boo-box

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Estatísticas da Taça Libertadores




Estatísticas da Taça Libertadores-2009, após cinco primeiras semanas de competição:


  • Partidas disputadas: 37
  • Vitórias dos times mandantes: 22 (59%)
  • Vitórias dos times visitantes: 7 (19%)
  • Empates: 8 (22%)
  • Melhor aproveitamento: Libertad (Par) e Nacional (Uru), com 100% (duas vitórias em dois jogos realizados
  • Gols marcados: 98 - média: 2,64 por jogo
  • Artilheiro: Jorge Nuñez - Nacional (Par), com 4 gols
  • Melhor ataque: Palmeiras (Bra) - 9 gols em três jogos
  • Pênaltis marcados: 7 (6 convertidos, 1 desperdiçado)
  • Cartões amarelos: 180 (uma a cada 18min30s)
  • Cartões vermelhos: 19 (10 por dois amarelos; nove por expulsão direta - um a cada 175min)
  • Equipe com maior número de expulsões: Cruzeiro (Bra) - três expulsões em dois jogos disputados
  • Equipe com maior número de cartões amarelos: Estudiantes de La Plata (Arg) - 12 em quatro jogos disputados

Confira a tabela atualizada da Taça Libertadores-09

Os 80 anos de um gênio do futebol

Nesta sexta-feira, Djalma Santos comemora 80 anos de idade. Vale relembrar um post que coloquei aqui no blog, há um ano, em homenagem ao maior lateral-direito do futebol brasileiro.

Clique aqui para conferir.

Uma bizarra história do esporte brasileiro


Coluna Diário Esportivo, publicada na edição de 27 de fevereiro de 2009

O curioso caso do técnico demitido pela internet


Roberto Chiappini tem dedicado toda sua vida ao pólo aquático, primeiro como atleta e agora como treinador. E não se trata de nenhum exagero. Quando defendia a seleção brasileira, nos Jogos Pan-Americanos de Mar Del Plata, em 1995, sofreu uma sério corte na córnea durante a semifinal contra Cuba, após receber uma unhada de um adversário. Sem pensar duas vezes, e mesmo correndo o risco de ficar cego de um olho, assinou um documento assumindo toda a responsabilidade para atuar na decisão da medalha de ouro, quando o Brasil foi derrotado pelos Estados Unidos.

Como treinador, comandou a seleção brasileira feminina por mais de dez anos, a última vez no Pré-Olímpico mundial de 2008, quando a equipe tentou sem sucesso uma vaga nos Jogos de Pequim. Mas todo este currículo não sensibilizou a Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA), que no início deste ano simplesmente demitiu Chiappini do comando através de um comunicado pelo site da entidade, conforme o DIÁRIO mostrou em reportagem publicada há cerca de 10 dias, assinada por José Eduardo Martins. Mais do que incredulidade, o gesto da CBDA, comandada pelo eterno Coaracy Nunes, demonstra que a entidade vive na Idade da Pedra em termos de gestão esportiva. “Não custava nada o Coaracy passar a mão no telefone e falar que trocou de técnico. Pelo menos isso”, lamentou Chiappini ao DIÁRIO.

Falta de consideração
A pisada na bola da CBDA na demissão de Chiappini foi tanta que o atual treinador do Pinheiros soube que havia sido mandado embora ao ser entrevistado por um repórter de um site especializado em pólo aquático. Só então recebeu um e-mail de um diretor da entidade, agradecendo os serviços prestados. Um verdadeiro absurdo.

Dinheiro no cofre
A maior prova que dinheiro não significa excelência administrativa é a própria CBDA. A mesma entidade que demite um técnico pela internet recebeu mais de R$ 16,2 milhões somente de recursos provenientes da Lei Piva desde 2002, quando entrou em vigência.

Violência impune?
Os dirigentes que comandam a Liga Nacional de Basquete, gestora do NBB (Novo Basquete Brasil) precisam se manifestar urgentemente sobre a agressão do armador Espiga, do Joinville/Ciser, ao técnico Cláudio Mortari, do Pinheiros, ocorrida no último sábado (21). As imagens inclusive foram registradas pela TV. Só falta punir.

Sérvia dá o exemplo
O ex-pivô Vlade Divac, bicampeão mundial de basquete pela extinta Iugoslávia e que brilhou na NBA, atuando no LA Lakers e no Sacramento Kings, foi eleito para presidir o comitê olímpico da Sérvia. Será que vai demorar para o Brasil seguir o exemplo e colocar um grande ídolo no COB?

Foto: cena de "O Curioso Caso de Benjamin Button", cujo belo e bizarro enredo inspirou esta bizarra coluna

A coluna Diário Esportivo, assinada por este blogueiro, é publicada às sextas-feiras no Diário de S. Paulo

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

O desabafo de Rivaldo

As redações receberam nesta quinta-feira um release no mínimo inusitado. Tratava-se de um grande desabafo do meia Rivaldo, que joga Bunyodkor, do Uzbequistão, e também é o atual presidente do Mogi Mirim, clube que o projetou para o futebol. No texto, muito longo, Rivaldo cobra uma outra postura dos jogadores do Mogi, penúltimo colocado no Paulistão. Abaixo, os principais trechos:

“Estou muito triste com o que está acontecendo com o Mogi Mirim. Os jogadores precisam valorizar a camisa que estão vestindo e querer vencer na vida. O jogador para vencer na vida tem que ter ambição, pensar grande, dar tudo para sair do Mogi e chegar longe, assim como aconteceu comigo. E se eu consegui, todos vocês também podem."

"Jogadores não têm que ficar se preocupando com luvas e mandando falar com seu empresário para renovação, pois o melhor empresário para vocês sou eu, destaque dentro de campo que lhes coloco em grandes clubes que tenho as portas abertas. Ficar pulando de time pequeno em time pequeno não adianta. Lute dentro de campo e demonstre vontade e talento que coloco o jogador em times grandes."

"Como jogador nunca perdi sete jogos dentro de um campeonato na situação que o Mogi está perdendo. Não podemos deixar o jogador do time adversário tirar o pão da nossa boca, da nossa família e de nossos filhos."

"Dentro de campo precisamos dar o sangue e nos matarmos se for preciso. Estou envergonhado e perdendo várias noites de sono do outro lado do mundo para acompanhar o meu time e não estou vendo resultado."

"Jamais imaginei que um dia passaria por uma situação como a que está ocorrendo com o Mogi Mirim. Quase passei fome em minha vida e não consigo imaginar que alguém aceite esta situação."

"Faço esse desabafo porque estou envergonhado com a campanha do Mogi Mirim no campeonato."
"Entendo toda essa situação, mas posso garantir que se estivesse no Mogi, com os meus 36 anos, ainda seria capaz de fazer gols e muita coisa no campeonato. Não deixaria que toda essa situação estivesse acontecendo."

"O Campeonato Paulista está com um nível muito mais baixo que na minha época. Hoje está muito mais fácil chegar a um time grande ou à Seleção. Basta ter vontade, garra, pensar grande e na família."

