boo-box

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Jogos de 2016: as palavras sinceras de Joseph Blatter

"Isso não é bom para a candidatura olímpica"
Joseph Blatter, presidente da Fifa, ao ser informado sobre um sequestro com 18 reféns na manhã desta terça-feira, no Rio.

São Paulo x Corinthians: a boçalidade dos dirigentes não tem mesmo limites



Chega a ser impressionante a capacidade dos cartolas do futebol brasileiro em arranjarem confusão. O caso do "inocente" vídeo exibido no jantar em comemoração aos 99 anos do Corinthians, na última segunda-feira, que mostrava um gavião, símbolo do Corinthians, driblando um singelo bambi que vestia a camisa do São Paulo.

O diretor de marketing do Corinthians, Luís Paulo Rosenberg, um Antonio Roque Citadini piorado, tentou justificar a brincadeira. "Isso foi um vídeo feito pela Warner Music e está disponível no site. É uma brincadeira, como fizemos com outros times, como Palmeiras e Santos. Espero receber uma retribuição e não vejo motivo para mal-estar", disse Rosenberg.

Talvez o que o "esperto" diretor de marketing corintiano não saiba é que há muito tempo o futebol deixou de ter espaço para certos tipos de "brincadeira". Em primeiro lugar, tratou-se de uma provocação tola e absurdamente delegante, em razão de ter sido feita em um evento oficial do clube e que, inclusive, contava com a presença de um dirigente do São Paulo.

E antes que eu seja acusado de não encarar o futebol como uma grande diversão, só quero lembrar que atitudes como a do responsável pela exibição do filme são um prato cheio para os retardados das tocidas organizadas terem a justificativa ideal para marcarem suas batalhas.

Pior ainda é saber que o São Paulo promete dar o troco. "Depois não podem reclamar de algo que pode ser feito. Depois não quero que digam que o São Paulo é que começa", disse o também inconveniente Marco Aurélio Cunha, superintendente do Tricolor.

Ou seja, ainda teremos mais troca de provocações idiotas pela frente.

terça-feira, 29 de setembro de 2009

Só R$ 100 milhões, seu ministro?

No programa Roda Viva, da TV Cultura, exibido nesta última segunda-feira, o ministro do Esporte, Orlando Silva, deu uma declaração interessante, ao revelar o quanto o governo federal investiu na candidatura do Rio de Janeiro para os Jogos Olímpicos de 2016.

"O governo gastou pouco mais de R$ 100 milhões na candidatura do Rio de Janeiro", disse Orlando Silva.

Foi isso mesmo o que ele disso:
R$ 100 milhões!

Tudo isso para uma eleição que, apesar do favoritismo, pode muito bem terminar com a derrota do Rio. R$ 100 milhões jogados no lixo...

Mas não é isso que pensa o ministro do Esporte. "Olimpíadas é uma das maiores plataformas que um país pode ter. Os investimentos geram empregos, aumenta a arrecadação. É um bom negócio para o país. Até 2016, vai gerar 120 mil empregos diretos e indiretos."

Jogos de 2016: cresce cotação de Chicago com a confirmação da presença de Obama

O site especializado em candidaturas olímpicas Gamebids.com atualizou nesta última segunda-feira sua bolsa de apostas sobre qual cidade irá ganhar a sede dos Jogos de 2016. E por causa da confirmação da presença do presidente americano Barak Obama no congresso do Comitê Olímpico Internacional da próxima sexta-feira, em Copenhague, aumentou a cotação da cidade de Chicago.

De acordo com o Gamebids, a candidatura de Chicago teve um aumento de 1,23 pontos em relação à última avaliação, realizada após a divulgação dos relatórios da comissão de avaliação do COI, no início do mês.

Ainda sim, Chicago ocupa a segunda colocação na avaliação do Gamebids, com 61,24 pontos. A liderança ainda permanece com o Rio de Janeiro, com 61,42 pontos, que perdeu 0,19 pontos em relação à última avaliação.

A candidatura de Tóquio aparece em terceiro lugar na avaliação do Gamebids, com 59.02 pontos (queda de 0,18 em comparação com a classificação anterior), enquanto Madri surge em quarto e último lugar, com os mesmos 57,80 pontos do início de setembro.

"É muito possível que as duas últimas candidaturas olímpicas (Londres-2012 e Sochi-2014) tenham sido vencedoras graças aos discursos dos líderes políticos dos respectivos países horas antes da votação final. Não há dúvida que a presença do presidente Obama em Copenhague poderá se transformar em votos numa disputa tão apertada", disse Robert Livingstone, diretor do Gamebids.

domingo, 27 de setembro de 2009

Vasco está muito perto da Série A, mas o Corinthians na Série B em 2008 foi melhor

A cada rodada que disputa no Campeonato Brasileiro da Série B em 2009, o Vasco da Gama fica mais próximo de sacramentar seu retorno à Série A. Líder com 52 pontos ganhos em 25 rodadas disputadas, o time carioca tem 99% de chances de garantir o seu retorno, segundo as contas do matemático Tristão Garcia em seu site Infobola. Ou seja, é apenas questão de tempo para comemorar sua volta à divisão de elite.

Mesmo assim, o desempenho do time de São Januário ainda está longe de repetir o do Corinthians, que também passou pelo purgatório da segundona em 2008. Na mesma altura do torneio (25ª rodada), o Timão tinha 55 pontos e 73,3% de aproveitamento, feito inalcançável desde que a Série B passou a ser disputada por 20 times.


Abaixo, confira os desempenhos das equipes na Série B, na 25ª rodada da competição a partir de 2006:


2006 - Sport Recife - 43 pontos ganhos (57,3 % de aproveitamento)
2007 - Coritiba - 46 pontos ganhos (61,3% de aproveitamento)
2008 - Corinthians - 55 pontos ganhos (73,3% de aproveitamento)

2009 - Vasco da Gama - 52 pontos ganhos (69,3% de aproveitamento)

sábado, 26 de setembro de 2009

Na reta final na campanha para as Olimpíadas de 2016, tem atleta sofrendo para conseguir apenas representar o Brasil

Daqui a apenas seis dias, será conhecida a cidade que irá ser a sede dos Jogos Olímpicos de 2016. O Rio de Janeiro está forte na briga e concorre com Chicago, Madri e Tóquio para vencer a disputa. Mas este não será um post sobre uma análise desta fase final da eleição.

Reproduzo abaixo um texto assinado por Luís Panizo, atleta do Tiro com Arco, que se prepara para a disputa do Sul-Americano Indoor e o Mundial Indoor de Tiro com Arco. Bicampeão brasileiro, Panizo faz um desabafo que merece ser levado em consideração neste momento tão importante na história do esporte brasileiro.

“Existe um grupo de políticos viajando para vários países, com certeza de forma confortável, hospedados em ótimos hotéis e comendo em bons restaurantes, com verba designada, para fazer a campanha pelos Jogos Olímpicos no Rio. Enquanto isto, vários atletas de várias modalidades treinam de maneira sacrificante e loucamente para representar bem o país, contra os melhores do mundo, numa cultura local que só valoriza os campeões.

Antes de Jogos Olímpicos serem realizados aqui, devemos melhorar a estrutura do esporte amador. Os responsáveis pelas conquistas e realizações são os atletas e não os políticos, que adoram aparecer na foto ao lado dos campeões, nunca apoiando os que perderam. Mas os políticos podem e devem ajudar os verdadeiros soldados desta guerra pacífica, e com muito menos verba do que custam super-caças e submarinos.

