boo-box

domingo, 31 de outubro de 2010

Dilma chega lá. E Nuzman
não perde tempo...

Nota distribuída pela assessoria de imprensa do Comitê Olímpico Brasileiro (COB) neste domingo, às 21h45



Dilma Rousseff, em seu primeiro discurso como presidenta do Brasil/Crédito: Divulgação

COB E RIO 20616 PARABENIZAM DILMA ROUSSEFF


O Comitê Olímpico Brasileiro (COB) e o Comitê Organizador Rio 2016 parabenizam a presidenta eleita do Brasil, Dilma Rousseff (PT), pela vitória obtida nas urnas. O COB e o Rio 2016 estão certos de que o futuro Governo cumprirá as garantias dadas ao Comitê Olímpico Internacional (COI) quanto à organização dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos Rio 2016, bem como o apoio à preparação dos atletas brasileiros para este evento, conforme declarou a presidenta eleita na visita realizada à sede do COB durante a campanha eleitoral.

Esta certeza se reforça no fato de Dilma Rousseff ter participado ativamente, como Ministra Chefe da Casa Civil do atual Governo, da campanha da Cidade do Rio de Janeiro na candidatura aos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016, não tendo medido esforços para viabilizar o projeto de candidatura do Rio e oferecer todas as condições para que o Brasil saísse vitorioso naquela acirrada disputa. A Ministra, inclusive, participou das apresentações à Comissão de Avaliação do COI durante a visita ao Rio de Janeiro, em abril de 2009.

O COB e o Comitê Organizador Rio 2016 desde já se colocam à disposição do novo Governo para auxiliar nos projetos que visem ao desenvolvimento do esporte brasileiro e de todo o país e desejam sucesso à presidenta.

Carlos Arthur Nuzman

Presidente do COB
Presidente do Rio 2016

As dançarinas da NFL 2010/11 (10):
Amanda, do Minnesota Vikings


Amanda, nascida em Burnsville (Minnesota), estudante de educação infantil da Universidadede Minnesota, fã da cor rosa e que sonha em conhecer a Grécia, integra há três temporadas o elenco das dançarinas do Minnesota Vikings.

Esta seção, que reúne as mais belas cheerleaders da NFL, é publicada aos domingos

sábado, 30 de outubro de 2010

Palhaçada para Felipão nenhum botar defeito

Do portal iG Esporte, publicado em 30/10/2010



O protesto bem-humorado dos repórteres em Barueri/Crédito: Futrura Press


Jornalistas usam nariz de palhaço
para protestar contra Felipão


Repórteres mostraram insatisfação com respostas de treinador
palmeirense logo após jogo contra o Atlético-MG


Danilo Lavieri, iG São Paulo

As horas que antecederam o encontro entre Palmeiras e Goiás na Arena Barueri foram marcadas por protesto contra Luiz Felipe Scolari. Cerca de 15 jornalistas, principalmente de rádio e de televisão, usaram um nariz de palhaço.

Ao encontrar o protesto assim que desceu do ônibus, Felipão deu um leve sorriso, assim como alguns de seus jogadores.

A manifestação foi organizada algumas horas antes do jogo para mostrar repúdio à atitude de Felipão de chamar jornalistas de palhaço logo após o jogo contra o Atlético-MG no meio da semana.

Felipão participou de um encontro na sexta-feira com o presidente da Aceesp (Associação dos Cronistas Esportivos do Estado de São Paulo), Luiz Ademar, para aparar as arestas com a imprensa. Na reunião, ficou definido que o treinador encontrará jornalistas para um bate-papo em breve.

A nova camisa do Palmeiras

O atacante Kleber com o novo uniforme do Palmeiras/Crédito: Divulgação

Nos últimos anos, o Palmeiras tem sido o clube que melhor sou aproveitar o marketing de ocasião com o lançamento do terceiro uniforme. Tudo bem que às vezes os marqueteiros erram na mão e fazem o time atuar com umas camisas bem esquisitas. Mas que é um sucesso de público e venda, isso ninguém discute.


Neste sábado, diante do Goiás, pelo Campeonato Brasileiro, o Verdão fará a estreia de sua terceira camisa para o restante da temporada 2010 e para a temporada 2011. O modelo foi inspirado no rugby, com dois tons horizontais de verde e uma gola branca.

No mínimo, uma camisa ousada.

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Os queridinhos de Mano?

Reportagem assinada por este blogueiro e publicada nesta sexta-feira (29/10) no portal iG Esporte

Dez jogadores têm 100% de presença
nas convocações de Mano Menezes




Mano Menezes, durante a coletiva desta sexta-feira/Crédito: CBF
 O que Alexandre Pato, Robinho, Daniel Alves e outros sete jogadores têm em comum? Estiveram em todas as listas anunciadas pelo treinador da seleção brasileira


Marcelo Laguna, iG São Paulo

Ao anunciar nesta sexta-feira os nomes dos 23 convocados para enfrentar a Argentina, no amistoso do próximo dia 17 de novembro, em Doha (Catar), o técnico Mano Menezes mostrou que já tem uma espécie de "espinha dorsal" desta renovada seleção brasileira. Desde a primeira lista anunciada pelo treinador, no dia 26 de julho, dez jogadores sempre foram chamados. Ou seja, pela lógica de Mano, há praticamente um time completo com cadeira cativa em todas as convocações.

Os chamados "homens de confiança" do técnico brasileiro dividem-se em todos os setores da equipe. Na defesa, os laterais André Santos (Fenerbahce) e Daniel Alves (Barcelona), além dos zagueiros Thiago Silva (Milan) e David Luiz (Benfica); no meio-campo, os volantes Lucas (Liverpool), Ramires (Chelsea) e Sandro (Tottenham); e no ataque, Alexandre Pato e Robinho (ambos do Milan) e André (Dínamo de Kiev).

Existe também outra turma que por enquanto tem sido bem avaliada por Mano Menezes. É o "grupo da trinca", ou seja, os atletas que já estiveram em três das quatro convocações feitas pelo treinador. Nesta categoria estão, entre outros, o lateral Adriano (Barcelona), o goleiro Jefferson (Botafogo) e o zagueiro Alex Costa (Chelsea).