"Não podemos mais nos apegar em desculpas de erros de arbitragem ou que o time jogou bem e não venceu, pois se fizermos três gols não tem como sermos prejudicados."

"Aos torcedores que ficam apenas criticando e dizendo que todos devem deixar o Mogi, referindo-se à diretoria e presidência, estou colocando à disposição a presidência do Mogi para quem quiser assumir. Seja quem for, torcedores, investidores, repórteres, enfim, quem tiver interesse pode se dirigir ao escritório do Wilson (Bonetti) e negociar a transição do Mogi. O clube está como o sr. Wilson deixou. Sem nenhuma dívida. Tudo é pago em dia."

A principal atração do Torneio de Acapulco

A versão eletrônica da Revista Tênis traz interessante nota nesta quinta-feira a respeito do ATP de Acapulco. Nada sobre as partidas, é bom que se explique. Na partida entre o argentino Martin Vassalo-Arguello e o espanhol Marcel Granollers, a principal atração era uma modelo mexicana, que fazia propaganda de um dos patrocinadores do torneio, parada atrás da cadeira do árbitro geral.

Dando uma analisada na foto abaixo, alguém aí está preocupado em saber o resultado da partida entre o espanhol e o argentino?

Luxemburgo diz que futebol não é igreja

"Isso é futebol. Não estamos em uma igreja. Vocês querem que eu fale por favor para meus jogadores?"

Técnico do Palmeiras, Vanderlei Luxemburgo, atacando de ombusdman da imprensa, revoltado pelo destaque dado por alguns jornais ao festival de palavrões e xingamentos que distribuiu no treino de terça-feira, antes do jogo com o São Caetano, tendo o lateral Fabinho Capixaba como principal vítima.

Agora, só uma perguntinha: será que ele também xingava o Beckham ou o Zidane no Real Madrid?

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

As dançarinas da NBA (19): Ashley (do Milwaukee Bucks)



Ashley, nascida em Kenosha (Wisconsin), é integrante há quatro anos do Energee!, o time de dançarinas do Milwaukee Bucks.

Esta seção, que reúne as mais belas cheeleaders da NBA, é publicada sempre às quartas-feiras

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Do Blog do Ademar: Internacional de Limeira vai completar um ano sem vitória

Incrível o que conta o competente Luiz Ademar em seu blog, sempre de olho nas novidades do futebol do Interior de São Paulo e de outros estados do país. A Inter de Limeira, que surpreendeu os grandes de São Paulo a conquistar o Paulistão de 1986, vai completar um ano sem ganhar um joginho qualquer. Clique aqui para conferir toda a história.

Confira quais foram os Jogadores da Semana na NBA, entre os dias 17 e 22/02

Conferência Leste

Dwight Howard - Orlando Magic


Números da semana (média/jogo)
3-1 (V-D)

25,5 pontos
15,0 rebotes
4,3 bloqueios


Desempenho nos jogos:
17/02 - Orlando 107 x 102 Charlotte: 45 pontos, 19 rebotes e oito bloqueios;
18/02 - Orlando 85 x 117 New Orleans: 12 pontos e oito rebotes;
20/02 - Orlando 92 x 80 Charlotte: 13 pontos, 16 rebotes e seis bloqueios;
22/02 - Orlando 122 x 99 Miami: 32 pontos e 17 rebotes


Conferência Oeste

Pau Gasol - Los Angeles Lakers

Números da semana (média/jogo)
4-0 (V-D)

20,3 pontos
10,8 rebotes
6,5 assistências
1,0 bloqueio



Desempenho nos jogos:
17/02 - LA Lakers 96 x 83 Atlanta: 12 pontos, 13 rebotes e 10 assistências;
18/02 - LA Lakers 129 x 121 Golden State: 24 pontos, 13 rebotes e cinco assistências;
20/02 - LA Lakers 115 x 111 New Orleans: 20 pontos, 12 rebotes e seis assistências;
22/02 - LA Lakers 111 x 108 Minnesota: 25 pontos, cinco rebotes, cinco assistências e dois bloqueios

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

Violência sem justificativa

Vejo no ótimo blog Rebote, de Rodrigo Alves, um vídeo que mostra a agressão do jogador Espiga, do Joinville, ao técnico Cláudio Mortari, do Pinheiros, no último dia 18. Um verdadeiro absurdo. Neste momento em que o NBB (Novo Basquete Brasil) tenta, como o próprio nome diz, mudar para melhor a situação do basquete brasileiro, cenas como esta são inconcebíveis.

Já passou da hora dos dirigentes da Liga Nacional de Basquete (LNB) se posicionarem sobre este triste episódio. Se demorar mais, vou começar a achar que o campeonato precisará ser rebatizado para VBB (Velho Basquete Brasil).


Veja as imagens:



domingo, 22 de fevereiro de 2009

Andrez Sanchez garante: não há acordo para Ronaldo estrear no clássico. Será ?

"Apesar de muita gente não acreditar, não existe nenhum acordo com a Federação para ele estrear no clássico. Ele está liberado desde sexta-feira para estrear. Mas isso agora depende do departamento médico e do Mano Menezes"

Andrés Sanchez, o presidente-pinóquio do Corinthians, garantindo que não há qualquer acerto entre o seu clube, o Palmeiras e a Federação Paulista de Futebol, para que Ronaldo Fenômeno faça sua estreia no dérbi Palmeiras x Corinthians, no próximo dia 8 de março.

Agora, diante do repertório de cascatas que Sanchez já desfilou nos últimos tempos, entre elas negar a própria negociação com Ronaldo, é difícil de acreditar que ele esteja falando a verdade.

sábado, 21 de fevereiro de 2009

Série "Grandes Jogos", da TV Cultura, exibe São Paulo x Portuguesa, primeiro jogo da decisão do Paulistão de 1985

De um lado, Cara, Müller, Silas e Sydney. Do outro, Edu Marangon, Luís Pereira, Célio. E o grande Falcão ainda estava no banco de reservas...Este foram alguns dos personagens de São Paulo e Portuguesa, que em dezembro de 1985 decidiram o Campeonato Paulista daquele ano. Pois este jogo será a atração da série "Grandes Jogos", que a TV Cultura vem exibindo todos os domingos.