Sei que o “sistema” burocrático determina que a hierarquia do esporte é em forma de pirâmide com o COB (eleições indiretas na escolha dos dirigentes) no topo, depois as Confederações Nacionais de cada modalidade (também eleições indiretas na escolha dos dirigentes), mais abaixo as Federações Estaduais de cada modalidade (também eleições indiretas na escolha dos dirigentes) e, bem por baixo, os atletas, aqueles que fazem o esporte acontecer, disputar e conquistar, mas não podem votar e escolher estes dirigentes. Esta pirâmide deveria ser invertida, mas sei que é difícil mudar o “sistema” onde o poder determina, faz menos esforço e conquista algumas coisas paralelas. Se pelos menos fosse mais democrático, apesar de não ser um “sistema” perfeito, pelo menos teríamos a oportunidade de escolha e a co-responsabilidade pelos erros. Não tenho certeza, mas o Novo Código Civil não aconselha a mudança das lideranças pelo menos a cada dois mandatos??? Porque tem dirigentes controversos há muitos anos no poder do esporte??

Sei que vão dizer que existe a ”Bolsa Atleta” e outras “coisinhas” para apoio aos atletas, mas é só para alguns e escolhidos pelos dirigentes, que não escolhemos. Eu não posso falar com o Ministro ou outro, contar minha história e contar com estas “ajudas”. Tenho que seguir o “sistema”.Preciso de equipamentos importados para realizar minha difícil tarefa, mas só existem complicações e muitos impostos. Como o país se preocupa com o desporto amador?!!

Bom... tenho que voltar aos treinos, pois o desabafo é bom, mas tenho que treinar. Vou para a Argentina no mês de outubro, pagando do meu bolso para representar o meu esporte predileto e meu país. Pretendo trazer um título inédito para o Brasil e sei que posso, se Deus me ajudar e ninguém me atrapalhar. Quando digo “ninguém me atrapalhar” não estou falando dos atletas adversários, pois todos estão lá para vencer, estou falando de pessoas com atitudes destrutivas típicas do poder. Já participei de outras modalidades e sei que dar a própria opinião e que não seja a mesma dos dirigentes, significa problemas e, muitas vezes, aposentadoria precoce. Treino alguns outros atletas da equipe e sei que também poderão trazer títulos. O desafio é muito grande, mas podemos vencer, se não esta “guerra”, mas algumas “batalhas”.

O esporte nacional pode melhorar, mas algumas cabeças inocentes ainda vão rolar.”

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Goleiro malandro será punido por diminuir o tamanho do gol

Ah, estes tempos de Big Brother que vivemos hoje em dia...

Atualmente, tem câmera em qualquer lugar, pode reparar. Em eventos esportivos então, a coisa pega. Ou alguém não se lembra da imagem que flagrou o "ensaio" da batida de Nelsinho Piquet no já famoso GP de Cingapura de 2008? E a famosa cena da cabeçada de Zidane em Materazzi, na final da Copa da Alemanha, em 2006, que fez o craque francês ser expulso?

Pois graças a uma destas imagens, o goleiro dinamarquês Kim Christensen, do IFK Gotemburgo, deve levar uma suspensão. Ele foi flagrado deslocando as traves de seu gol para reduzir o tamanho da baliza, antes de uma partida contra o Örebro, pela liga da Suécia. Os dirigentes suecos já confirmaram que o caso passará pelo comitê disciplinar da entidade.

As imagens abaixo mostram o momento em que o cara-de-pau Christensen diminuia o tamanho de seu gol:




Vergonha que não acaba mais

Coluna Diário Esportivo, publicada na edição de 25 de setembro no Diário de S. Paulo

Uma triste rotina vem se repetindo nas últimas semanas, com a divulgação de novos casos de doping no atletismo brasileiro. Ontem, a Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) anunciou, através de nota oficial, o 16º caso em 2009: o fundista Daniel Lopes Ferreira, durante uma corrida de rua em Bauru no mês de agosto, usou anfetamina, de acordo com o exame realizado pela Agência Antidoping. Embora a entidade mereça elogios pela forma transparente e rápida com que vem tratando toda esta situação, uma coisa não pode ser esquecida: trata-se de um dos maiores vexames do esporte brasileiro.

Acha exagero? Mas será que pode ser considerado normal que exames apontem a presença de substâncias encontradas em remédios para cavalos, como foi o caso dos saltadores Fernanda Gonçalves e João Gabriel Souza? Ou então que uma atleta juvenil (Jenifer do Nascimento Silva) tenha sido flagrada por causa de um analgésico famoso e que há tempos se encontra na lista de medicamentos proibidos? Onde estava o treinador desta garota que não soube orientá-la decentemente?

A verdade é que o atletismo brasileiro vive uma crise moral sem precedentes. O sentimento de vergonha é inquestionável e estes 16 atletas trouxeram para o esporte do Brasil uma mancha que será difícil de tirar. Mas parece evidente que a CBAt também precisa repensar seriamente seus procedimentos daqui para frente no combate ao doping. Porque divulgar com rapidez e punir os culpados não é nada mais do que obrigação. Prevenir é fundamental.

A coluna Diário Esportivo, assinada por este blogueiro, é publicada às sextas-feiras no Diário de S. Paulo

A programação do congresso do COI que irá escolher a sede dos Jogos de 2016


Data: 2 de outubro
Local: Copenhague (Dinamarca)
  • 3h30 - 3h45: Abertura
  • 3h45 - 4h55: apresentação de Chicago
  • 5h25 - 6h35: apresentação de Tóquio
  • 7h05 - 8h15: apresentação do Rio de Janeiro
  • 9h45 - 10h55: apresentação de Madri
  • 11h - 12h40: votação
  • 13h30 - 14h: anúncio oficial da cidade escolhida para ser a sede dos Jogos Olímpicos de 2016
  • 14h30 - 15h15: entrevista coletiva

Quem será "o cara" em Copenhague?

O site especializado em candidaturas olímpicas Around the Rings anunciou nesta última quinta-feira que o presidente dos EUA, Barack Obama, teria mudado de ideia e decidido comparecer ao congresso do Comitê Olímpico Internacional (COI) que irá escolher a sede dos Jogos de 2016, no próximo dia 2 de ouubro, em Copenhague, na Dinamarca?

A intenção de Obama será servir como principal cabo eleitoral da candidatura de Chicago. Ele já tinha dito que não poderia comparecer, em razão da votação no congresso americano sobre a reforma do sistema de saúde dos EUA, tendo inclusive escalado a mulher, Michelle, para representá-lo.

Com Obama confirmado, será interessante ver como será sua disputa particular contra outro campeão mundial de carisma, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, considerado o grande responsável pela evolução da candidatura do Rio na bolsa de aposta olímpica.


E aí, quem será o "cara" no dia 2 de outubro?

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Federer x Nadal, um duelo imperdível na Copa Davis de 2010

O fim de semana de 5 a 7 de março de 2010 promete ser inesquecível para os fãs do tênis. Nesta data, que marca a disputa da primeira rodada do Grupo Mundial da Copa Davis de tênis, terá o encontro de dois gigantes do esporte, o suíço Roger Federer e o espanhol Rafael Nadal. O sorteio realizado nesta quarta-feira colocou frente a frente as duas equipes, logo na rodada inaugural.

A Espanha, que em dezembro disputará o título da edição deste ano da Davis diante da República Tcheca, será a cabeça-de-chave número 1 da competição do próximo ano. Já a Suíça garantiu sua presença na elite do tênis mundial, após a vitória sobre a Itália, fora de casa.