Confira abaixo a divisão dos jogadores chamador por Mano Menezes, de acordo com o número de convocações:

Quatro convocações:
  • André Santos (Fenerbahce)
  • Daniel Alves (Barcelona)
  • Thiago Silva (Milan)
  • David Luiz (Benfica)
  • Lucas (Liverpool)
  • Ramires (Chelsea)
  • Sandro (Tottenham)
  • Alexandre Pato (Milan)
  • Robinho (Milan)
  • André (Dínamo Kiev)
Três convocações

  • Adriano (Barcelona)
  • Alex Costa (Chelsea)
  • Carlos Eduardo (Rubin Kazan-Rus)
  • Jefferson (Botafogo)
  • Philippe Coutinho (Inter de MIlão)
  • Rafael (Manchester United)
  • Réver (Atlético-MG)
  • Victor (Grêmio)

Duas convocações


  • Elias (Corinthians)
  • Henrique (Racing Santander)
  • Hernanes (Lazio)
  • Jucilei (Corinthians)
  • Marcelo (Real Madrid)
  • Neto (Atlético-PR)
  • Neymar (Santos)

Uma convocação


  • Diego Alves (Almeria)
  • Diego Tardelli (Atlético-MG)
  • Douglas (Grêmio)
  • Douglas Costa (Shaktar Donetsk)
  • Ederson (Lyon)
  • Fernandinho (Shaktar Donetsk)
  • Gabriel (Cruzeiro)
  • Giuliano (Internacional)
  • Gomes (Tottenham)
  • Hulk (Porto)
  • Mariano (Fluminense)
  • Nilmar (Villarreal)
  • Paulo Ganso (Santos)
  • Renan (Avaí)
  • Ronaldinho Gaúcho (Milan)
  • Wesley (Werder Bremen)

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Brasil vai organizar as Olimpíadas, mas se complica para fazer um Mundial de Handebol

Se já causa preocupação os desafios que o Brasil terá que superar para poder organizar as Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro, o que você diria se soubesse que o país já encontra problemas para organizar o Mundial de Handebol feminino de 2011?  Joinville, que seria uma das subsedes do torneio, que acontecerá no ano que vem, entre 3 e 18 de dezembro, comunicou para a Confederação Brasileira de Handebol (CBHd) que abriu mão de receber um dos grupos do torneio. O motivo alegado é de não ter recebido ainda o caderno de encargos da Federação Internacional de Handebol (FIH).

Segundo Jorge Luís do Nascimento, presidente da Fundação de Esportes, Lazer e Eventos de Joinville (Felej), a cidade ficou preocupada com a falta de informações e para evitar maiores problemas, resolveu abrir mão de ser uma das sedes do Mundial. "Temos praticamente fechado o orçamento para o ano que vem. Receberíamos R$ 1 milhão para receber o Mundial, mas, sem ter clareza do caderno de encargos, achamos por bem desistir”, afirmou.

Por mais que a Federação Internacional tenha pisado na bola – e pisou mesmo –, me parece absurdo que a CBHd não tenha conseguido forçar que a entidade máxima do esporte mandasse as instruções necessárias para se organizar uma competição do porte de um Mundial. Ou, por outro lado, será que a Confederação não poderia ter encontrado uma outra forma do que expor o Brasil a um vexame destes? Vale lembrar que a CBHd todas as exigências foram entregues às cidades desde que a candidatura brasileira foi aprovada.

As sedes escolhidas para o Mundial de 2011 são, por enquanto, Balneário Camboriú, Brusque, Florianópolis e São José.

Felipão perde a noção do bom
senso. E da educação também

Que a torcida do Palmeiras - e até boa parte da brasileira, de modo geral - seja grata a Luiz Felipe Scolari por seus feitos à frente do Palmeiras e da seleção, é perfeitamente compreensível e até admirável. Mas tudo tem um limite. Nesta quarta-feira, após o empate contra o Altético-MG pela Copa Sul-Americana, o treinador teve mais um de seus chiliques com os jornalistas após ser perguntado sobre os motivos de mais uma vez o chileno Valdivia deixar o campo machucado. Confira o vídeo abaixo:



Felipão precisa entende que os jornalistas não são seres que existem com a única missão de irritá-lo e tentar fazer perguntas maldosas. Eles estão lá para perguntar. Alguns perguntam bobagens, é verdade, mas nem isso justifica o festival de falta de educação que o técnico vem protagonizando recentemente.

No fundo, este verdadeiros coices que Felipão vem dando na imprensa são reflexo de um treinador que está muito longe de viver seus momentos mais brilhantes na carreira. E que se mostra um grosso de marca maior.

Confira aqui a tabela atualizada e todos os resultados da Copa Sul-Americana

Tem livro bom na praça!



O amigo Nicolau Radamés Creti, companheiro dos bons tempos de Gazeta Esportiva, Diário Popular  e Diário de S. Paulo, lança nesta quinta-feira seu terceiro livro. Autor de grandes sucessos na literatura esportiva, como Vitória, que conta a saga da seleção masculina de vôlei campeã olímpica em Barcelona-92, e a biografia do ex-jogador Giovanni Gavio, o grande NIcolau conta a vida da atriz Analy Alvarez, no livro De Corpo e Alma, integrando a coleção Aplauso, editado pela Imprensa Oficial do Estado de São Paulo.

O lançamento ocorrerá nesta quinta-feira, a partir das 19h, no Centro de Convenções do Shopping Frei Caneca (Rua Frei Caneca, 569 - 4º andar).

Parabéns, Nicolau!

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

As dançarinas da NBA 2010/11 (4):
Krystal, do Chicago Bulls



Krystal, de 25 anos, natural de Slinger (Wisconsin), trabalha como executiva de contas, que se define como uma garota "sincera, divertida e amiga", fã de músicas no estilo pop, country e hip-hop e que tem como filme favorito "Mensagem Pra Você", integra pelo quarto ano o elenco das Luvabulls, o elenco de dançarinas do Chicago Bulls.

Esta seção, que reúne as mais belas cheerleaders da NBA, é publicada às quartas-feiras

Ary Graça não quer largar o osso

Ary Graça, presidente da CBV: em defesa da cadeita cativa dos cartolas

"Coincidentemente, as confederações que têm presidentes há mais tempo no poder são as dos esportes mais conhecidos. Então, não há polêmica." A declaração do presidente da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV), Ary Graça, à reporter Mariana Bastos, da Folha de S. Paulo, publicada nesta quarta-feira, mostra de forma clara como funciona a cabeça dos cartolas brasileiros.

Ninguém aqui vai discutir a competência de Graça no comando da CBV, especialmente nos últimos dez anos, período em que a seleção masculiona adulta tornou-se a melhor equipe do mundo, além da feminina ter conquistado a medalha de ouro olímpico em Pequim-08. Sem contar as inúmeras vitórias em competições internacionais nas categorias de base. O vôlei é um case de sucesso no universo esportivo brasileiro.

Isso não significa que o vôlei é imune a erros. Muito pelo contrário. A própria Superliga, lançada com pompa nesta última terça-feira, em São Paulo, é cheia de problemas, com algumas equipes muito fortes, com astros campeões olímpicos e mundias, e outras que sofrem para pagar as contas. Os campeonatos regionais, especialmente em São Paulo, são bizarros.

A questão do continuísmo, tão defendida por Ary Graça, é algo que não combina com o sucesso do vôlei dentro das quadras. O cartola argumenta, dentro de uma lógica totalmente discutível, que a CBV é como uma empresa que dá lucros, e que ninguém manda embora o presidente quando a empresa ganha dinheiro.

O que talvez Ary Graça desconheça é uma palavrinha conhecida, muito em moda atualmente, mas cuja prática é difícil de se implementar: democracia. Não há sucesso completo quando não há troca no poder.