Nesta partida, a primeira da decisão, o São Paulo ganhou por 3 a 1, com grande atuação do atacante Careca, convidado do programa para comentar os principais lances deste duelo.


sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Estatísticas da Taça Libertadores


Algumas estatísticas após os jogos desta semana da Taça Libertadores (somados jogos da primeira e da segunda fases):

Ataque mais positivo: Palmeiras - 9 gols

Defesa mais vazada: El Nacional (Equ) - 8 gols
Time com mais cartões amarelos: Estudiantes de La Plata (Arg) - 9
Artilheiro: Jorge Nuñez (Nacional-Par) - 4 gols

Acabaram com o sonho de Marquinhos

Coluna Diário Esportivo, publicada na edição de 20 de fevereiro de 2009

Basquete perde a chance de fazer uma revolução

Os ventos positivos que sopram no basquete brasileiro desde o início do NBB (Novo Basquete Brasil), o campeonato da Liga Nacional de Clubes, não podem esconder os inúmeros problemas pelos quais a modalidade vem passando há anos. Péssimos resultados obtidos com as seleções principais — a feminina deu vexame nas Olimpíadas de Pequim e a masculina nem consegue participar dos Jogos desde Atlanta-96; falta de um trabalho de base decente; a esmagadora maioria dos clubes em estado pré-falimentar; um número cada vez maior de garotos e garotas preferindo jogar em qualquer time segunda divisão em algum país da Europa a ficar por aqui. Os problemas são tantos que até fica difícil listá-los.

Nada melhor do que uma eleição para tentar mudar este quadro, não é mesmo? Pois a Confederação Brasileira de Basquete (CBB) terá eleição este ano. Mas a modalidade, por incompetência ou por puro medo de seus dirigentes, jogou pelo ralo a chance de colocar, pela primeira vez, um atleta renomado no comando de uma confederação. A candidatura do ex-pivô Marcos Abdalla Leite, o Marquinhos, que havia sido anunciada no final do ano passado, acabou não emplacando. E o motivo principal foi não ter recebido a indicação de pelo menos duas federações estaduais, exigência para que uma candidatura seja registrada na CBB.

“Foi muito desagradável. Eu tinha a promessa de apoio de três federações. Mas apesar de todos considerarem minha proposta maravilhosa, preferiram fechar com outras candidaturas”, diz Marquinhos, que a todo custo evitar falar a palavra “traição” para definir o motivo que acabou com o seu sonho. “O grande problema é que o pessoal joga pesado”, garantiu o ex-craque da seleção brasileira e que foi campeão mundial pelo Sírio em 1979, sem explicar exatamente que tipo de jogo pesado foi este que acabou com sua chance de ser presidente da CBB.

O sonho continua

Engana-se, contudo, quem pensar que Marquinhos desistiu de tentar novamente uma candidatura. “Agora que já sei como as coisas funcionam, voltarei mais forte do que nunca”, prometeu o ex-pivô, de 56 anos de idade, 44 deles dedicados ao basquete.

Nomes na mesa

Sem Marquinhos na disputa, a próxima eleição da CBB já conhece seus candidatos: além do incansável Gerasime Boziks, o Grego, que tentará nova reeleição, concorrerão Carlos Nunes, presidente da Federação Gaúcha, e Antonio Chakmati, presidente da Federação Paulista.

Confusão à vista


Alberto Murray Neto não é mais membro do COB. Ele garante que seu nome foi retirado da Assembléia Geral, por causa das constantes críticas que faz à entidade. Já a assessoria de imprensa do COB assegura que Murray já não integrava a chapa de Carlos Arthur Nuzman, reeleita no final de 2008.
A coluna Diário Esportivo, assinada por este blogueiro, é publicada às sexta-feiras no Diário de S. Paulo

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Sport foi brilhante. Mas aquela camisa...

O melhor resultado até agora dos times brasileiros na Taça Libertadores foi a ótima vitória do Sport sobre o Colo Colo, por 2 a 1, em pleno Estádio Nacional, em Santiago. Diante de um adversário que já participou 26 vezes da competição, não teve medo e chegou a abrir 2 a 0. Se fizer valer o mando de campo e ganhar suas partidas na Ilha do Retiro (também apelidada de Ilha de Lost), o Sport Recife tem ótimas chances de se classificar para a próxima fase da competição.

O que não dá para entender é qual o motivo do time ter escoilhido esta esquisita camisa dourada para fazer seu jogo de estreia.

Depois de 21 anos de sua única participação na Libertadores (disputou a competição em 1988), o time abre mão de exibir sua tradicional e bela camisa rubro-negra para adotar aquele que convencionou-se chamar de "uniforme comemorativo". Uma cópia mal-feita do modelo existente na Europa, onde os clubes lançam sua terceira camisa para jogos internacionais. Lamentável!

Tropeço do São Paulo já virou rotina em estreias na Taça Libertadores

O péssimo empate do São Paulo diante do Independiente de Medellín por 1 a 1, nesta quarta-feira, na estreia dos dois times na Taça Libertadores da América de 2009, não pode ser uma surpresa aos torcedores tricolores mais fanáticos. Sair de campo com vitória em estreia na Libertadores é coisa rara para os são-paulinos.

Desde sua primeira participação no torneio continental, em 1972, somente em três oportunidades o São Paulo ganhou em sua estreia: em 1974, num 2 x 0 diante do Palmeiras; em 2004, fazendo 2 a 1 no Alianza Lima (Peru); e em 2006, num outro 2 a 1 diante do Caracas (Venezuela). Em compensação, foram oito empates, incluído o desta última quarta-feira, graças ao belo gol de Borges (foto).


Abaixo, veja como foram todas as estreias do São Paulo na Taça Libertadores:

1972 - Atlético-MG 2 x 2 São Paulo
1974 - São Paulo 2 x 0 Palmeiras
1978 - Atlético-MG 1 x 1 São Paulo
1982 - São Paulo 2 x 2 Grêmio
1987 - Guarani 3 x 1 São Paulo
1992 - Criciúma 3 x 0 São Paulo
1993 - Newell's Old Boys (Arg) 2 x 0 São Paulo
1994 - Union Española (Chi) 1 x 1 São Paulo
2004 - Alianza Lima (Per) 1 x 2 São Paulo
2005 - The Strongest (Bol) 3 x 3 São Paulo
2006 - Caracas (Ven) 1 x 2 São Paulo
2007 - Audax Italiano (Chi) 0 x 0 São Paulo
2008 - Atletico Nacional (Col) 1 x 1 São Paulo
2009 - São Paulo 1 x 1 Independiente de Medellín (Col)

Confira a tabela atualizada da Libertadores-09

Foto: Rubens Chiri/Divulgação

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

As dançarinas da NBA (18): Natalie (do Miami Heat)




Natalie, nascida em Miami (Florida), integra pelo segundo ano o elenco das Heat Dancers

Esta seção, que reúne as mais belas cheeleaders da NBA, é publicada sempre às quartas-feiras

O incrível caso do técnico brasileiro de pólo aquático demitido pela internet

Uma prova da "organização" do esporte brasileiro, em particular da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos, foi mostrada na última terça-feira nas páginas do Diário de S. Paulo, em reportagem assinada por José Eduardo Martins. A demissão, pela internet, do técnico Roberto Chiappini, da seleção brasileira feminina de pólo aquático, seria cômica, se não fosse trágica.