Confira abaixo os confrontos da primeira rodada do Grupo Mundial em 2010:

Espanha x Suíça
França x Alemanha
Rússia x Índia
Suécia x Argentina
Croácia x Equador
Sérvia x EUA
Chile x Israel
Bélgica x Rep. Tcheca

Confira a tabela da Copa América feminina de basquete

Local: Ginásio Aecim Tocantins (Cuiabá, em Mato Grosso)
Grupo A: Brasil, Canadá, Porto Rico e República Dominicana
Grupo B: Argentina, Chile, Cuba e Venezuela

1ª Rodada – Dia 23 de setembro
Chile x Cuba (16h)
República Dominicana x Canadá (18h)
Porto Rico x Brasil (20h)
Venezuela x Argentina (22h15)

2ª Rodada – Dia 24 de setembro
Canadá x Porto Rico (16h)
Argentina x Chile (18h15)
Brasil x República Dominicana (20h30)
Cuba x Venezuela (22h45)

3ª Rodada – Dia 25 de setembro
Porto Rico x República Dominicana (16h)
Chile x Venezuela (18h15)
Canadá x Brasil (20h30)
Argentina x Cuba (22h45)

Dia 26 de setembro
Disputa de 5º a 8º lugares
A3 x B4 (16h)
A4 x A3 (18h15)
Fase Semifinal
A1 x B2 (20h30)
A2 x B1 (22h45)

Dia 27 de setembro
15h30 – Disputa de 7º e 8º lugares
17h30 – Disputa de 5º e 6º lugares
19h30 – Disputa da medalha de bronze
21h30 – Disputa da medalha de ouro
OBS: Horário de Brasília

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Confira os classificados para o Mundial masculino de basquete da Turquia-2010

O 16º Campeonato Mundial masculino de basquete, que será disputado na Turquia entre os dias 28 de agosto e 12 de setembro de 2010, terá a participação de 24 seleções. Ao todo, 20 participantes já estão definidos, após a disputa de torneios classificatórios ao redor do mundo.

As quatro vagas restantes serão conhecidas no próximo dia 13 de dezembro, distribuídas através de convites. Os critérios, de acordo com a Fiba (Federação Internacional de Basquete), são a popularidade do basquete no país, a qualidade e os últimos resultados internacionais alcançados pela equipe.



Eis os países já classificados para o próximo Mundial:

Classificados antecipadamente

Turquia (país-sede)





EUA (campeão olímpico)





África



Angola



Costa do Marfim



Tunísia



Américas

Argentina




Brasil




Canadá



Porto Rico



Ásia

China




Irã




Jordânia



Europa


Croácia



Eslovênia




Espanha




França



Grécia



Sérvia


Oceania

Austrália



Nova Zelândia

O incrível caso do torcedor que bateu o pênalti na Rússia; veja o vídeo

Cenas bizarras no esporte acontecem em toda parte do mundo. O campeonato russo de futebol assistiu a uma delas no último sábado. No jogo entre o Spartak Moscou e o Saturn (que venceu a partida por 2 a 1), o Moscou teve um pênalti marcado a seu favor. Eis que o meia brasileiro Alex, que se destacou no Internacional, se preparava para a cobrança, quando um gaiato deixa a arquibancada e resolve bater o pênalti. E sai comemorando pra valer.

O pior é que o dito cujo até que bateu direitinho, viu?


segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Kléber Gladiador e mais uma polêmica

No Painel FC, da edição de hoje da Folha de S. Paulo

Entre alviverdes. O atacante Kléber, do Cruzeiro, esteve em um campeonato interno da torcida Mancha Verde, durante o final de semana. Ao final, houve confraternização com membros da torcida. O time mineiro enfrenta, na quarta, o Palmeiras.

Podem me dar todos os argumentos do mundo, mas definitivamente não pode ser considerado normal um jogador do Cruzeiro, por mais amizade que tenha pelos integrantes da torcida uniformizada de seu ex-time, compareça a uma festa desta mesma torcida poucos dias antes de um jogo decisivo entre Cruzeiro e Palmeiras, pelo Brasileirão.

domingo, 20 de setembro de 2009

E o Brasil vai amargar mais um ano na segundona da Copa Davis


A princípio, o cenário era todo favorável. Jogar em casa, com apoio de uma torcida animada, num piso com o qual seus jogadores estavam mais adaptados e diante de um rivais cujos jogadores possuíam um ranking inferior. Ou seja, estava tudo armado para o Brasil comemorar neste final de semana seu retorno à divisão de elite da Copa Davis de tênis, no confronto diante do Equador, pelos playoffs do Grupo Mundial.

Quer dizer, estava...

Apesar de contar com Marcos Daniel (56º na lista da ATP) e Thomaz Bellucci (65º), além de dois duplistas que estão entre os melhores do mundo (André Sá e Marcelo Melo), a equipe do Brasil sucumbiu para um Equador que, na prática, tem apenas dois jogadores, os irmãos Nicolas e Giovanni Lapentti.

E coube ao mais famoso deles, Nicolas, que foi foi sexto melhor tenista do mundo, mas que hoje ocupa a 144ª posição, fazer o ponto que levou o Equador de volta ao Grupo Mundial, a primeira divisão da Copa Davis, pela primeira vez desde 2001. Já o Brasil terá que disputar mais uma vez o Zona Americana em 2010.

Aliás, uma perguntinha que me veio à cabeça: por que raios marcaram os jogos do confronto entre Brasil x Equador para começar tão tarde? O duelo decisivo entre Marcos Daniel e Nicolas Lapentti começou depois das 17h. O último jogo, um simples amistoso entre Bellucci e Julio-Cesar Campozano, terminou quase 23h30 (vitória do brasileiro por 6/2 e 6/4).

Sempre me lembro de jogos da Copa Davis sendo disputados sob sol a pino, com a torcida berrando na orelha do adversário. Desta vez, preferiram marcar para um ginásio (Gigantinho, em Porto Alegre), confortável, sem calor e com vários lugares em branco nas arquibancadas. Será que não houve uma bela bobeada dos dirigentes brasileiros neste detalhe nada insignificante?
Foto: Marcelo Ruschel/Divulgação

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Briga de foice no dia 2 de outubro

Coluna Diário Esportivo, publicada na edição de 18 de setembro do Diário de S. Paulo

Aviso aos navegantes, parte 1: após a divulgação, na semana passada, do relatório da comissão de avaliação do Comitê Olímpico Internacional (COI) para a escolha da sede dos Jogos de 2016, a candidatura do Rio cresceu na bolsa de apostas dos sites especializados e passou a ser apontada pela imprensa internacional como uma das favoritas na disputa.

Aviso aos navegantes, parte 2: o relatório divulgado pelo COI mostrou igualmente os prós e contras de todas as cidades-candidatas. Além disso, os números na bolsa de apostas dos sites especializados não podem ser tomados como verdade absoluta.

Mais do que contradições, os parágrafos acima demonstram com clareza que a disputa pela sede das Olimpíadas de 2016 será uma verdadeira guerra. E rigorosamente não se pode falar em favoritismo para nenhuma das quatro candidatas além do Rio, Chicago, Tóquio e Madri estão na briga e o vencedor será anunciado no dia 2 de outubro, em Copenhague, na Dinamarca. O próprio presidente do COI, o belga Jacques Rogge, prevê uma eleição apertadíssima, com a diferença não passando de dois ou três votos a favor da cidade vencedora.

É bom que os responsáveis pela candidatura do Rio abram o olho e não se deixem levar por números e especulações. Na época da escolha de Londres para os Jogos de 2012, o site gamebids.com, que analisa candidaturas olímpicas, apontou que Paris seria a vencedora. O mesmo site mostra agora o Rio liderando as preferências. Será que vai errar de novo?

A coluna Diário Esportivo, assinada por este blogueiro, é publicada ás sextas-feiras no Diário de S. Paulo

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Confira todos os confrontos entre Brasil e Equador pela Copa Davis de tênis

O tênis brasileiro vive um momento decisivo neste final de semana, quando decidirá contra o Equador uma vaga no Grupo Mundial da Copa Davis de 2010. O confronto está marcado para o Ginásio Gigantinho, em Porto Alegre e o Brasil leva larga vantagem sobre os rivais. Em seis confrontos anteriores, foram quatro vitórias brasileiras.