E o pior foram os exemplos citados pelo presidente da CBV à Folha  como casos que justifiquem a longevidade no comando de suas confederações, como Coaracy Nunes (natação), Roberto Gesta de Mello (atletismo), Ricardo Teixeira (futebol) e Alaor Azevedo (tênis de mesa). Exemplos nos quais, com exceção do tênis de mesa, os resultados esportivos até apareceram, mas cujas gestões estão repletas de problemas e, em alguns casos, até denúncias.

Meu caro Ary Graça, por mais que você não queria aceitar, no esporte, assim como na vida, quando não há democracia, alguma coisa está errada.

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Começa a NBA, pela delírio dos basqueteiros

Como dizem nos EUA, showtime!

A baixaria futebolística no futebol paulista


O escudo do Americana, o mais novo clube-itinerante do futebol paulista

Excelente reportagem publicada nesta terça-feira pelo iG Esporte e assinada por Marcel Rizzo fala sobre o verdadeiro clima de guerra existente na cidade de Guaratinguetá, após a decisão da Sony Sports, proprietária do Guaratinguetá Futebol Ltda, de transferir o clube para Americana em 2011. Com isso, Guará deixará de ter um representante na Série B do Brasileiro do ano que vem e também do próximo Campeonato Paulista.

Trata-se de mais um capítulo desta verdadeira baixaria que vem atacando o futebol paulista nos últimos anos, a começar pelo Grêmio Prudente, que deixou Barueri na mão tão logo terminou o último Paulistão. Segundo a reportagem do iG, a Federação Paulista de Futebol, que neste ano aumentou a multa para mudança de sede de R$ 300 mil a R$ 800 mil, estuda até aumentar a punição para R$ 2 milhões. Sinceramente,. Acho até pouco.


Esportivamente, é um absurdo este troca-troca de cidades. Os times não mostram qualquer identificação com a população local, não criam raízes. E nem adianta neguinho vir com o argumento “ah, na NBA é assim”, porque não cola, são culturas esportivas completamente diferentes.


De acordo com o iG, são oito mudanças no futebol paulista desde 2005, quando a FPF criou a tal “taxa de mudança”, todas de times menores. A mudança do Barueri para o Prudente, e agora do Guaratinguetá para Americana, podem sinalizar que esta será uma moda que infelizmente tem tudo para pegar. E não apenas em São Paulo.


Azar do futebol brasileiro.

domingo, 24 de outubro de 2010

As dançarinas da NFL 2010/11 (9):
Amy, do Miami Dolphins


Amy, nascida em Fort Lauderdaule (Florida), formada em relações públicas e administração hospitalar pela Florida Atlantic University, guarda dezenas de papéis de anotação em sua bolsa e é fã do filme Mary Poppins, integra há três temporadas o elenco das dançarinas do Miami Dolphins.

Esta seção, que reúne as mais belas cheerleaders da NFL, é publicada aos domingos

sábado, 23 de outubro de 2010

O Rei e o(s) súdito(s)

A esta altura do campeonato, todo mundo já está mais careca do que o José Serra de saber que neste sábado o maior jogador de futebol de todos os tempos - aceitem ou não os argentinos - completa 70 anos de idade. Não vou neste post me meter a besta para falar sobre os feitos e as glórias alcançadas por Pelé ao longo de sua carreira. Tem muita coisa escrita em jornais e nos sites sobre o Rei do Futebol. Prefiro falar de duas experiências pessoais ao me deparar com "Ele" (forma com a qual o antigo narrador Walter Abraão se referia a Pelé).

À esquerda, um foca tentando entrevistar um Rei


A primeira vez em que me deparei frente à frente com Pelé eu era um "foca" - adjetivo que no jargão jornalístico identifica os profissionais recém-formados. Em 1986, trabalhava na revista Placar, logo depois de ter me formado. Num determinado dia, fui escalado para cobrir um evento no qual Pelé estaria presente. Já não faço a menor ideia do que se tratava a pauta e isso pouco importa. Só me lembro que fui até o Hotel Transamérica com a missão de entrevistar Pelé.

Logo descobri que falar com Edson Arantes do Nascimento não era uma tarefa muito fácil. Pelo contrário. Um mundo de gente queria falar com Pelé. e mal ele entrou no salão, lá foi o foca atrás dele, na tentativa destrambelhada de conseguir alguma declaração interessante. Mas nada. Eis que a porto do salão onde ele participaria de um evento fechado se aproximava e nada de conseguir falar com ele. Quando já estava vendo o fracasso chegar e já pensando no tamanho da bronca que iria levar na redação, eis que Pelé me puxou pelo braço e ouviu uma ou duas perguntas (provavelmente idiotas) e me respondeu com paciência. Incrível.

A outra vez em que presenciei de perto o magnetismo que a figura de Pelé causa nas pessoas ocorreu 11 anos depois. Estava em Mar del Plata, pelo então Diário Popular, cobrindo os Jogos Pan-Americanos. A estrutura parea a imprensa era péssima e a melhor forma de falar com os atletas brasileiros sem ser nos campos ou ginásios era na porta dos alojamentos das delegações, localizados em uma espécie de resort, localizado bem longe do centro da cidade.

Um dia antes da abertura dos Jogos, soubemos que Pelé, então ministro do Esporte no primeiro mandato de FHC, iria visitar o alojamento dos brasileiros. O mesmo prédio que abrigava o Brasil também recbia atletas de alguns outros países. Chile e Honduras estavam no mesmo local, se não me engano.

A segurança argentina estava em polvorosa. O chefe da segurança, um mala sem alça que apelidamos de general Videla (o militar que mais torturou na época da ditadura do país), dizia que ninguém poderia acompanhar a visita de Pelé. Depois de muita negociação e discussão, conseguimos um acordo que um jornalista por veículo poderia entrar no alojamento.

Só que quando Pelé e sua comitiva chegaram ao prédio, o esquema de segurança do Videla foi pro saco. Todos os jornalistas brasileiros entraram no prédio, atrás de Pelé, que sem brincadeira, abraçou a todos, não importantando se era brasileiro ou não. Sempre escutei e li que a presença de Pelé causava uma espécie de comoção coletiva. Naquele dia, vi que não se tratava de um exagero.

Mas a cereja do bolo ainda estava para acontecer. Antes de deixar o local, Pelé, pessoalmente, chamou todos os jornalistas brasileiros para tirar uma foto. E a turma que cobriu aquele Pan-Americano ganhou naquele dia sua medalha de ouro: uma foto ao lado de Pelé. Até o Videla saiu no retrato. Demos esta canja pra ele. Afinal, quando ele poderia tirar uma foto ao lado de um Rei?