“Foi a estranha a minha saída. “Eu devia pelo menos ter sido comunicado pelos responsáveis. Estava de férias com a minha família no Guarujá e recebi a notícia que me sacaram da seleção por um repórter de um site de pólo aquático. Só depois de publicada uma matéria na internet é que veio um e-mail do diretor de pólo aquático da seleção dizendo que agradecia a dedicação e o profissionalismo com as quais trabalhei na seleção. Foi o único contato que tive”, lembra o técnico, na reportagem do Diário de S. Paulo.

O caso é surreal, para não dizer ridículo. O presidente da CBDA, Coaracy Nunes, que tanta lambança já produziu em relação ao campeão olímpico César Cielo, precisa se posicionar sobre isso urgentemente. Vale lembrar que a seleção feminina de pólo aquático se prepara para o Mundial da modalidade, a partir de 18 de julho, na Itália. Agora, a equipe está sendo dirigida por Pablo Cuesta.

No final, é preciso que fique registrada a mágoa de Chiappini. “Nunca tive qualquer tipo de problema, de indisciplina. Isso contanto a minha época de atleta. Acho que, por tudo isso, merecia um pouco mais de consideração."

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Os vários vilões pela guerra de domingo no clássico São Paulo x Corinthians

Vem do Blog do Menon uma das mais lúcidas análises sobre as cenas de vandalismo e terror ocorridas domingo, após o clássico São Paulo x Corinthians. Assino embaixo as palavras do amigo Luís Augusto Simon.


MUITOS CULPADOS
Não há dificuldades em se achar culpados pela barbárie que aconteceu no Morumbi. Por ordem cronológica, mas não de importância.

1 - ARROGÂNCIA DO JUVENAL - O presidente do São Paulo deveria ter convidado os presidentes de Corinthians, Palmeiras e Santos para um almoço no Morumbi, no início do ano. E comunicar que no Campeonato Paulista não haveria mais estádio dividido. Se não fosse atrapalhar os futuros negócios, poderia explicar como vai ficar o estádio e dar as razões para que as outras torcidas passassem a receber apenas 10% dos ingressos. Os quatro presidentes poderiam chamar uma entrevista coletiva e expicar tudo aos torcedores.

2 - DEMAGOGIA DE ANDRÉS SANCHES - O presidente do Corinthians, às vésperas de eleição, jogou para a torcida organizada que é onde tem mais apoio. E criou uma aura de perseguição de ricos contra pobres, de opressores contra oprimidos que não se sustenta. Na véspera do jogo, pediu a seus jogadores que morressem em campo. Colocou gasolina onde era necessário muita água. Depois, chamou os torcedores de mártires.

3 - DESPREPARO DE DIRIGENTES - Felipe Ezabella, do Corinthians, disse que não gosta do Morumbi porque é o estádio "delas" e Kalil Rocha Abdalla afirma que "galinha não tem estádio", referindo-se aos corintianos. Com dirigentes assim, o que se esperar da torcida?

4 - TRUCULÊNCIA DA POLÍCIA - Os torcedores não são mártires, mas a polícia não precisa atacar com a dureza que ataca. Poderia ter ocasionado um massacre no Morumbi.

5 - OMISSÃO DE DEL NERO - Esse é o dirigente mais banana que eu já vi. Parece que o jogo de domingo foi entre um time de Marte e outro de Vênus e não entre dois times da Federação que ele dirige. Não falou nada, não fez uma reunião e nada mais. Até hoje não se manifetou sobre o gás de pimenta nos vestiários do São Paulo na semifinal do Paulistão do ano passado. Está preocupado com o caso Madonna, quando acusou sem ter provas. O São Paulo foi inocentado e ele está sendo investigado.

A polêmica entre o COB e Alberto Murray Neto continua a pleno vapor...


Eu não sou mais membro do Comitê Olímpico Brasileiro. Já fui. Por um lado isso é muito bom. Não é de hoje que tenho sido alertado, inclusive por gente próxima ao governo federal, de que o “COB está mais sujo que pau de galinheiro e será o próximo grande escândalo do Brasil.” Mais de uma pessoa já me disse isso, muito antes do Pan Americano, há anos atrás. “O Lula detesta o Nuzman” , falavam-me. Estavam com a razão. Vejam o escândalo financeiro que assolou aquela competição, as denúncias de superfaturamento no relatório do TCU, os processos investigatórios na CGU e no Ministério Público Federal, a oposição ferrenha dos Atletas e de seus pais, da sociedade, da imprensa, contra absolutamente toda essa podridão, execrável, que está aí. O lado ruim da história é que Catuzinho (como Carlos Arthur Nuzman é carinhosamente chamado no seio familiar. Vide post abaixo) não vai ter uma voz de oposição nas suas assembléias gerais, bem como (na cabeça dele), impede a minha eventual candidatura a alguma coisa lá dentro (nesse particular, o artigo 26 dos estatutos do COB é ilegal e inconstitucional e uma medida liminar derrubaria isso). (...)

Reproduzo acima a parte inicial de um post do blog de Alberto Murray Neto, que se tornou bastante conhecido do meio esportivo nacional por ser a grande voz de oposição ao Comitê Olímpico Brasileiro (COB). Murray foi entrevistado por este blogueiro por ocasião da última coluna Diário Esportivo, na qual falou, na condição de ex-atleta, integrante da Corte Arbitral de Esporte (TAS) e membro do próprio COB, sobre as chances (nulas) do Rio ganhar a sede das Olimpíadas de 2016.

Eis que Murray avisa que não faz mais parte do COB. A grande dúvida, que o próprio faz questão de ressaltar, é que não sabe quando isso ocorreu, se antes ou depois da última eleição na entidade, em outubro do ano passado.

Em e-mail enviado ao blogueiro, a assessoria de imprensa do COB garante que Alberto Murray Neto não fazia parte da chapa inscrita em abril de 2008, mas que ele integrou a chapa anterior, cujo mandato venceu em 31 de dezembro. Particularmente, acho que vai rolar muita água debaixo desta ponte...

Para quem quiser ler a íntegra do post de Alberto Murray Neto, basta clicar aqui.

Flamengo de olho na América

Líder do NBB (Novo Basquete Brasil), ao lado do Joinville, com nove pontos (quatro vitórias e uma derrota), o Flamengo dá uma pausa no Campeonato nacional esta semana e volta os olhos para a 13ª Liga Sul-Americana de clubes. A partir desta terça-feira, o clube carioca, atual campeão brasileiro, tentará mais uma vez acabar com o domínio argentino na competição: das 12 edições do torneio realizadas desde 1996, os clubes da Argentina foram campeões em simplesmente nove delas. Os solitários brasileiros a quebrarem esta hegemonia foram o Vasco da Gama (1999 e 2000) e o Uberlândia (2005).

Vice-campeão da Liga em 2008, o Flamengo sonha com voos mais altos nesta temporada. "O objetivo é a classificação para o quadrangular final. O Flamengo está sempre disposto a representar bem o Brasil em qualquer competição internacional. O time está indo bem no NBB, fazendo uma defesa forte e ataque veloz. Vamos usar essas características na Colômbia para nos garantirmos na final da Liga Sul-Americana", garante o técnico Paulo Sampaio.