Confira abaixo como foram os duelos anteriores:


16 a 18/4/1971 - Brasil 4 x 1 Equador (Porto Alegre) - Zona Sul-Americana, semifinal (saibro)
27 a 29/10/1980 - Equador 2 x 3 Brasil (Guayaquil) - Zona Sul-Americana, semifinal (saibro)
22 a 24/1/1982 - Brasil 0 x 5 Equador (Fortaleza) - Zona Sul-Americana, semifinal (saibro)
30/9 a 2/10/1983 - Equador 5 x 0 Brasil (Guayaquill) - Zona Américas, final (saibro)
2 a 4/10/1987 - Brasil 4 x 1 Equador (São Paulo) - Zona Américas, final (saibro)
7 a 9/4/2006 - Equador 0 x 4 Brasil (Cuenca) - Zona Américas, Grupo 1, semifinal (saibro)

Pelé também adora provocar Maradona


"As pessoas discutem Pelé-Maradona. Di Stéfano é para mim o melhor. Maradona é um grande jogador, mas não chutava bem com a direita e não fazia gol de cabeça. O único gol de cabeça importante que marcou foi com a mão"

Pelé, que não resiste em fazer uma provocação a Diego Maradona, em um evento promocional em Madri.

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Seleção brasileira feminina de basquete não precisa de cartilha e sim de talento

Vejo em reportagem publicada nesta quarta-feira pela Folha de S. Paulo, assinada pelo repórter José Eduardo Martins, que a diretora de basquete feminino da CBB, Hortência Marcari, irá implantar um código de conduta para as atletas da seleção brasileira, logo após a disputa da Copa América feminina, macada para começar no dia 23, em Cuiabá. O manual conta com normas de como as jogadoras devem se portar perante a imprensa, horários para voltar à concentração e alguns conselhos.

Bom, a tomar por conta o desempenho da equipe nos jogos amistosos contra a Argentina, em particular o disputado na última segunda-feira, quando venceu as rivais por 77 a 71 e na prorrogação, o que a seleção brasileira precisa mesmo é de um choque de talento.

Fazer cartilha e tentar preservar a disciplina pode até ser válido. Mas não dá para encarar com naturalidade tomar sufoco de uma equipe que no máximo é esforçada.

Foto: a argentina Paoletta e a brasileira Adrianinha, no jogo disputado em Barueri, na segunda-feira
Crédito: CBB

terça-feira, 15 de setembro de 2009

A Lotus em números


  • Primeiro Grande Prêmio disputado: GP de Monaco - 1958
  • Último Grande prêmio: GP da Austrália - 1994
  • Títulos de pilotos: 1963/65/68/70/72/78
  • Títulos de construtores: 1963/65/68/70/72/73/78
  • Total de GPs disputados: 491
  • Total de vitórias: 79
  • Total de pole positions: 107
  • Total de melhores voltas: 71
  • Total de pódios: 172
  • Total de dobradinhas: 8
  • Total de pontos conquistados: 1.368 (2,79 pontos por GP disputado)
  • Total de quilômetros percorridos: 273.858km
  • Total de pilotos ao longo da história: 132
  • Piloto com o maior número de GPs disputados: Elio de Angelis (ITA) - 90
  • Piloto com maior número de vitórias: Jim Clark (ESC) - 25
  • Piloto com maior número de poles: Jim Clark (ESC) - 33
  • Piloto com maior número de melhores voltas: Jim Clark (ESC) - 28
  • Piloto com maior número de pódios: Jim Clark (ESC) - 32
  • Piloto com maior número de pontos conquistados: Jim Clark (ESC) - 274

Fonte: Stats F1

Foto: a Lotus 72D, de Emerson Fittipaldi

Sessão nostalgia na F-1: a volta da Lotus

Quem gosta de Fórmula 1 certamente festejou ao ler nesta terça-feira em sites de esporte ou especializados na categoria a seguinte notícia: a equipe Lotus irá voltar às competições na temporada de 2010.

Trata-se de um gostoso flashback para o torcedor brasileiro, especialmente da década de 70, quando Emerson Fittipaldi conquistou da mística Lotus negra seu primeiro títuilo mundial, em 1972

Foi ainda na Lotus que Ayrton Senna ganhou seu primeiro Grande Prêmio na carreira, naquela histórica e chuvosa corrida em Estoril (Portugal), em 1985. Ao todo, a escuderia inglesa, criada pelo"mago" Colin Chapmann, ganhou seis títulos mundiais de pilotos e outros sete de construtores.

Mas este retorno da Lotus estará bem adaptado aos novos tempos da F-1. Em primeiro lugar, deixará de ser uma escuderia genuinamente inglesa. A volta do time está sendo bancada pelo governo da Malásia, que inspirou o nada inspirado nome oficial da equipe: 1Malaysia F1 Team. Mas será a velha e boa Lotus mesmo, movida por motores Cosworth (na época de Emerson, a Ford emprestava seu nome aos propulsores).

Mesmo tendo a Malásia como principal patrocinadora, a fábrica da equipe será mesmo na Inglaterra, em uma área próxima à da fábrica de carros da Lotus. O diretor técnico da "nova" escuderia será Mike Gascoyne, com mais de 20 anos de experiência na categoria e já trabalhou com Force India, Toyota, Renault e Jordan. nada foi falado ainda sobre os futuros pilotos da nova Lotus.

Pode ser uma nova Lotus, repaginada e sem o mesmo charme de antes. Mas não deixa de ser bacana ter de volta ao grid da F-1 uma equipe com um passado tão glorioso.

Todos os títulos de Grand Slam conquistados pelos tenistas da Argentina

Ao conquistar de forma espetacular o título do US Open nesta segunda-feira, ao derrotar o superfavorito suíço Roger Federer na decisão por 3 sets a 2, Juan Martin del Potro acabou com um jejum de cinco anos do tênis da Argentina sem conseguir conquistar um título de Grande Slam.

Até a vitória histórica de Del Potro, a última conquista de um tenista argentino havia sido obtida por Gastón Gaudio, em Roland Garros, na temporada de 2004. Ao todo, são seis conquistas nos torneios que compõe os torneios mais importantes do circuito profissional de tênis. Guillermo Vilas é o maior vencedor de Grand Slams argentinos, com quatro conquistas ao todo.

Só como comparação, enquanto os argentinos festejaram sua sexta conquista, o Brasil, sempre é bom lembrar, tem somente três. E todas com Gustavo Kuerten.

Confira abaixo os Grannd Slams conquistados ao longo da história pelos tenistas argentinos:


1977 - Guillermo Villas - Ronald Garros
1977 - Guillermo Villas - US Open
1978 - Guillermo Villas - Aberto da Austrália
1979 - Guillermo Villas - Aberto da Austrália
2004 - Gastón Gaudio - Roland Garros
2009 - Juan Martin del Potro - US Open

sábado, 12 de setembro de 2009

Será que há limites para a baixaria na F-1?

Sinceramente, eu mesmo não tenho resposta para a pergunta que compõe o título deste post. A briga da família Piquet (Nelsinho e Nelsão) com o chefe da Renault, Flavio Briatore, atingiu níveis que fogem de qualquer classificação. A cada dia, a situação parece apenas piorar. Não ficarei surpreso se terminar em pancadaria física (a exemplo do que Piquet pai fez com o chilene Eliseo Salazar em um GP da Alemanha de 1982).

Primeiro, a confissão de culpa de Nelsinho, a respeito do acidente ocorrido no GP de Cingapura do ano passado. Simplesmente um absurdo, a maior confissão de falta de ética e espírito esportivo que já vi. Não há argumento no mundo que justifique o ato do piloto brasileiro, nem a tal "fragilidade emocional" que ele declarou em seu depoimento à FIA, muito menos a possibilidade de perder seu emprego (que de fato ocorreu, quase um ano depois).

Depois, veio o troco de Briatore, num nível tão baixo que chega a ser difícil acreditar que ele realmente falou aquilo. Além de esculhambar com a reputação profissional de Piquet Jr, acusando-o de ser apenas um menino mimado e sem talento, ainda apelou para o lado pessoal, insinuando que o jovem brasileiro mantinha um romance homossexual com um homem mais velho e que foi o próprio Piquet pai quem teria pedido a ele, Briatore, para interferir a acabar com esta história. Que barbaridade!