Os privilegiados que tiraram a foto com Pelé naquele Pan de Mar del Plata: A partir da esquerda: Heleni Felipe (então no JT), Nicolau Radamés Creti (Diário Popular), Moacir Ciro Martins Jr (Gazeta Esportiva), este blogueiro (Diário), Edgard Alves (Folha de S. Paulo), João Pedro Paes Leme (JB), Renato Ribeiro (O Dia) e o Videla. Agachados, estavamo os fotógrafos brasileiros, Marcos Tristão (Dia) e Marlene Bergamo (Folha de S. Paulo) e mais dois companheiros que infelizmente não reconheço pela foto

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

A declaração de amor ao vivo de
Susana Werner para Júlio César

A modelo (atriz?) e ex-jogadora de futebol feminino Susana Werner deixou o marido, o goleiro Júlio César, da Internazionale de Milão e da seleção brasileira, surpreso e emocionado na noite desta última quinta-feira, durante um programa de variades da tv italiana chamado “Chiambretti Night”, ao surgir no meio da entrevista de Júlio César cantando "Eu Sei Que Vou Te Amar", de Vinícius de Moraes e Tom Jobim. E não desafinou, não!

Agora, cá entre nós: belas pernas da dona Susana, hein?


quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Será que a Fiel vai ficar contente
com a sinceridade de Roberto Carlos?

Roberto Carlos, em ação na partida contra o Vasco/Divulgação


“Era um Mundialito. Mas, sinceramente, muitos jogadores do nosso time ficavam acordados até às 5h, 6h. O pessoal não dormiu, muitos vieram aqui a passeio. Além do mais, os times europeus enfrentaram um calor enorme. O pessoal do Manchester United, então, lá no Rio, ficava só na piscina”
Roberto Carlos, lateral-esquerdo do Corinthians, em entrevista ao programa "Bola da Vez", da ESPN Brasil, minimizando (mesmo sem se tocar da gafe) a conquista do Mundial de Clubes de 2000 pelo Timão, diante do Vasco, no Maracanã.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Os 50 primeiros gols de Neymar no Santos

A assessoria de imprensa do Santos colocou no site oficial do clube uma coletânea dos 50 primeiros gols marcados por Neymar com a camisa do Peixe. Nestes tempos em que a vida de todos nós pode ser checada através de meia dúzia de cliques num computador, é muito bacana podermos ver os primeiros passos de um jogador que tem tudo para ser o melhor do Brasil num futuro bem próximo. E quem sabe do mundo, se a marra deixar, né?



As dançarinas da NBA 2010/11 (3):
Natasha, do Charlotte Bobcats




Natasha, nascida em Charlotte (Carolina do Norte), trabalha como bartender, amante de comida italiana e que adora todas as músicas do grupo Pussycat Dolls, integra há quatro anos o elenco das Lady Cats, a equipe de dançarinas do Charlotte Bobcats.

Esta seção, que reúne as mais belas cheerleaders da NBA, é publicada às quartas-feiras

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Brasil Olímpico (16)

Da Folha de S. Paulo - edição de 19/10/2010

Rota alternativa

Petrobras anuncia investimento de R$ 20 milhões ao ano em 5 modalidades, mas dinheiro passará longe do COB e será gerido pela ex-jogadora Paula
 
MARIANA BASTOS E RODRIGO MATTOS
DE SÃO PAULO

O governo federal excluiu o COB (Comitê Olímpico Brasileiro) de um dos maiores projetos de investimento público na transformação do Brasil em potência olímpica.

Com a presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a Petrobras anunciou a aplicação de cerca de R$ 20 milhões anuais (um total de R$ 100 milhões) para cinco modalidades: levantamento de peso, esgrima, boxe, taekwondo e remo.

É um investimento por meio da lei de incentivo ao esporte. No total, o projeto atinge R$ 265 milhões, incluindo o esporte educacional. É o maior volume de verbas já usado pela lei.

Mas esses recursos passarão longe dos cofres do COB.

Será a ONG Passe de Mágica, da ex-jogadora de basquete Paula, crítica à gestão do comitê, que os administrará. O dinheiro será dado às confederações, com destinação certa aos atletas.

"Esses recursos [públicos] muitas vezes não chegam no atleta. Agora, o foco é o atleta", explicou Paula.

O dinheiro será usado para dar bolsas-auxílio a 110 esportistas, além de plano médico, equipamentos e uma equipe de apoio de 89 profissionais. Cada confederação receberá um valor diferente.

Da Lei Piva, que renderá em torno de R$ 120 milhões neste ano, as cinco modalidades costumam fica com valor total de cerca de R$ 6 milhões, por volta de 30% do que a estatal destinará.

O COB fica com a maior fatia da Lei Piva. E também participa de decisões sobre investimento direto do ministério, Bolsa Atleta e projetos olímpicos pela lei de incentivo. Na prática, isso o tornava, até agora, mais poderoso do que o ministério no controle do esporte olímpico.

Desta vez, o comitê foi excluído. A Petrobras ouviu o Ministério do Esporte, atletas como Sócrates, Ana Moser e até a ESPN Brasil, emissora crítica ao comitê.

É a segunda atitude do ministério que mostra maior desejo de controle sobre o esporte olímpico. Há um mês, foi feita medida provisória que deu ao governo o direito de cobrar resultados do COB.

"Foi uma grata coincidência. Nosso projeto está ligado à medida provisória que acabou de ser baixada porque você acaba tendo uma gestão técnica", declarou Claudio Thompson, gerente de patrocínio esportivo da Petrobras.

"Quantas vezes atletas vieram me perguntar por que o financiamento chega ao esporte, mas não chega à ponta final: o atleta", discursou ontem o ministro do Esporte, Orlando Silva Jr.

Para o secretário-executivo do ministério, Ricardo Leyser, a gestão do esporte olímpico tem que ser descentralizada. O COB prega uma política única. Mas a pasta nega conflito com o comitê por conta do novo projeto.

Que disposição, Mr.Hunt!

Hunt, ao lado de sua primeira mulher, Suzi Miller, de quem se separou antes da "festinha"

Durante anos, a história mais famosa do Grande Prêmio do Japão de 1976, a primeira prova do Mundial de F-1 realizada na Ásia, era a desistência do austríaco Niki Lauda, da Ferrari, diante do aguaceiro que caia sobre o circuito de Fuji. Favorito ao título, Lauda abria caminho para que o inglês James Hunt, da McLaren, terminasse a corrida em terceiro lugar e conquistasse o título daquela temporada. Lauda, traumatizado pelo acidente que quase lhe tirou a vida - mas deixou inúmeras sequelas pelo corpo e rosto queimados, no acidente em Nurburgring - preferiu preservar a vida ao arriscar o pescoço numa pista com quase nenhuma visibilidade.


Mas isso foi até esta terça-feira. A dramática desistência de Lauda e a brilhante conquista de Hunt ficaram pra trás em razão de outro ponto marcante na vida do piloto inglês: seu apetite sexual. E como Mr. Hunt gostava da coisa...

Escrita por Tom Rubython, a biografia de James Hunt acaba de ser lançada na Inglaterra, entitulada "Shunt" (trocadilho envolvendo o nome do piloto com a palavra que em inglês significa acidente ou pancada) e traz uma incrível revelação: nas duas semanas que antecederam o GP japonês, Hunt organizou uma verdadeira orgia, ao lado de um amigo, Barry Sheene, campeão de motovelocidade de 1976, transando em um quarto de hotel em Tóquio com 33 aeromoças da British Airways. Tudo animado com muita bebida, maconha e cocaína, segundo o escritor.