O Flamengo integra o Grupo A da competição, com sede na cidade colombiana de Cucuta, onde jogará ao lado de Obras Sanitárias (Argentina), Cocodrilos (Venezuela) e Cucuta-Norte (Colômbia). O outro representante brasileiro será o Minas/Pitágoras (a menos que o Universo/BRB consiga a vaga na Justiça Desportiva), que só jogará na semana que vem.

Confira abaixo a tabela do Grupo A da Liga Sul-Americana:

Sede: Cucuta (Colômbia)

1ª Rodada Terça-feira (dia 17 de fevereiro)
20h45 Flamengo/Petrobras (BRA) x Cocodrilos (VEN) / ESPN Ao Vivo
22h45 Cucuta-Norte (COL) x Obras Sanitárias (ARG)

2ª Rodada Quarta-feira (dia 18 de fevereiro)
20h45 Obras Sanitárias (ARG) x Flamengo/Petrobras (BRA)
22h45 Cocodrilos (VEN) x Cucuta-Norte (COL)

3ª Rodada Quinta-feira (dia 19 de fevereiro)
20h45 Cocodrilos (VEN) x Obras Sanitárias (ARG)
22h45 Cucuta-Norte (COL) x Flamengo/Petrobras (BRA) / ESPN Brasil (VT) 00h00
OBS: Horário de Brasília.

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Corinthians prossegue a "guerra dos comunicados oficiais" e transforma torcida organizada em mártir


"O Corinthians se solidariza com seus torcedores vitimados, verdadeiros mártires da arrogância e incompetência de adversários que nos tratam como inimigos"

Trcho do comunicado oficial (mais um!) emitido nesta segunda-feira pela diretoria do Corinthians, comentando o incidente ocorrido na saída do estádio após o clássico São paulo 1 x 1 Corinthians, envolvendo sua torcida organizada e a Polícia Militar.

Oeste ganha fácil o Jogo das Estrelas; Kobe Bryant e Shaquille O'Neal fazem história

Com uma verdadeira lavada, a seleção do Oeste deu uma surra na equipe do Leste e venceu na madrugada desta segunda-feira a 58ª edição do All Star Game, o Jogo das Estrelas por 146 a 119, realizado em Phoenix. Foi a 23ª vitória da seleção do Oeste, contra 35 triunfos do time do Leste.

Já Shaquille O'Neal, do Phoenix Suns, e Kobe Bryant, do LA Lakers, dividiram o prêmio de MVP (melhor jogador da partida). Esta divisão não ocorria desde 2000, com Tim Duncan e o próprio O'Neal. Além disso, os dois igualaram o feito de Michael Jordan e Oscar Robertson, que também ganharam três vezes o prêmio de MVP.


Abaixo, todos os ganhadores do Jogo das Estrelas:


Ano Cidade Resultado MVP

2008 N. Orleans - Leste 134 x Oeste 128 - LeBron James, Cleveland Cavaliers
2007 Las Vegas - Oeste 153 x Leste 132 - Kobe Bryant, Los Angeles Lakers
2006 Houston - Leste 122 x Oeste 120 - LeBron James, Cleveland Cavaliers
2005 Denver - Leste 125 x Oeste 115 - Allen Iverson, Philadelphia
2004 Los Angeles - Oeste 136 x Leste 132 - Shaquille O'Neal, L.A. Lakers
2003 Atlanta - Oeste 155 x Leste 145 - Kevin Garnett, Minnesota
2002 Philadelphia - Oeste 135 x Leste 120 - Kobe Bryant, L.A. Lakers
2001 Washington - Leste 111 x Oeste 110 - Allen Iverson, Philadelphia
2000 Oakland - Oeste 137 x Leste 126 - Tim Duncan, S.Antonio; Shaquille O'Neal, L.A.Lakers
1998 New York - Leste 135 x Oeste 114 - Michael Jordan, Chicago
1997 Cleveland - Leste 132 x Oeste 120 - Glen Rice, Charlotte
1996 San Antonio - Leste 129 x Oeste 118 - Michael Jordan, Chicago
1995 Phoenix - Oeste 139 x Leste 112 - Mitch Richmond, Sacramento
1994 Minneapolis - Leste 127 x Oeste 118 - Scottie Pippen, Chicago
1993 S. Lake City - Oeste 135 x Leste 132 - Karl Malone, Utah; John Stockton, Utah
1992 Orlando - Oeste 153 x Leste 113 - Magic Johnson, Los Angeles
1991 Charlotte - Leste 116 x Oeste 114 - Charles Barkley, Philadelphia
1990 Miami - Leste 130 x Oeste 113 - Magic Johnson, Los Angeles
1989 Houston - Oeste 143 x Leste 134 - Karl Malone, Utah
1988 Chicago - Leste 138 x Oeste 133 - Michael Jordan, Chicago
1987 Seattle - Oeste 154 x Leste 149 (Pror.) - Tom Chambers, Seattle
1986 Dallas - Leste 139 x Oeste 132 - Isiah Thomas, Detroit
1985 Indianapolis - Oeste 140 x Leste 129 - Ralph Sampson, Houston
1984 Denver - Leste 154 x Oeste 145 (Pror.) - Isiah Thomas, Detroit
1983 Los Angeles - Leste 132 x Oeste 123 - Julius Erving, Philadelphia
1982 New Jersey - Leste 120 x Oeste 118 - Larry Bird, Boston
1981 Cleveland - Leste 123 x Oeste 120 - Nate Archibald, Boston
1980 Washington - Leste 144 x Oeste 136 (Pror.) - George Gervin, San Antonio
1979 Detroit - Oeste 134 x Leste 129 - David Thompson, Denver
1978 Atlanta - Leste 133 x Oeste 125 - Randy Smith, Buffalo
1977 Milwaukee - Oeste 125 x Leste 124 - Julius Erving, Philadelphia
1976 Philadelphia - Leste 123 x Oeste 109 - Dave Bing, Washington
1975 Phoenix - Leste 108 x Oeste 102 - Walt Frazier, New York
1974 Seattle - Oeste 134 x Leste 123 - Bob Lanier, Detroit
1973 Chicago - Leste 104 x Oeste 84 - Dave Cowens, Boston
1972 Los Angeles - Oeste 112 x Leste 110 - Jerry West, Los Angeles
1971 San Diego - Oeste 108 x Leste 107 - Lenny Wilkens, Seattle
1970 Philadelphia - Leste 142 x Oeste 135 - Willis Reed, New York
1969 Baltimore - Leste 123 x Oeste 112 - Oscar Robertson, Cincinnati
1968 New York - Leste 144 x Oeste 124 - Hal Greer, Philadelphia
1967 S.Francisco - Oeste 135 x Leste 120 - Rick Barry, San Francisco
1966 Cincinnati - Leste 137 x Oeste 97 - Adrian Smith, Cincinnati
1965 St. Louis - Leste 124 x Oeste 123 - Jerry Lucas, Cincinnati
1964 Boston - Leste 111 x Oeste 107 - Oscar Robertson, Cincinnati
1963 Los Angeles - Leste 115 x Oeste 108 - Bill Russell, Boston
1962 St. Louis - Oeste 150 x Leste 130 - Bob Pettit, St. Louis
1961 Syracuse - Oeste 153 x Leste 131 - Oscar Robertson, Cincinnati
1960 Philadelphia - Leste 125 x Oeste 115 - Wilt Chamberlin, Philadelphia
1959 Detroit - Oeste 124 x Leste 108 - E.Baylor, Minneapolis; B.Pettit, St. Louis
1958 St. Louis - Leste 130 x Oeste 118 - Bob Pettit, St. Louis
1957 Boston - Leste 109 x Oeste 97 - Bob Cousy, Boston
1956 Rochester - Oeste 108 x Leste 94 - Bob Pettit, St. Louis
1955 New York - Leste 100 x Oeste 91 - Bill Sharman, Boston
1954 New York - Leste 98 x Oeste 93 - Bob Cousy, Boston
1953 Ft. Wayne - Oeste 79 x Leste 75 - George Mikan, Minneapolis
1952 Boston - Leste 108 x Oeste 91 - Paul Arizin, Philadelphia
1951 Boston - Leste 111 x Oeste 94 - Ed Macauley, Boston