No fim de tudo isso, como disse o jornalista Livio Oricchio em seu blog no estadao.com, a corda deverá arrebentar para o lado de Nelsinho Piquet. Mesmo com a promessa de Max Mosley, presidente da FIA, de não ser punido, dificilmente o brasileiro conseguirá comprovar sua versão de que foi obrigado pela equipe a bater no muro de Cingapura e com isso beneficiar Fernando Alonso.

E sem provas reais, será difícil que os cartolas da F-1 resolvam punir a Renault. Briatore se safa e Nelsinho verá sua carreira jogada na luta do lixo.

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Dunga exagera no direito de ser ranzinza


“Falei que burra deve ser ela, que não ganha o que eu ganho e se acha esperta.”

Técnico Dunga, da seleção brasileira, tentando justificar sua discussão "em alto nível" com uma torcedora, durante o jogo Brasil x Chile, em Salvador, pelas Elimiantórias da Copa do Mundo da África do Sul, em reportagem publicada nesta sexta-feira pelo Diário de S. Paulo.

Fiascos em Mundiais preocupam

Coluna Diário Esportivo, publicada na edição de 11 de setembro do Diário de S. Paulo

Os fatos não mentem: a recente leva de Campeonatos Mundiais, nas mais diversas modalidades olímpicas, trouxe mais decepções do que alegrias para o esporte brasileiro. Na prática, os únicos motivos de festa ocorreram no Mundial de Natação em Roma, graças ao impressionante desempenho de Cesar Cielo e suas duas medalhas de ouro (50 e 100m livre), além da prata de Felipe França nos 50m peito e o bronze de Poliana Okimoto, na prova dos cinco quilômetros de maratona aquática.

Em compensação, sobraram frustrações nos Mundiais de Atletismo (Berlim), Judô (Roterdã), Boxe (Milão) e Ginástica Rítmica (Mie, no Japão). Nenhuma medalha conquistada e no máximo, como prêmio de consolação, presença em algumas finais.

Como já disse na coluna do último dia 28 de agosto, ninguém quer iniciar uma caça às bruxas e colocar atletas diante de um pelotão de fuzilamento imaginário só por não terem obtido os resultados sonhados. Mas não se pode deixar de cobrar quem pode brilhar.

Além dos fiascos no atletismo, o judô brasileiro se juntou ao grupo das decepções, com as derrotas dos favoritos Tiago Camilo, Leandro Guilheiro e Luciano Correa. Do boxe e da ginástica rítmica não havia qualquer expectativa, mas ambos também passaram em branco. O que fica de tudo isso é que mesmo amparado com o dinheiro das loterias, que vem sendo despejado nas confederações desde 2001, o esporte brasileiro ainda é refém de suas raras estrelas para brilhar internacionalmente.

Foto: Divulgação/CBDA

A coluna Diário Esportivo, assinada por este blogueiro, é publicada às sextas-feiras no Diário de S. Paulo

Grande Prêmio da Itália de Fórmula 1: conheça o circuito de Monza

Circuito de Monza
Traçado:
5.793m

Número de voltas: 53 (306.720 Km)
Número de curvas: 10 (4 para a esquerda, 6 para a direita)
Velocidade máxima alcançada: 368 Km/h
Recorde de volta mais rápida: Rubens Barrichello (Ferrari) - 1min21s046 (2004)
Recorde de pole position: Rubens Barrichello (Ferrari) - 1min20s089 (2004)
Pole em 2008: Sebastian Vettel (Toro Rosso) - 1min37s555
Pódio em 2008: 1º) Sebastian Vettel (Toro Rosso/ALE); 2º) Heiki Kovalainen (McLaren/FIN); 3º) Robert Kubica (BMW/POL)

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

África do Sul, aí vou eu! (10)

PARAGUAI
Continente: América do Sul
Fundação da federação nacional: 1906
Filiação à Fifa: 1925
Site oficial: http://www.apf.org.py/
Participações em Copas do Mundo: 7 (1930, 1950, 1958, 1986, 1998, 2002 e 2006)
Melhor colocação: Duias vezes chegou às oitavas-de-final (1986 e 1998. A melhor colocação foi o 13º lugar em 86)
Títulos continentais: 1953 e 1979
Ranking da Fifa: 23º lugar (setembro/09)
Como se classificou: vitória de 1 a 0 sobre a Argentina, em 09/09/2009

Uma sensata análise sobre a polêmica do Morumbi na Copa de 2014

Do blog do Erich Beting vem uma das análises mais sensatas que vi recentemente sobre a confusão envolvendo São Paulo, Morumbi, Fifa, Copa 2014...

Sobre o Morumbi e a Copa

Ainda não consegui ler e começar a responder aos comentários deixados por aqui referentes ao post anterior. Mas, numa visita superficial, o que deu para perceber é que muita gente fala mais com o coração do que com a razão. Por isso, já vou deixar aqui um breve comentário.

A princípio, nenhum estádio brasileiro tem condições de receber a Copa do Mundo. Não pelos padrões exigidos pela Fifa. Os ajustes são necessários e alguns já começaram a fazê-los (o Inter iniciou a cobertura do Beira-Rio, por exemplo).

A minha maior crítica é ao jogo político que existe para minar uma possível sede do Morumbi. Aos que responderam com ironia ao fato de que coloquei aqui de que há um jogo político envolvendo até a FPF na história, infelizmente é a realidade. É só lembrar como andam as relações entre São Paulo e federação desde o caso Madonna.

Aos que também acham ser impossível a CBF manipular os interesses da Fifa, é só olhar com mais carinho todo o processo de escolha do Brasil como sede da Copa, para ficar só no superficial. E lembrar quem foi o padrinho político de Joseph Blatter na Fifa e de Ricardo Teixeira na CBF.

Quando se pensa numa Copa do Mundo no país, o ideal é que ela sirva para melhorarmos instalações esportivas e, de quebra, a infraestrutura das cidades-sedes sob diversos aspectos. Como o Brasil ainda tem inúmeros problemas estruturais, a Copa pode ser um excelente catalisador de reformas que precisam ser feitas, mas sempre são adiadas por questões políticas.

O problema é que o Mundial tem servido como desculpa para que "verdades absolutas" sejam estabelecidas no que concerne à gestão e construção de arenas aqui no Brasil. O tema é absolutamente novo no país. Basta lembrar que, desde 1994, apenas três novos estádios foram construídos no país (Arena da Baixada, Volta Redonda e Engenhão) ao passo que, na Europa, os números ultrapassam facilmente os 50 nesse mesmo período de 15 anos.

Essa falta de conhecimento faz com que coloquemos muito mais a emoção do que a razão na hora de questionar a realização da Copa, principalmente no que diz respeito às instalações esportivas. Não há capacidade econômica para São Paulo ter um quinto estádio, assim como a construção de uma arena para 45 mil pessoas em Cuiabá é economicamente difícil de se viabilizar no curto, no médio e no longo prazo.

Em 2002, Japão e Coreia do Sul realizaram o mundial com 20 sedes, sendo dez em cada país. Desse total de 20 estádios, metade não tem funcionalidade hoje. E estamos falando de japoneses e coreanos!

Por fim, um relato pessoal que serve de explicação para quem acha que o Morumbi é um estádio ultrapassado.
Estive em Berlim, na final da Copa do Mundo de 2006. O estádio Olímpico é muito similar ao Morumbi no que diz respeito à distância do torcedor até o campo. Tanto que foi impossível entender o que Zidane fez em Materazzi ali, dentro do estádio. O árbitro da partida foi vaiado até o final do jogo, porque parecia que tinha sido uma expulsão injusta. O Olímpico de Berlim foi construído em 1936 e reformado para a Copa do Mundo. Com pontos cegos presentes e o torcedor muito distante do gramado.