E o método de Hunt para selecionar as garotas nada tinha de sofisticado. Ele se encostava no balcão do cheek-in da companhia aérea, que costumava hospedar suas tripulações no mesmo hotel onde o piloto estava hospedado. Aí, era só fazer o convite. E elas aceitavam.

Hunt ainda foi flagrado no boxe da Williams por Patrick Head, pouco antes da prova, com o macacão arriado e agarrado com uma garota japonesa. Isso porque logo depois ele decidiria um título mundial.

Morto em 1993, vítima de um ataque cardíaco, Hunt sempre foi visto como um "playboy" das pistas, mas era na verdade um ótimo piloto. Agora, sabe-se que ele era bom em outro esporte, também.

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Conmebol faz lambaça ao tentar transformar a Copa Sul-Americana em algo aproveitável




Junte uma entidade anacrônica, parada no tempo; some-se a ela uma outra que só esta preocupada em faturar, seja com sua seleção principal, seja organizando uma Copa do Mundo; por fim, coloque ao lado de tudo isso um torneio meia-boca, que reúne equipes do terceiro escalão do continente com outras que só escalam reservas nas partidas que disputam.

O resultado deste prato pra lá de indigesto chama-se Copa Sul-Americana, um torneio que existe desde a temporada de 2002 e que conta com a presença de equipes do Brasil desde 2003. O problema é que a competição não carregava atrativo algum - a não ser, é óbvio, a cota da TV - e por isso as equipes nacionais escalavam somente equipes mistas, de olho no Brasileirão. Eis que a realidade mudou este ano, com a Conmebol garantindo que a Sul-Americana daria a seu campeão uma vaga na Taça Libertadores de 2011.

Mas eis que as coisas começaram a se complicar para o Brasil, após a Conmebol dizer que o Brasil perderia uma das vagas para o ano que vem. Como o Internacional garantiu o título e a vaga antecipada, o Brasil teria que abrir mão de uma destas vagas para o campeão da Sul-Americana, transformando o G-4 da classificação do Brasileiro em G-3.

Muita conversa, muita articulação, até que nesta segunda, a CBF anunciou com toda a pompa que graças à força política de seu presidnete, Ricardo Teixeira, o Brasil havia recuperado a quarta vaga do Brasileiro para a próxima Libertadores. Mas...desde que o campeão da Sul-Americana não seja um time brasileiro! Se isso ocorrer, tudo volta a ser como antes. Que lambança!


Mais fácil seria se a Conmebol deixasse o Brasil (ou a Argentina, se um de seus clubes ganhar a Liubertadores) com uma vaga a mais e tirasse um destes times bizarros da Bolívia, Venezuela, México etc, que em nada acrescentam tecnicamente à competição.

Querer lógica e bom senso da Conmebol ou da CBF, contudo, é ser muito exigente.

Confira aqui a tabela completa e atualizada da Copa Sul-Americana

Os novos times da Série B em 2011

Os dois primeiros integrantes do Campeonato Brasileiro da Série B de 2011 foram conhecidos neste domingo. O Salgueiro, de Pernambuco, e o Ituiutaba, de Minas Gerais, garantiram vaga nas semifinais do Brasileiro da Série C deste ano e, consequentemente, carambaram as duas primeiras vagas de acesso para o ano que vem - quatro equipes subirão de divisão.

Os dois próximos classificados serão conhecidos após a definição das outras duas semifinais, entre Criciúma x Macaé e ABC x Águia de Marabá.


Abaixo, um pouco mais sobre os caçulas da segunda divisão do futebol brasileiro:














Salgueiro Atlético Clube (PE)

Data de fundação:
23/05/1972
Apelido: Tricolor
Estádio: Cornélio de Barros, em Salgueiro (PE)
Principais títulos: Copa Pernambuco (2005) e Campeonato Pernambucano Série A-2 (2007)
Mascote: Carcará














Ituiutaba Esporte Clube (MG)

Data de fundação: 30/04/1947
Apelido: Bôa ou Coruja
Estádio: Fazendinha, em Ituiutaba (MG)
Principais títulos: Campeonato Mineiro - Módulo II (2004) e Taça Minas Gerais (2007)
Mascote: Coruja

Do lado de quem Andrés Sanchez irá ficar?




"A gente não gostou [do protesto]. Foram gritos direcionados a companheiros nossos, pessoas que gostamos muito. Não vamos aceitar certas coisas. Precisa ter limite"

Roberto Carlos, lateral-esquerdo do Corinthians, irritado com os novos protestos dos sempre "ponderados" membros da Gaviões da Fiel, realizados no treino do último sábado. O que será que o presidente da Gavi...ops, do Corinthians, Andrés Sanchez, fará a respeito?

domingo, 17 de outubro de 2010

As dançarinas da NFL 2010/11 (8):
Belinda, do Kansas City Chiefs



Belinda, professora de dança, estudante e funcionária de uma financeira, fã da cor azul ("porque eu amo o céu!") e que tem como um dos sonhos de vida encontrar sua alma gêmea, integra pela primeira temporada a equipe de dançarinas do Kansas City Chiefs.

Esta seção, que reúne as mais belas cheerleaders da NFL, é publicada sempre aos domingos.

sábado, 16 de outubro de 2010

Ronaldo sente a pressão da Fiel torcida.
E não está nem um pouco satisfeito


"O torcedor tem o direito de torcer na arquibancada. A partir do momento que ele vem ao nosso treino nos insultar, perde a razão. Precisamos ser mais civilizados"


Atacente Ronaldo Fenômeno, durante uma transmissão da Twitcam, a ferramenta do Twitter que usa uma webcam, reclamando do protesto realizado por cerca de 200 integrantes da Gaviões da Fiel, que exigiu mais raça e comprometimento dos jogadores do Corinthians, entre eles o próprio Ronaldo.


Observação do blogueiro: engraçado como o twiteiro mais famoso do esporte brasileiro demonstra surpresa e indignação com a manifestação dos baderneiros organizados, verdadeiros donos do Corinthians, graças a seu presidente omisso e comprometido até o último fio de cabelo com as organizadas. Quer dizer que os outros protestos - que inclusive culminaram com a demissão do técnico Adilson Batista - foram perfeitamente normais? E quando pegam no seu pé, Ronaldo, aí neste caso não vale, é?

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Rugby brasileiro lucra com a Rio-16

O rugby brasileiro já está lucrando com as Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro. Lucrando literalmente. A modalidade passará a contar com o patrocínio do Bradesco por seis anos, culminando justamente com a disputa dos Jogos Olímpicos na capital carioca, quando o rugby irá estrear no programa olímpico.

O acordo entre a CBRu (Confederação Brasileira de Rugby) e o banco irá englobar tanto as seleções masculinas quanto as femininas.