sábado, 14 de fevereiro de 2009

Reveja quais foram as 10 melhores jogadas em todos os tempos do All Star Game

Neste domingo, a cidade de Phoenix irá assisitr a 58ª edição do All Star Game, o Jogo das Estrelas da NBA. E como uma espécie de aquecimento para a partida, veja abaixo uma coletânea das 10 maiores jogadas da história do confronto.

É de tirar o fôlego.



A megalomania da candidatura do Rio de Janeiro para as Olimpíadas de 2016

No Globo deste sábado

Orçamento brasileiro é o maior do mundo

por Luiz Ernesto Magalhães

A estimativa oficial de gastos do Rio de Janeiro para promover os Jogos Olímpicos de 2016 é a maior entre as quatro cidades que disputam a fase final indicação pelo Comitê Olímpico Internacional (COI). O orçamento oficial, divulgado ontem, prevê gastos de R$ 29,5 bilhões (infraestrutura urbana, construção e reforma de instalações esportivas, custeio do Comitê Organizador) , quase oito vezes do que foi investido para os Jogos Pan-Americanos (R$ 3,8 bilhões).

O custo do projeto brasileiro que prevê inclusive reformas e ampliação de instalações usadas no Pan, fica próximo do orçamento que Londres, que será a próxima sede das Olimpíadas (2012), atualizou na semana passada. Os ingleses planejam gastar R$ 30,7 bilhões. Tóquio (Japão) estima precisar de quase R$ 17,5 bilhões para organizar os Jogos Olímpicos pela segunda vez. Chicago (EUA) propôs gastar R$ 10,8 bilhões, enquanto Madri (Espanha) aparece na lanterna projetando um investimento de R$ 6,5 bilhões. As obras terão de estar prontas até 2015 para os eventos-teste.

"Os orçamentos entre as cidades não podem ser comparados como uma corrida financeira. Cada cidade tem suas particularidades e suas necessidades. Tóquio, por exemplo, já realizou as Olimpíadas. Além disso, pelo menos 30% dos investimentos incluídos no orçamento são de obras que já estão em andamento e tiveram seus cronogramas ajustados aos prazos da candidatura olímpica", afirmou o presidente do Comitê Olímpico Brasileiro, Carlos Arthur Nuzman.

Internautas botam fé no sucesso do campeonato da NBB, mas com ressalvas



Exaltado como última oportunidade do basquete masculino do Brasil dar um fim a sua interminável crise, o Novo Basquete Brasil (NBB), campeonato organizado pela Liga Nacional de Basquete, recebeu o voto de confiança dos internautas, de acordo com enquete encerrada nesta sexta-feira. Mas segundo eles, não será tão cedo que o basquete brasileiro sairá do fundo do poço. Para 52% dos blogueiros, ainda levará um tempo até que se possam ser sentidos os efeitos do NBB no basquete nacional.

Mas otimistas são 35% dos internautas, que acreditam piamente no sucesso da empreeitada do torneio organizado pelos clubes. Em compensação, 11% dos blogueiros são mais pessimistas e acham que de nada vai adiante este esforço, pois o basquete masculino brasileiro está falido.

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Rio-2016: Dossiê de candidatura ou anúncio de venda de apartamento?

O Comitê Olímpico Brasileiro (COB) colocou à disposição de todos nesta sexta-feira, através do site oficial da candidatura do Rio de Janeiro para os Jogos de 2016, uma versão resumida do dossiê entregue esta semana na sede do Comitê Olímpico Internacional (COI).

Trata-se de um trabalho muito bem feito, com belas imagens. Mas nada além do que isso. É basicamente o mesmo projeto do Pan (inclusive com os mesmos problemas, é bom que se diga).

O que chama a atenção na animação existente no site oficial da candidatura é a impressionante quantidade de adjetivos presentes nos textos referentes às futuras instalações olímpicas.

"As competições acontecerão em locações fantásticas e em equipamentos de última geração...", "O esporte num cenário incomparável...", "Os Jogos de 2016 farão uso abundante da paisagem do Rio de Janeiro com as competições em locais de tirar o fôlego...", "Um cenário espetacular oferecendo uma atmosfera especial para atletas e espectadores...", são alguns dos exemplos extraídos do texto da animação.

Em alguns momentos, pensei estar lendo um anúncio de algum empreendimento imobiliário que será lançado no Rio de Janeiro, e não um resumo de um dossiê de candidatura olímpica.

Uma pedra no sapato de Nuzman

Coluna Diário Esportivo, publicada na edição de 13 de fevereiro de 2009 do Diário de S. Paulo



A ovelha negra do COB

Na semana em que os cartolas do Comitê Olímpico Brasileiro (COB) fazem festa e batem bumbo pelo simples fato do Rio de Janeiro ter sido a primeira cidade a entregar no Comitê Olímpico Internacional (COI) o dossiê de candidatura para os Jogos de 2016, uma voz dissonante aqui no Brasil continua firme em sua luta para mostrar que tudo isso não passa de uma grande aventura. O advogado Alberto Murray Neto, de 43 anos, tornou-se nos últimos tempos uma grande pedra no sapato do presidente do COB, Carlos Arthur Nuzman, tanto em relação à candidatura para 2016 quanto à própria administração do esporte olímpico brasileiro. O mais irônico de tudo: Murray é membro do COB desde 1996.