Em Munique, o Allianz Arena, construído especialmente para o Mundial, tem uma visão absolutamente fantástica do gramado. Mas, para você chegar ao estádio, tem de caminhar quase um quilômetro da estação de metrô até a entrada.

A Copa do Mundo no Brasil é uma tremenda oportunidade para aprendermos muito sobre o esporte como negócio. E uma lição fundamental é sabermos que um estádio precisa ter muito mais do que apenas uma boa visão do campo e ausência de pontos cegos. Ele precisa ser viável economicamente. Qual plano de viabilidade foi apresentado pelas 12 sedes? Viabilidade para antes, durante e depois da Copa do Mundo. Essa é que tem de ser a discussão!

O Morumbi, do jeito que é hoje, não pode abrigar uma Copa do Mundo. Mas, com algumas reformas, ele estará capacitado. O metrô estará próximo e o estacionamento também será feito para comportar mais carros. Essas duas obras ficarão para depois do Mundial.

Existe sentido em gastar mais dinheiro para um novo estádio? Se ele vier, qual outro será abandonado? Pacaembu, Morumbi, Palestra Itália, Canindé?

Enquanto o torcedor pensar com o coração a respeito do estádio paulistano para a Copa de 2014, é muito provável que ele se veja, em 2050, pagando a conta dessa quinta arena...

África do Sul, aí vou eu! (9)

ESPANHA
Continente: Europa
Fundação da federação nacional: 1913
Filiação à Fifa: 1904
Site oficial: http://www.rfef.es/
Participações em Copas do Mundo: 12 (1934, 1950, 1962, 1966, 1978, 1982, 1986, 1990, 1994, 1998, 2002 e 2006)
Melhor colocação: quarto lugar (1950)
Títulos continentais: 1964 e 2008
Ranking da Fifa: 2º lugar (setembro/09)
Como se classificou: vitória de 3 a 0 sobre a Estônia, em 09/09/2009

África do Sul, aí vou eu! (8)


INGLATERRA
Continente: Europa
Fundação da federação nacional: 1863
Filiação à Fifa: 1905
Site oficial: http://www.thefa.com/
Participações em Copas do Mundo: 12 (1950, 1954, 1958, 1962, 1966, 1970, 1982, 1986, 1990, 1998, 2002 e 2006)
Melhor colocação: Campeã mundial uma vez (1966)
Títulos continentais: Nenhum
Ranking da Fifa: 7º lugar (setembro/09)
Como se classificou: vitória de 5 a 1 sobre a Croácia, em 09/09/2009

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Piquet e a delação premiada

A notícia bomba na internet e acaba de ser dada também na ESPN Brasil, por Flavio Gomes: teria partido de Nelson Piquet, o pai, a denúncia de que o acidente de Nelsinho Piquet no GP de Cingapura de 2008 ocorreu de propósito, atendendo a ordens de Flavio Briatore, chefe da equipe Renault.

Nelsinho, em depoimento à FIA (Federação Internacional de Automobilismo), teria dito que aceitou a ordem de bater por que não se sentia confortável na equipe. Vale lembrar que na ocasião ele não tinha ainda renovado seu contrato para 2009. Ele teria aceitado falr com a condição de não ser punido pela FIA.

Se tudo isso for confirmado, uma bomba de proporções inimagináveis irá cair em toda a Fórmula 1. Seria a maior trataça da história da categoria. E também irá decretar o fim da carreira de Nelsinho Piquet, com certeza.

Obrigado, galera!

A data de hoje, além da coincidência numérica que faz o deleite de todos os supersticiosos e esotéricos (9/9/09) tem um significado especial para mim. Completar dois anos de blog traz uma satisfação pessoal que serioa difícil traduzir em palavras. Especialmente por causa do atribulado ano que venho passando, do ponto de vista profissional, que vem sendo extremamente duro e cansativo.

Talvez até mesmo por causa dos problemas, reconheço que este blog tenha ficado um pouco abandonado, sem a mesma frequência nas atualizações de posts. Isso, contudo, não impediu que os poucos, mas fiéis leitores, continuassem prestigiando este espaço.


Por tudo isso, quero agradecer de coração a todos vocês, pelas visitas, cliques, comentários, críticas, broncas...Esta interatividade é o que me motiva a continuar por aqui. Espero que ainda por muito tempo.


Valeu, pessoal.

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Confira a relação de campeões da Copa América masculina de basquete

1989 (Cidade do México - Mex)

  1. Porto Rico
  2. EUA
  3. BRASIL

1993 (San Juan - PUR)

  1. EUA
  2. Porto Rico
  3. Argentina
    Obs: o Brasil terminou em 4º lugar

1997 (Montevidéu - URU)

  1. EUA
  2. Porto Rico
  3. BRASIL

2001 (Neuquén - ARG)

  1. Argentina
  2. BRASIL
  3. Canadá

2005 (Santo Domingo - DOM)

  1. BRASIL
  2. Argentina
  3. Venezuela

Brasil ganha a Copa América de basquete. Hora de festejar e de refletir também

No esporte, sempre é bom ganhar. Quando se trata de uma decisão, então, trata-se de uma verdade ainda mais incontestável. E se falamos do basquete brasileiro, pode multiplicar por cinco tudo que escrevi nestas linhas.

Por isso, foi mais do que justa a comemoração da seleção brasileira após a dramática final da Copa América masculina, em San Juan, quando derrotou Porto Rico por 61 a 60, após um começo arrasador e um final dramático, com direito a um erro do craque porto-riquenho Carlos Arroyo num arremesso da linha de três pontos no segundo final, que teria dado a vitória aos donos da casa.

Para uma seleção que não ganha nada de importante há um bom tempo (sim, ganhar Jogos Pan-Americanos não entra nesta conta, viu CBB?), este título obtido em Porto Rico tem um sabor especial. Ainda mais pelas circunstâncias (contra os donos da casa e no último seguindo). A obrigação, que era a vaga para o Mundial da Turquia, de 2010, já havia sido assegurada dias atrás.

O que ninguém pode é se iludir com este resultado. A equipe armada pelo espanhol Moncho Monsalve (será que vai continuar?) melhorou muito em relação ao que vimos em anos anteriores, mas ainda tem vários problemas, especialmente defensivos.

Além disso, o nível dos adversários esteve longe de ser alto. A Argentina, que normalmente costuma atropelar o Brasil em competições continentais, mandou um time de terceiro escalão, sem os craques da NBA, onde o único destaque era o pivô Luis Scola, eleito o melhor jogador da Copa América. Sem contar que os EUA, já classificados para o Mundial, não disputaram o torneio.

Em resumo, o Brasil tem mais é que comemorar esta conquista. Mas com moderação.

domingo, 6 de setembro de 2009

África do Sul, aí vou eu! (7)

Gana
Continente: África
Fundação da federação nacional: 1957
Filiação à Fifa: 1958
Site oficial: http://www.ghanafa.org/
Participações em Copas do Mundo: 1 (2006)
Melhor colocação: oitavas-de-final (2006)
Títulos continentais: quatro vezes campeão da Copa Africana de Nações (1963, 1965, 1978 e 1982)
Ranking da Fifa: 32º lugar (setembro/09)
Como se classificou: vitória de 2 a 0 sobre o Sudão, em 06/09/2009

África do Sul, aí vou eu! (6)




BRASIL
Continente: América do Sul
Fundação da federação nacional: 1914
Filiação à Fifa: 1923
Site oficial: http://www.cbf.com.br/
Participações em Copas do Mundo: 18 (1930, 1934, 1938, 1950, 1954, 1958, 1962, 1966, 1970, 1974, 1978, 1982, 1986, 1990, 1994, 1998, 2002 e 2006)
Melhor colocação: cinco vezes campeão mundial (1958, 1962, 1970, 1994 e 2002)
Títulos continentais: oito vezes campeão da Copa América (1919, 1922, 1949, 1989, 1997, 1999, 2004 e 2007)
Ranking da Fifa: 1º lugar (setembro/09)
Como se classificou: vitória de 3 a 1 sobre a Argentina, em 05/09/2009

sábado, 5 de setembro de 2009

A primeira batalha de Rosário

Uma das raras imagens disponíveis (ao menos no YouTube) da primeira Batalha de Rosário (sim, porque a segunda será realizada na noite deste sábado), válida pela Copa do Mundo de 1978. Para quem não era nascido à época ou não tem idade para se lembrar deste jogo, aquela foi uma partida extremamente tensa, especialmente em virtude do regulamento daquele mundial, quando o campeão de cada grupo da segunda fase se classificava para a decisão do título.