Será que o ótimo anúncio da Topper, em que um jogador de rugby precisa apelar para a própria mulher para dar um autógrafo, na esperança que um dia a modalidade tivesse mais apelo no Brasil, foi profético?

Em busca do sol...

Sempre gostei muito desta série Scrubs. Normalmente os seriados com temáticas médicas carregam uma dose de angústia que às vezes é meio insuportável. Menos em Scrubs, pelo menos nas primeiras temporadas, com tiradas sensacionais (exceto pela última temporada, que estava em cartaz no Sony até pouco tempo atrás e era chata pra diabo).

Uma destas sacadas maravilhosas está neste vídeo abaixo, com a linda "Light and Day/Reach for the Sun", com o grupo The Polyphonic Spree fazendo uma participação especial em um dos episódios. Dá vontade de sair correndo atrás do sol, não é?

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

O "lapso" de memória de Andrés Sanchez



"Carille? Não sei quem é Carille"
Andrés Sanchez, presidente do Corinthians, em entrevista à rádio Eldorado/ESPN na noite de quarta-feira, após a derrota para o vasco, esquecendo-se "apenas" do nome do técnico interino de seu clube - Fábio Carille

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

A paixão pelo futebol supera tudo

Reygadas (no alto) e Sanchez exibem as bandeiras de seus clubes, o Colo Colo e a Universidad de Chile

Não há assunto mais importante no mundo neste momento do que o resgate dos mineiros no Chile, que estavam debaixo da terra, soterrados, há mais de 70 dias. A atenção de todos está voltada para a sonda Fenix, que desde a madrugada desta quarta-feira retira com extremo cuidado cada um dos 33 trabalhadores. Até o momento em que escrevo este post (15h07), 18 mineiros já tinham sido resgatados com vida.

Mas mesmo num momento tão dramático como esse ainda existe espaço para demonstrações explíocitas de como o futebol é apaixonante. Como foi o caso de Jimmy Sanchez e Omar Reygadas, que tão logo chegaram à superfície exibiram orgulhosos as bandeiras de seus clubes de coração. No caso, a Universidad (Sanchez) e o Colo Colo (Reygadas).

O futebol é mesmo o mais apaixonante de todos os esportes.

Todos os clubes campeões do primeiro turno do Campeonato Brasileiro

Desde que o Campeonato Brasileiro passou a ser realizado pelo sistema de pontos corridos, convencionou-se na imprensa a especular qual time será o "campeão do primeiro turno" e o "campeão do segundo turno", coisa que na prática não representa absolutamente nada, pois o campeão de fato é o time que soma mais pontos no final.

A brincadeira ficou séria e o diário Lance! acabou criando dois troféus para contemplar os ganhadores dois dois turnos, o Osmar Santos (1º turno) e o João Saldanha (2º turno), a partir de 2004.

Confira abaixo a relação de todos os clubes "campeões" do 1º turno da Era pontos corridos do Campeonato Brasileiro:

2003 - Cruzeiro
2004 - Santos
2005 - Corinthians
2006 - São Paulo
2007 - São Paulo
2008 - Grêmio
2009 - Internacional

As dançarinas da NBA 2010/11 (2):
Jenna, do Boston Celtics







Jenna, nascida em Long Island (Nova York), que adora colecionar ingressos de cinema e que adoraria ter nascido nos anos 40 e 50, para curtir as músicas de Frank Sinatra, é integrante das Celtics Dancers, a equipe de dançarinas do Boston Celtics.

Esta seção, que reúne as mais belas cheerleaders da NBA, é publicada às quartas-feiras

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Giba ataca os críticos na volta da seleção


"É triste você fazer tanto pelo País e ver essa palhaçada. Nunca pensamos em marmelada. Não sei porque falam de derrota para a Bulgária se somos tricampeões. Porque não falam da derrota para Cuba, o melhor jogo do Mundial?"


Giba, capitão da seleção brasileira masculina de vôlei, dando um xilique na chegada da equipe ao Brasil e mostrando indignação com as perguntas sobre a partida em que o Brasil entregou o jogo para a Bulgária, durante o Mundial da Itália.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Reflexões (sem pachequismo) sobre o brilhante e manchado título do vôlei

Jogadores e integrantes da comissão técnica do Brasil comemoram o título na Itália/Crédito: FIVB

Seria chover no molhado falar sobre as qualidades do vôlei brasileiro, que neste domingo se consagrou com a seleção brasileira masculina, que conquistou, de forma brilhante, o tricampeonato mundial masculino, ao derrotar Cuba de forma impiedosa por 3 sets a 0. Um resultado que sacramentou o vôlei como o segundo esporte do Brasil, em termos de conquistas e também em popularidade. Afinal, depois do futebol, só mesmo o vôlei obteve tantas conquistas internacionais, às quais somam-se três medalhas de ouro olímpicas (duas no masculino e uma no feminino).

Isto posto, é necessário que se faça uma reflexão muito realista e despida de qualquer sentimento pachequista (quer saber mais sobre os pachecos? Leia aqui). Daqui a 50 anos, quando alguém escrever sobre a história do Campeonato Mundial masculino de vôlei, lembrará da brilhante conquista do tricampeonato brasileiro em 2010. Mas também precisará citar que neste ano, a seleção comandada pelo competente técnico Bernardinho entregou um jogo para a Bulgária com o objetivo de pegar uma suposta chave mais fácil e assim ter sua vida facilitada ao longo do torneio.

Embora os xiitas da objetividade esportiva argumentem que o Brasil usou apenas das mesmas armas dos rivais diante de um regulamento estúpido e que permitia marmeladas, o fato é que o título brasileiro ficou manchado. Gostem ou não os pachecos, goste ou não o próprio Bernardinho, que ao melhor estilo "Vocês vão ter que me engolir", eternizado por Zagallo na Copa América de 1997, deu uma cutucada em quem ousou criticar sua escolha deprimente. "É fácil ficar de fora, na frente do computador, escrevendo. Tem que viver isso aqui para poder julgar".

Uma tola lição de moral de uma pessoa vencedora, sem dúvida, mas que não suporta críticas, a ponto de escolher até para quem quer dar ou não entrevistas e que se julga no direito de ligar para editores de jornais e reclamar de uma postura mais dura de algum repórter. Este mesmo competente Bernardinho jamais terá a coragem de admitir publicamente aquilo que o líberto da seleção, Mario Júnior, reconheceu. "O momento mais difícil foi entregar o jogo contra a Bulgária. No começo, eu não consegui. Não sabia como fazer, nunca tinha feito isso na minha vida antes. Jogamos de acordo com as regras do campeonato".

O Brasil tem o melhor vôlei do mundo e já faz tempo. Uma hegemonia que irá demorar muito para ser quebrada. Mas que ninguém se esqueça: este título mundial foi manchado pelas cores da maracutaia. Goste ou não a turminha pacheca do vôlei.