“O que me deixa mais triste é que transformaram o Comitê num órgão realizador de eventos e gestor de candidaturas olímpicas. Não estão preocupados com o esporte brasileiro de fato”, afirma Murray, que até acha graça em ser considerado uma espécie de ovelha negra dentro da entidade. “Não tenho o rabo preso com ninguém”, garante o advogado, que tem o esporte em seu DNA: neto do ex-presidente do COB, Sylvio de Magalhães Padilha, integrou a equipe de atletismo do Pinheiros, formou-se em Estudos Olímpicos pela Academia Olímpica internacional, em Olympia, na Grécia, e é membro da Corte Arbitral do Esporte (CAS).

A aventura olímpica do Rio

Com toda esta experiência, Murray não tem o menor receio em afirmar, categoricamente, que a candidatura do Rio de Janeiro para os Jogos Olímpicos de 2016 está fadada ao fracasso. E alerta: até mesmo o presidente do COB sabe disso. “Tenho inúmeros contatos no COI, como o próprio Nuzman também, e todos afirmam que a candidatura do Rio sequer é citada como competitiva”, garante Murray. Ele aposta, inclusive, que a cidade carioca nem passará da primeira rodada de votação, no dia 2 de outubro, em Lausanne.

COI está de olho

Indignado com os gastos empenhados na candidatura — R$ 42 milhões foram liberados pelo Governo Federal no sonho de ganhar a sede de 2016 —, Murray tem enviado relatórios constantes a ninguém menos do que o presidente do COI, Jacques Rouge. Todos, é claro, com cópia para Carlos Nuzman. “O mais importante é que ele não enviou uma resposta protocolar. Afirmou que tem recebido os meus relatórios, que conhece o meu passado no esporte e que está muito atento à situação do Brasil.”

Onde estão as favelas?

Um detalhe “ignorado” pelo dossiê de candidatura carioca foi lembrado por Murray em mapa enviado à entidade. “Existem 39 favelas no entorno do Engenhão e do Maracanã. Elas não constam no dossiê. Nada contra as favelas, é claro, mas o que o COB irá fazer se o Rio for eleito a sede dos Jogos? Passar com um trator por cima de cada uma delas?”

Foto: O superintendente o COB, Carlos Luiz Martins, na entrega do dossiê da candidatura do Rio para as Olimpíadas de 2016
Crédito: Divulgação
A coluna Diário Esportivo, assinada por este blogueiro, é publicada às sexta-feiras no Diário de S. Paulo

Carreira de Jade Barbosa está por um fio

O descaso e a incompetência da Confederação Brasileira de Ginástica (CBG) em relação à saúde de suas atletas pode ter uma consequência muito grave. Nesta quinta-feira, o médico da ginasta Jade Barbosa, Sandro Deodato, declarou ao site globoesporte.com que só o tempo poderá dizer se ela voltará a competir em alto nível.

Deodato consultou vários colegas, brasileiros e estrangeiros,
durante o Curso de Patologia e Artroplastia Total do Punho, ministrado pelo Instituto de Ortopedia e Traumatologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP). Todos foram unânimes em afirmar que não existe nenhum tratamento para a lesão no punho direito da ginasta.

"O que podemos fazer é pensar em opções para que ela melhore. No momento, vamos aguardar, ver como ela se sai nos treinos", disse Deodato, para em seguida dar um prognóstico sombrio. "Se ela tivesse outra profissão, seria mais fácil, mas a ginástica de alto rendimento exige muito. Pode ser que ela volte bem, pode ser que não volte. Vamos pensar positivo, mas só o tempo dirá", completou o médico.

Parabéns, CBG, pelos bons serviços prestados...

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Do Blog do Menon

Uma análise perfeita, escrita de forma irretocável pelo amigo Luis Augusto Simon, o grande Menon, sobre o melhor jogador em atividade neste início de temporada.

K9 É JOGADOR DE VÁRZEA

Keirrison não é profissional. É jogador de várzea, irresponsável e que faz do futebol uma coisa simples. E antes que me critiquem, quero dizer que isso é um elogio. O modo como ele se integrou - futebolisticamente, que é o que interessa - aos novos companheiros e como jogou bem desde o primeiro minuto em seu novo clube são um desafio à chatice que está tomando conta do futebol hoje em dia.

Os técnicos, quando não estão falando em "encaixe", estão repetindo, de boca cheia o seu profissionalismo. É profissionalismo para cá, profissionalismo para lá, estrutura, esquema, fisitoterapia, modo de encarar altitude, enfim, um monte de besteira. São coisas até importantes, mas futebol é muito mais simples. E muito melhor do que isso.

Futebol é tocar rápido, saber chutar, saber driblar e fazar gols. Para um atacante, é lógico. Então, qual a supresa no fato de o Keirrison chegar, jogar e marcar. Nenhuma. Ele não fez isso na segunda divisão? Não repetiu na primeira? Porque a surpresa?

Porque transformaram o futebol em algo complicado. O "professor" tem de aparecer. Por isso fala e confunde tudo. Fala em tática, em profissionalismo etc e tal. Aí, vem o garoto e joga muito. E todo mundo fica com cara de bobo.

Keirrison é um grande jogador. Está em um grande time. Supresa seria se demorasse a jogar.

Santos prepara dossiê para se tornar octacampeão brasileiro

No final de 2008, este blogueiro fez pouco caso de uma bravata do diretor de futebol do Santos, Adílson Durante, que questionou o fato do São Paulo ser considerado o maior campeão brasileiro da história, com seus seis títulos.

Adílson sustentava na época que o Santos é o grande vencedor nacional, com oito títulos, acumulando com os dois Brasileiro de 2002 e 2004 os títulos da Taça Brasil de 1961, 62, 63, 64 e 65, além do Robertão de 1968.

Pois parece que o sonho santista de desbancar o Tricolor caminha a passos largos. Segundo nota publicada pela Agência Estado, um dossiê de 350 páginas está sendo montado pelo time santista (com apoio de Botafogo, Palmeiras, Fluminense, Bahia e Cruzeiro) para pedir à CBF o reconhecimento dos títulos nacionais disputados entre 1959 e 1970 como legítimos campeões brasileiros.

A papelada, que está sendo catalogada pelo jornalista Odir Cunha, incluí fichas de jogos, regulamentos de competições, jornais da época e filmes produzidos pelo Canal 100. Há ainda um documento que os santistas apostam que terá um peso importante neste empreeitada: uma carta de apoio do ex-presidente da Fifa e da antiga Confederação Brasileira de Desportos (CBD), João Havelange. Nesta carta, Havelange declara que os títulos representavam o Campeonato Brasileiro da época.

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Os 10 primeiros do ranking da Fifa


Veja abaixo os dez primeiros do ranking da Fifa na lista de fevereiro. Detalhe: a ótima vitória do Brasil sobre a Itália não foi computada na lista divulgada nesta quarta-feira.