Para quem gosta daquele jogo pegado, cheio de catimba e até com algumas pitadas de violência, aquele Argentina x Brasil de 18 de junho de 1978 foi um prato cheio. As imagens abaixo não desmentem as minhas palavras.



sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Gallo briga com a diretoria e pede demissão do Santo André

Alexandre Gallo engrossou a lista dos treiandores desempregados do futebol brasileiro, ao pedir demissão nesta sexta-feira do cargo de treinador do Santo André. Segundo comunicado da assessoria de imprensa do treinador, Gallo alegou divergências de opinião com membros da diretoria do clube paulista em relação ao seu trabalho.

Gallo comandou o Ramalhão em sete partidas, somando cinco derrotas e apenas duas vitórias.


Clique aqui para acompanhar as mudanças de treinadores nas outras equipes que disputam o Campeonato Brasileiro de 2009.

Confira quais serão os participantes dos Mundiais de vôlei de 2010

Veja abaixo quais as seleções classificadas para disputar os Campeonatos Mundiais de vôlei, masculino e feminino, que serão realizados em 2010.

Mundial masculino
Local: Itália
Período: 24/09 e 10/10
Brasil (atual campeão)
Itália (país-sede)
Porto Rico
Rússia
Alemanha
Venezuela
Tunísia
Egito
China
Austrália
Bulgária
República Checa
Polônia
França
Sérvia
Espanha
Cuba
Estados Unidos
Camarões
Japão
Irã
Canadá
México
Argentina

Mundial feminino
Local: Japão
Período: 29/10 a 14/11
Rússia (atual campeão)
Japão (país-sede)
Quênia
Argélia
China
Tailândia
Coreia do Sul
Casaquistão
Cuba
República Dominicana
Estados Unidos
Porto Rico
Canadá
Costa Rica
Brasil
Peru
Itália
República Checa
Sérvia
Croácia
Turquia
Polônia
Alemanha
Holanda

Deixem o Moncho trabalhar!

Coluna Diário Esportivo, publicada na edição de 4 de setembro

Surpreendente é pouco para definir a participação da seleção brasileira masculina de basquete na Copa América de San Juan, em Porto Rico. Se a classificação para o Campeonato Mundial da Turquia no ano que vem já era até esperada o Brasil participou de todas as 15 edições da competição , o mesmo não se pode dizer do desempenho que a equipe vem mostrando dentro de quadra. E boa parte disso deve-se ao trabalho do espanhol Moncho Monsalve, o primeiro estrangeiro na história a comandar a seleção.

Alvo de críticas e piadas quando foi contratado pela antiga diretoria da Confederação Brasileira de Basquete (CBB), no início de 2008, Moncho, um especialista em treinar equipes da segunda divisão da Espanha, enfrentou diversos problemas na preparação para o Pré-Olímpico Mundial, em Atenas, como os desfalques de Leandrinho, Nenê e Ânderson Varejão. Resultado: Brasil eliminado, completando 16 anos sem ir às Olimpíadas.

Mas eis que o espanhol, com seu jeitão bravo e meio rude no trato pessoal, foi mantido no cargo pelo novo presidente da CBB, Carlos Nunes. Com mais tempo para trabalhar, preparou com cuidado a equipe que iria participar da Copa América, tendo apenas Nenê como grande desfalque. E não é que quando justamente o time engrenou e vem detonando todos os adversários (tudo bem que a Argentina foi com o time C, mas aí é outra história), a CBB não garante a permanência de Moncho por problemas salariais? Pô, CBB, deixa o homem trabalhar!

Foto: Divulgação/CBB

A coluna Diário Esportivo, assinada por este blogueiro, é publicada às sextas-feiras no Diário de S. Paulo

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Confira todos os confrontos entre as seleções do Brasil e da Argentina