Adilson Batista e uma sinceridade enigmática

Adilson Batista durou pouco mais de três meses no Corinthians

"Às vezes, falta sintonia"

Adilson Batista, ao tentar explicar de uma forma polida os motivos que o levaram a pedir demissão do Corinthians neste domingo, após a derrota de 4 a 3 para o Atlético-GO. Comenta-se que entre estes motivos estaria a negativa do treinador em receber uma "comissão" de torcedores organizados para conversar após a derrota, visita esta que teria sido aprovada pelo presidente Andrés Sanchez.


Confira aqui o vai-e-vem dos técnicos do Brasileirão.

sábado, 9 de outubro de 2010

A Copa do Mundo é nossa (11)

Da Folha de S. Paulo - 9/10/2010


STJ suspende obras do estádio Castelão, sede da
Copa-2014 em Fortaleza


FILIPE MOTTA
DE SÃO PAULO


Uma decisão tomada ontem pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça) suspende as obras da reforma do estádio Castelão, em Fortaleza, sede dos jogos da Copa-2014 no Ceará.

O contrato para a reforma é uma PPP (Parceria Público Privada) e inclui ampliação, operação e manutenção do estádio. Orçado em cerca de R$ 450 milhões, ele tem se arrastado na Justiça desde maio.

O consórcio vencedor da concorrência pública é o Arena Multiuso, formado por Galvão Engenharia, Serveng-Civilsan e BWA. Inicialmente ele havia sido excluído do processo por não atender às exigências técnicas de execução da obra --não comprovou a capacidade de execução de estrutura metálica para cobertura de estádio ou arena multiuso.

O grupo da Galvão recorreu e a comissão responsável pela escolha das empreiteiras aceitou seu pedido. Ela entendeu que o que constava no edital da obra como capacidade das construtoras em fazer "arena multiuso" poderia ser interpretado como a de construir "equipamento multiuso".

Com base nessa interpretação, um dos consórcios perdedores, o Novo Castelão --formado por Carioca Christiani Nielsen, Somague, Queiroz Galvão e Fujita--, entrou com mandado de segurança na Justiça estadual contra o governo cearense e a comissão de licitação.

Em maio, uma juíza do TJ (Tribunal de Justiça) do Ceará suspendeu a concorrência, mas sua decisão foi revogada por outro magistrado. Hoje, o STJ avaliou que o TJ "usurpou" a competência de julgar o caso, que seria dele, e voltou a suspender as obras.

Por meio de sua assessoria, o governo do Estado do Ceará disse que ainda não foi notificado da decisão pelo STJ. A assessoria da Galvão Engenharia foi procurada no final da tarde, mas não foi encontrada.

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Senna x Senna, 20 anos depois


Ayrton Senna,nos tempos de glória, e Bruno Senna, comemorando vitória na GP2
 Só para esclarecer, este post é apenas uma curiosidade matemática...

O piloto Bruno Senna, da Hispania, fez somente o 23º tempo após as duas sessões de treinos livres para o Grande Prêmio do Japão de F-1, na madrugada desta sexta-feira, no circuito de Suzuka. O tempo foi obtido na segunda sessão, sendo que na primeira tomada de tempos, a melhor volta de Senna foi de 1min38s814.

Curiosamente, toda a tecnologia que a F-1 dispõe atualmente não foi capaz de tornar Bruno mais rápido do que seu tio, o tricampeão mundial Ayrton Senna, que exatos 20 anos atrás obteve a pole na mesma pista de Suzuka, com seu McLaren, cravando o tempo de 1min36s996. Naquela prova, Senna conquistou o seu segundo título, ao jogar o francês Alain Prost para fora da pista após a largada.

Resumo da ópera: a Hispania de hoje não passa de uma Dallara de 1990. De qualquer forma, reconheço que a comparação é bem cruel.

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Hortência revolta os psicólogos

Eu acho que Hortência não anda muito popular entre os psicólogos

Hortência: de rainha a sapo



Escrito por João Ricardo Cozac - do site do Ceppe
 
Amigos, a cada dia que passa, menos esperança consigo nutrir pela evolução e modernização no esporte brasileiro. Desta vez, a desastrosa pérola veio da boca de uma ex-rainha do nosso basquete. Sim, Hortência conseguiu se superar nas declarações após a pífia campanha da nossa equipe no último Mundial.
 
Quando indagada sobre a necessidade de um trabalho psicológico, Hortência se saiu com esta pérola: “Várias vezes ligamos para a psicóloga no Brasil para ver o que poderíamos fazer. Elas lidaram muito mal com a derrota, o técnico se perdeu. Quando começaram a engrenar, já era tarde. Um dia, eu fiquei às 3h da manhã procurando música para um vídeo motivacional que ia passar para as meninas. Não acho que tem necessidade de levar um profissional de psicologia e vou continuar não levando"
 
Após prestar serviços honrosos e de saudosa lembrança dentro de quadra, Hortência tem sido o anti-exemplo fora das quatro linhas. Tentou a carreira como comentarista na televisão e fracassou. Deixou de ser convidada pelos principais programas esportivos por conta da postura que não agradava a audiência. Casou-se e, pouco tempo depois, se divorciou de um socialite da aristocracia paulistana conhecido por ser o playboy da nossa Paulicéia. Rendeu-se à tecnologia dos recursos gráficos de uma importante revista masculina onde realizou um ensaio sensual.  Entrou para a direção da Confederação Brasileira de Basquete e agora empunha a bandeira contra o trabalho psicológico no basquete. Ei, Hortência, o que se passa com você?
 
Infelizmente, amigos, vários atletas que fizeram sucesso na década de 80 estão, hoje,  no comando de confederações esportivas usando e abusando da ignorância e da falta de recursos intelectuais e gerenciais nas diversas modalidades que naufragam mais e  mais neste mar do descaso e da superficialidade na visão/concepção de atleta e equipe.
 
Ficar até às 3 horas da manhã procurando musiquinha para motivar a equipe é, no mínimo, digno de um amadorismo típico das cabeças mais retrógradas e limitadas de nosso esporte. A verdade, amigos, é que dirigentes como a Hortência sofrem pela insegurança e pelo medo de se sentirem ameaçados na presença de um profissional da Psicologia. É muito comum treinadores e supervisores de equipes optarem pelo distanciamento dos psicólogos do esporte justamente pela falta de crença no próprio trabalho.
 
Quem perde com isso? Todos! O basquete brasileiro, as atletas que ali estiveram no Mundial, a Psicologia do Esporte, a modernidade na preparação esportiva e, em especial, a ex-rainha Hortência que, para mim e tantas outras pessoas que suspiravam junto com ela a cada arremesso livre no passado, hoje lamentam a quebra de sua coroa por conta da vaidade, ignorância e soberba.

O ócio de um craque quase aposentado

Uma reprodução da agitada página do Twitter do atacante Ronaldo

Se tem alguém com motivos de sobra para agradecer o surgimento do Twitter, uma das redes sociais mais badaladas no momento, este é o (ainda) atacante Ronaldo Fenômeno. Enquanto tenta se recuperar de mais uma de suas incontáveis contusões, aquele que já foi um dia um dos maiores atacantes do futebol mundial vem se divertindo - e polemizando - no Twitter.

