim-08: atenção, Hugo Hoyama ameaça reconsiderar sua aposentadoria

A notícia está no site especial do COB para os Jogos de Pequim, com o seguinte título: "Tênis de mesa - Hugo Hoyama já começa a reconsiderar despedida olímpica"

No texto, que fala sobre a eliminação da equipe brasileira nas Olimpíadas, com três derrotas em três jogos, Hoyama deixa no ar a possibilidade de voltar atrás em sua decisão de pendurar a raquete. "Pode ser, pode não ser."


E o mesa-tenista prossegue: "Estou tranqüilo, consciente de que até hoje dei o meu melhor. Desde que comecei a jogar, sempre quis representar o Brasil. Foram cinco Jogos Olímpicos. Se não ganhei medalha, tudo bem. Sempre com os pés no chão, sabia que era difícil. Sei que tenho chance de ajudar o Brasil", afirmou, que ficou impressionado com o exemplo do sueco Jogen Persson, que havia acabado de derrotá-lo.

"Ele está em sua sexta edição de Jogos Olímpicos, com 43 anos. Eu estou com 39, por que não pensar nisso também?"

Me tirem o tubo, por favor...

Foto: Washington Alves/Divulgação COB

Thiago Pereira busca o ouro nos 200m medley e dona Rose aquece o gogó

Esta noite, a partir das 23h48, Thiago Pereira terá a oportunidade de mostrar que as seis medalhas de ouro obtidas no Pan do Rio, em 2007, não foram obra do acaso, disputando a final dos 200m medley.

O problema para Thiago nesta prova atende pelo nome de Michael Phelps. Embora o brasileiro esteja logo atrás do americano no balizamento, Phelps persegue a marca de sete medalhas de ouro obtidas por Mark Spitz nos Jogos de Munique-72.

Agora, para quem estará vendo a prova no Brasil, o risco é outro. A mãe do nadador, dona Rose, conhecida pela forma nada discreta e estridente de incentivar o filho nas competições, está em Pequim. Ontem, ela não estava nas arquibancadas (talvez não tenha conseguido comprar o ingresso), mas sim no estúdio do canal Sportv, onde acabou mostrando mais comedimento e não se esgoleou como de costume.

Mas preparem-se: se Thiago acertar uma boa prova e brigar por uma medalha, dona Rose irá berrar mais do que o Galvão Bueno narrando um gol do Ronaldinho.

Pequim-08: Medalha e recorde provam que César Cielo não precisa de marketing

As sensacionais atuações do nadador paulista César Cielo, nesta quinta-feira, ao conquistar de forma brilhante a medalha de bronze nos 100m livre e bater (por alguns minutos) o recorde olímpico dos 50m livre - classificando-se com o segundo melhor tempo para as semifinais - só confirmaram o que muitos apostavam, antes mesmo de os Jogos Olímpicos começarem.

Em 11 de abril, na coluna "Diário Esportivo", reproduzindo o material que é publicado no Diário de S.Paulo às sextas-feiras, este blogueiro também jogava suas fichas em Cielo. Para mim, ele era o grande nome da natação brasileira a brilhar em Pequim, apesar de todo o marketing criado sobre Thiago Pereira, impulsionado pelos seis ouros obtidos no Pan-Americano do Rio (como se o Pan valesse para alguma coisa...).

Após a eletrizante chegada dos 100m, Cielo garantiu que o melhor ainda estava por vir. O não é que ele cravou 21s47 na eliminatória dos 50m? Tudo bem que o francês Amaury Leveux em seguida superou a marca em um centésimo (21s46), mas o fato é que Cielo desponta como favorito para brigar pela medalha de ouro nesta prova.

Foto: Sátiro Sodré/Divulgação CBDA

Related Posts with Thumbnails