18/06/2008 - Eliminatórias Fifa - Brasil 0 x 0 Argentina
15/07/2007 - Copa América - Brasil 3 x 0 Argentina
03/09/2006 - Amistoso - Brasil 3 x 0 Argentina
29/06/2005 - Copa das Confederações - Brasil 4 x 1 Argentina
08/06/2005 - Eliminatórias FIFA - Argentina 3 x 1 Brasil
25/07/2004 - Copa América - Brasil 2 x 2 Argentina
02/06/2004 - Eliminatórias FIFA - Brasil 3 x 1 Argentina
05/09/2001 - Eliminatórias FIFA - Argentina 2 x 1 Brasil
26/07/2000 - Eliminatórias FIFA - Brasil 3 x 1 Argentina
07/09/1999 - Amistoso - Brasil 4 x 2 Argentina
04/09/1999 - Amistoso - Argentina 2 x 0 Argentina
11/07/1999 - Copa América - Brasil 2 x 1 Argentina
29/04/1998 - Amistoso - Brasil 0 x 1 Argentina
08/11/1995 - Amistoso - Argentina 0 x 1 Brasil
17/07/1995 - Copa América - Brasil 2 x 2 Argentina
23/03/1994 - Amistoso - Brasil 2 x 0 Argentina
27/06/1993 - Copa América - Brasil 1 x 1 Argentina
18/02/1993 - Amistoso - Argentina 1 x 1 Brasil
17/07/1991 - Copa América - Brasil 2 x 3 Argentina
27/06/1991 - Amistoso - Brasil 1 x 1 Argentina
27/03/1991 - Amistoso - Argentina 3 x 3 Brasil
24/06/1990 - Copa do Mundo - Brasil 0 x 1 Argentina
12/07/1989 - Copa América - Brasil 2 x 0 Argentina
10/07/1988 - Copa Bicentenário Austrália - Brasil 0 x 0 Argentina
05/05/1985 - Amistoso - Brasil 2 x 1 Argentina
17/06/1984 - Amistoso - Brasil 0 x 0 Argentina
14/09/1983 - Copa América - Brasil 0 x 0 Argentina
24/08/1983 - Copa América - Argentina 0 x 1 Brasil
02/07/1982 - Copa do Mundo - Argentina 1 x 3 Brasil
04/01/1981 - Mundialito Uruguai - Brasil 1 x 1 Argentina
23/08/1979 - Copa América - Argentina 2 x 2 Brasil
02/08/1979 - Copa América - Brasil 2 x 1 Argentina
18/06/1978 - Copa do Mundo - Argentina 0 x 0 Brasil
19/05/1976 - Taça do Atlântico - Brasil 2 x 0 Argentina
27/02/1976 - Taça do Atlântico - Argentina 1 x 2 Brasil
16/08/1975 - Copa América - Argentina 0 x 1 Brasil
06/08/1975 - Copa América - Brasil 2 x 1 Argentina
30/06/1974 - Copa do Mundo - Brasil 2 x 1 Argentina
31/07/1971 - Copa Roca - Argentina 2 x 2 Brasil
28/07/1971 - Copa Roca - Argentina 1 x 1 Brasil
08/03/1970 - Amistoso - Brasil 2 x 1 Argentina
04/03/1970 - Amistoso - Brasil 0 x 2 Argentina
11/08/1968 - Amistoso - Brasil 3 x 2 Argentina
07/08/1968 - Amistoso - Brasil 4 x 1 Argentina
09/06/1965 - Amistoso - Brasil 0 x 0 Argentina
03/06/1964 - Taça das Nações - Brasil 0 x 3 Argentina
16/04/1963 - Copa Roca - Brasil 5 x 2 Argentina
13/04/1963 - Copa Roca - Brasil 2 x 3 Argentina
24/03/1963 - Copa América - Brasil 0 x 3 Argentina
12/07/1960 - Taça do Atlântico - Brasil 5 x 1 Argentina
29/05/1960 - Copa Roca - Argentina 1 x 4 Brasil
26/05/1960 - Copa Roca - Argentina 4 x 2 Brasil
20/03/1960 - Pan-Americano - Brasil 1 x 0 Argentina
13/03/1960 - Pan-Americano - Brasil 1 x 2 Argentina
22/12/1959 - Copa América - Brasil 1 x 4 Argentina
04/04/1959 - Copa América - Argentina 1 x 1 Brasil
10/07/1957 - Copa Roca - Brasil 2 x 0 Argentina
07/07/1957 - Copa Roca - Brasil 1 x 2 Argentina
03/04/1957 - Copa América - Brasil 0 x 3 Argentina
08/07/1956 - Taça do Atlântico - Argentina 0 x 0 Brasil
18/03/1956 - Pan-Americano - Brasil 2 x 2 Argentina
05/02/1956 - Copa América - Brasil 1 x 0 Argentina
10/02/1946 - Copa América - Argentina 2 x 0 Brasil
23/12/1945 - Copa Roca - Brasil 3 x 1 Argentina
20/12/1945 - Copa Roca - Brasil 6 x 2 Argentina
16/12/1945 - Copa Roca - Brasil 3 x 4 Argentina
14/02/1945 - Copa América - Brasil 1 x 3 Argentina
17/01/1942 - Copa América - Brasil 1 x 2 Argentina
17/03/1940 - Copa Roca - Argentina 5 x 1 Brasil
10/03/1940 - Copa Roca - Argentina 2 x 3 Brasil
05/03/1940 - Copa Roca - Argentina 6 x 1 Brasil
25/02/1940 - Copa Roca - Brasil 0 x 3 Argentina
18/02/1940 - Copa Roca - Brasil 2 x 2 Argentina
22/01/1939 - Copa Roca - Brasil 3 x 2 Argentina
15/01/1939 - Copa Roca - Brasil 1 x 5 Argentina
01/02/1937 - Copa América - Argentina 2 x 0 Brasil
30/01/1937 - Copa América - Argentina 1 x 0 Brasil
25/12/1925 - Copa América - Argentina 2 x 2 Brasil
13/12/1925 - Copa América - Argentina 4 x 1 Brasil
09/12/1923 - Copa Roca - Argentina 2 x 0 Brasil
02/12/1923 - Taça Confraternidad - Argentina 0 X 2 Brasil
18/11/1923 - Copa América - Brasil 1 x 2 Argentina
22/10/1922 - Copa Roca - Brasil 2 x 1 Argentina
15/10/1922 - Copa América - Brasil 2 x 0 Argentina
02/10/1921 - Copa América - Brasil 0 x 1 Argentina
25/09/1920 - Copa América - Brasil 0 x 2 Argentina
01/06/1919 - Taça Roberto Cherry - Brasil 3 x 3 Argentina
18/05/1919 - Copa América - Brasil 3 x 1 Argentina
03/10/1917 - Copa América - Brasil 2 x 4 Argentina
10/07/1916 - Copa América - Argentina 1 x 1 Brasil
27/09/1914 - Copa Roca - Argentina 0 x 1 Brasil
20/09/1914 - Amistoso - Argentina 3 x 0 Brasil

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Relatório do COI aponta equilíbrio, mas Tóquio e Rio são as favoritas para 2016

Com informações da EFE e da Reuters

O relatório da Comissão de Avaliação do Comitê Olímpico Internacional (COI) das cidades candidatas a sede dos Jogos de 2016, divulgado nesta quarta-feira, mostrou um equilíbrio entre Madri, Rio de Janeiro, Chicago e Tóquio. O que não significa que seja esta a situação atual na corrida olímpica. A decisão sobre a sede ocorrerá no próximo dia 2 de outubro, em Copenhague, na Dinamarca.

O texto do relatório procurou mostrar os pontos positivos e negativos de cada candidatura, mas uma leitura mais atenta mostra que há uma ligeira vantagem para Tóquio e Rio de Janeiro, de acordo com os avaliadores do COI.

Chicago marcou pontos com seu plano compacto, com a maior parte das instalações dentro de um raio de 8 km do centro da cidade, o que exigirá "menos deslocamentos para atletas e outros grupos", segundo o relatório. A vila olímpica localizada no centro também é ponto positivo, mas houve críticas por a candidatura não explicar como faria frente a um eventual déficit econômico.

Tóquio, que foi sede dos Jogos em 1964, ganhou elogios pelo fundo de US$ 3,7 bilhões (cerca de $ 7,2 bilhões) que já foi levantado e pelo plano compacto apoiado num eficiente sistema de transporte público. Porém, foi pedido um maior detalhamento do plano de instalações.

Madri, que também foi candidata aos Jogos de 2012, desfruta do maior apoio entre todas as cidades candidatas, com 84,9% dos moradores da cidade a favor da iniciativa, segundo pesquisa do próprio COI. Por outro lado, o COI disse que os promotores da candidatura precisam "delinear claramente os papéis e responsabilidades" no organograma administrativo proposto.

A candidatura do Rio de Janeiro ganhou pontos com o plano de regeneração da cidade através da preparação dos jogos. A escassez de hotéis necessários e o uso de navios de cruzeiro são um desafio, bem como a questão da segurança, afirmou o COI. A Copa do Mundo de 2014 deve acelerar a construção de infra-estrutura, mas ao mesmo tempo traz desafios para as estratégias de marketing, avalia o COI.

Jogos de 2016 podem estar mais perto do Rio do que muitos imaginam

Esta quarta-feira pode ser significativa para a candidatura do Rio de Janeiro para ser a sede dos Jogos Olímpicos de 2016. E ao contrário do que se propagava anteriormente, quando muitos davam como derrotada mais uma tentativa carioca de emplacar como sede olímpica, desta vez há uma onda de favoritismo em torno do Rio.

Trata-se de algo sutil, mas que é claro de ser percebido, com um pouco de observação. Em primeiro lugar, sumiram do noticiário internacional reportagens negativas dos países das outras candidaturas mostrando os problemas eternos do Rio, como segurança e infraestrutura.

Muito pelo contrário. Alguns até deixam claro o temor do crescimento do Rio nesta reta de chegada, como o jornal espanhol Marca, que aponta o fato dos Jogos nunca terem ocorrido na América do Sul como o melhor argumento para o Rio vencer a disputa.

O Chicago Tribune aposta que a decisão ficará entre a cidade americana e o Rio de Janeiro, novamente usando o argumento do ineditismo dos Jogos no continente sul-americano como o principal ponto favorável da candidatura brasileira. Em contrapartida, o maior problema de Chicago seria o fato de não ter garantias governamentais, ainda reflexo direto da grave crise econômica que se abateu sobre os EUA.

Um outro estudo, divulgado nesta terça-feira demonstrou a força do Rio na corrida pelos Jogos. Segundo uma pesquisa feita pela consultoria alemã Sport+Markt, a cidade de Madri, na Espanha, é a que conta com o maior apoio popular para ser a sede das Olimpíadas, com 93%. Já o Rio de Janeiro surge na segunda colocação, com 89% de apoio.


Portanto, há uma forte possibilidade de vermos daqui a sete anos os Jogos Olímpicos ocorrerem no Brasil, dois anos depois da Copa do Mundo de 2014, e aumentando de forma considerável a tungada nos cofres públicos, pois só assim as instalações esportivas estarão prontas para as disputadas das duas competições.

Related Posts with Thumbnails