É óbvio que ninguém é tão ingênuo que não tenha percebido que a presença quase ostensiva do Fenômeno nas timelines alheias também é fruto de um belo acordo financeiro com a operadora de celular Claro, com quem Ronaldo tem contrato. Finanças à parte, o fato é que Ronaldo gostou do brinquedinho. E enquanto o corpo não lhe permite voltar aos gramados para o canto do cisne de sua carreira, ele segue tuitando. E muito.

Ele posta tudo o que lhe dá na telha: brincadeiras com os companheiros Dentinho e Paulo André, fotos de seu visual careca, fotos dos pés detonados dos colegas (sim, ele já fez isso) e fez até uma breve pesquisa eleitoral de intenção de votos entre Dilma e Serra.

Nesta quarta-feira, enquanto sofria com a derrota do Corinthians para o Atlético-MG, num resultado que impediu o Timão de assumir a liderança do Brasileirão, Ronaldo perdeu a compostura e deixou clara sua irritação com os comentários do ex-jogador Casagrande, durante a transmissão da Globo, após a saída de Dentinho, por lesão.

Para o comentarista da Globo - que está lá justamente para emitir sua opinião -, houve uma aparente precipitação no retorno do atacante, que ficou dois meses parado por uma contusão na coxa esquerda (o problema desta quarta foi na perna direita).

Foi o que bastou para Ronaldo se irritar. "O que o Casagrande tá falando? Quarenta dias fora em qualquer lesão muscular? Por que ele não fala só de futebol? No que já é limitado?", disse, aqui exposto numa versão "traduzida", da linguagem do Twitter. Depois, ainda soltou. "Só porque jogou se acha no direito de falar qualquer coisa! Tem que frequentar o clube, os treinos etc".

Sinceramente, acho que o final da carreira de um ídolo como Ronaldo mereceria algo mais significativo do que ele tem feito em 140 caracteres.

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

As dançarinas da NBA 2010/11:
Lindsay, do Atlanta Hawks

Elas estão de volta! Com o início da pré-temporada da NBA, recomeça também a sessão mais aguardada pels leitores - e também pelo blogueiro: as dançarinas da NBA. Este ano, reforçadas pela presença das colegas da NFL, a liga profissional de futebol americano, que a partir desta semana começará a ser publicada aos domingos, dia nobre da modalidade.

Mas, aqui estamos falando das garotas da NBA, certo? Então, vamos a elas...






Lindsay, nascida em Atlanta (Geórgia), formada em dança na Indiana University, olhos castanhos, adora sushi, cachorros e que tem como filme favorito "Harry e Sally - Feitos Um para o Outro", integra pela segunda temporada o elenco das A-Town Dancers, as dançarinas do Atlanta Hawks.

Esta seção, que reúne as mais belas cheerleaders da NBA, é publicada às quartas-feiras

Atletismo brasileiro precisa começar do zero

Geisa Arcanjo, na prova em que ganhou a medalha de ouro no Mundial Juvenil/Crédito: CBAt

Que o atletismo do Brasil vive uma crise de valores e de talento não é nenhuma novidade. Em termos técnicos, Fabiana Murer é a única coisa que vem salvando a honra brasileira na modalidade, com resultados excelentes e que culminaram com a conquista da Liga Diamante da Iaaf (Federação das Associações Internacionais de Atletismo) neste ano.


Já os vexames estão nos repetidos casos de doping que a Confederação Brasileira de Atletismo volta e meia é obrigada a divulgar. E não é de hoje que isso vem ocorrendo. A crise moral que o atletismo do Brasil passa foi deflagrada às vésperas do Mundial de Atletismo de Berlim, em 2009, com os casos de exames positivos dos atletas da extinta equipe Rede. Depois, neste ano, os treinadores Jayme Netto e Inaldo Sena foram banidos definitivamente da modalidade, por conta deste triste episódio.

Eis que nesta terça-feira, um dos raros motivos para o atletismo brasileiro festejar em 2010 foi jogado na lata do lixo. Medalha de ouro na prova do arremesso de peso do Campeonato Mundial juvenil, realizado no último mês de julho em Moncton, no Canadá, a atleta paulista Geisa Rafaela Arcanjo, de 18 anos, deu positivo para a substância proibida Hidroclorotiazida. E  o exame foi feito justamente na prova vencida por Geisa. Ou seja, sua medalha pode ser cassada!

Mas como desgraça pouca é bobagem, a própria atleta declarou que tomou um chá para emagrecimento, sem o conhecimento de seus treinadores do Centro Nacional de Treinamento de Atletismo, em Uberlândia. Ou seja, por uma mera questão estética (vide caso Maurren Maggi em 2003), para perder uns quilinhos, a menina pode ter jogado no lixo sua carreira.

Claro que o caso ainda será julgado pela comissão disciplinar da CBAt. Por enquanto, ela está suspensa preventivamente. Ela pode pegar uma pena de dois anos ou apenas uma advertência, no melhor dos casos.

O que me deixa indignado é que a CBAt não consegue controlar esta praga do doping. E nem adianta dizer que o doping está espalhado no esporte porque os casos que pipocam a todo momento são no atletismo. A entidade, cujo presidente Roberto Gesta de Mello está no poder há mais de duas décadas, deveria convocar uma entrevista coletiva e assumir o seu fracasso no controle de doping.

Como já disse numa coluna no Diário de S. Paulo, não adianta a CBAt se apressar em divulgar os casos e as possíveis punições. Isso é obrigação. Falta sim um amplo, sério e profundo trabalho para livrar o atletismo do doping, ou ao menos diminuir a frequência destes casos lamentáveis.

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Os problemas do basquete brasileiro começam desde cedo. Muito cedo...

O garoto Pedro Ferreira, que anotou seis pontos contra a Argentina/Crédito: CBB

Acabo de ver na internet que a seleção brasileira masculina de basquete perdeu para a Argentina nesta terça-feira. Até aí, nada demais, porque há muitos anos que o Brasil amarga uma bela freguesia diante de seus principais rivais do continente. A novidade é que desta vez a derrota foi na categoria sub-15!


Sim, até na molecadinha que mal entrou na adolescência a seleção brasileira está apanhando para os hermanos. A verdadeira surra de 77 a 55 aplicada pelos argentinos ocorreu no Campeonato Sul-Americano sub-15, que está sendo realizado em Pasto, na Colômbia.

E vale lembrar que no último domingo, os meninos brasileiros, comandados pelo técnico André Germano, suaram para derrotar o inexpressivo time do Chile por somente dois pontinhos (78 a 76).

O Brasil ainda tem mais três jogos a disputar no torneio e provavelmente  decidirá o título no próximo sábado, contra a Argentina. Seja no adulto, seja nas categorias de base, tanto no masculino como no feminino, o basquete brasileiro continua padecendo pelas suas próprias falhas. Que não são pequenas, é bom ressaltar.

Related Posts with Thumbnails