  1. Espanha - 1.693 pontos
  2. Alemanha - 1.403 pontos
  3. Holanda - 1.357 pontos
  4. Itália - 1.318 pontos
  5. Brasil - 1.248 pontos
  6. Argentina - 1.181 pontos
  7. Croácia - 1.175 pontos
  8. Inglaterra - 1.136 pontos
  9. Rússia - 1.119 pontos
  10. Turquia - 1.040 pontos

Veja no site da Fifa a classificação completa do ranking

Baú do Laguna

Interessante coletânea de vinhetas das principais redes de TV brasileiras envolvendo a maior paixão nacional: a Copa do Mundo de futebol. Vídeo postado originalmente no ótimo blog Futebol & Negócio.


O que está por trás da confusão dos ingressos entre São Paulo e Corinthians

Antes de mais nada, uma coisa precisa ser dita a respeito da polêmica da distribuição de ingressos para o clássico São Paulo e Corinthians: o Tricolor está agindo absolutamente dentro da lei, no caso o regulamento de competições da CBF, que determina 10% de bilhetes destinados à torcida do time visitante. Se está na lei, então está tudo certo.

O que me incomoda nesta situação é a forma como que o caso está sendo conduzido, por ambos os lados. Os são-paulinos, amparados pela lei, estão na verdade mirando outro alvo com toda a polêmica: a Federação Paulista de Futebol (FPF), com quem está rompido desde a rodada final do Brasileirão 2008, quando estourou o caso Tardelli.

Irritados com o fato de a FPF simplesmente marcar o clássico Palmeiras x Corinthians, dia 8 de março, para Presidente Prudente - e vale lembrar que pode ser o jogo de estreia de Ronaldo Fenômeno com a camisa do Timão -, os cartolas são-paulinos resolveram revidar e apelaram para a lei.

A falta de jogo de cintura dos dois lados acabou detonando esta crise. Tanto o São Paulo não precisaria bater o pé em relação aos 10% do Corinthians (diferentemente da postura em relação a Santos e Palmeiras, que limitam a presença de seus torcedores na Vila Belmiro e no Palestra Itália) como a FPF não tinha nada que tirar o clássico de maior rivalidade da capital paulista e colocá-lo no interior do estado.

Já a postura dos dirigentes corintianos também está longe de ser louvável. Em pleno clima eleitoral, pois haverá eleições no clube no próximo sábado (14), a atual diretoria vem soltando uma série de notas oficiais onde descarregou várias acusações ao rival. As mais pesadas foram chamar a atitude do São Paulo de "elitista, arrogante e típica de times de pequenas torcidas". É bom lembrar que neste ano, pela primeira vez, o sócio do Corinthians terá direito a voto - e muitos integrantes de torcidas organizadas do Timão são sócios do clube.

As dançarinas da NBA (17): Christina (do Houston Rockets)



Christina, nascida em Sugar Land (Texas), é uma das calouras das Rockets Power Dancers


Esta seção, que reúne as mais belas cheeleadres da NBA, é publicada sempre às quartas-feiras

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Veja a tabela atualizada da Libertadores-09


Taça Libertadores 2009

atualizado em 22/3

Grupo 1
LDU (EQU)
Sport Recife (BRA)
Colo Colo (CHI)
Palmeiras

17/2
LDU 3 x 2 Palmeiras
18/2
Colo Colo 1 x 2 Sport
3/3
Palmeiras 1 x 3 Colo Colo
4/3
Sport 2 x 0 LDU
12/3
Colo Colo 3 x 0 LDU
8/4
Sport x Palmeiras
9/4
LDU x Colo Colo
15/4
Palmeiras x Sport
21/4
Palmeiras x LDU
22/4
Sport x Colo Colo
29/4
LDU x Sport
Colo Colo x Palmeiras

Grupo 2
Boca Juniors (ARG)
Guarani (PAR)
Deportivo Táchira (VEN)
Deportivo Cuenca (EQU)

10/2
Guarani 1 x 2 Dep. Táchira
17/2
Boca Juniors 1 x 0 Dep. Cuenca
24/2
Dep. Cuenca 4 x 0 Guarani
4/3

Dep. Táchira 0 x 1 Boca Juniors
11/3
Dep. Táchira 1 x 0 Dep. Cuenca
17/3
Dep. Cuenca 3 x 1 Dep. Táchira
18/3
Guarani 1 x 3 Boca Juniors
9/4
Boca Juniors x Guarani
16/4

Dep. Táchira x Guarani
22/4

Dep. Cuenca x Boca Juniors
30/4
Guarani x Dep. Cuenca
Boca Juniors x Dep. Táchira

Grupo 3
River Plate (ARG)
Nacional (URU)
Universidad San Martin (PER)
Nacional (PAR)

12/2
Nacional 2 x 1 U. San Martin
River Plate 1 x 0 Nacinal (PAR)
18/2
Nacional (PAR) 0 x 3 Nacional
5/3
U. San Martin 2 x 1 River Plate
12/3

U. San Martin 2 x 1 Nacional (PAR)
19/3

Nacional 3 x 0 River Plate
7/4
River Plate x Nacional
Nacional (PAR) x U. San Martin
21/4
U. San Martin x Nacional
23/4
Nacional (PAR) x River Plate
30/4
Nacional x Nacional (PAR)
River Plate x U. San Martin

Grupo 4
São Paulo (BRA)
Defensor (Uru)
América de Cali (COL)
Indep. Medellín

10/2
Defensor 1 x 0 América de Cali
18/2
São Paulo 1 x 1 Indep. Medellín
24/2
Indep. Medellín 0 x 0 Defensor
5/3

América de Cali 1 x 3 São Paulo
10/3
América de Cali 1 x 1 Indep. Medellín
17/3
Indep. Medellín 0 x 0 América de Cali
18/3
Defensor 0 x 1 São Paulo
9/4

São Paulo x Defensor
15/4
Indep. Medellín x São Paulo
16/4

América de Cali x Defensor
22/4

Defensor x Indep. Medellín
São Paulo x América de Cali

Grupo 5
Cruzeiro (BRA)
Universidad de Sucre (Bol)
Deportivo Quito
Estudiantes

12/2
U. Sucre 1 x 1 Dep. Quito
18/2
Cruzeiro 3 x 0 Estudiantes
25/2

Dep. Quito 1 x 1 Cruzeiro
26/2
Estudiantes 1 x 0 U. Sucre
4/3

U. Sucre 0 x 1 Cruzeiro
10/3
Dep. Quito 1 x 0 Estudiantes
18/3
Cruzeiro 2 x 0 U. Sucre
19/3
Estudiantes 4 x 0 Dep. Quito
8/4
Estudiantes x Cruzeiro
14/4
Dep. Quito x U. Sucre
23/4
U. Sucre x Estudiantes
Cruzeiro x Dep. Quito

Grupo 6
Lanús (ARG)
Everton (CHI)
Caracas (VEN)
Chivas Guadalajara (MEX)

11/2
Lanús 1 x 1 Chivas
17/2
Everton 1 x 0 Caracas
25/2
Caracas 3 x 1 Lanús
26/2
Chivas 6 x 2 Everton
3/3
Caracas 2 x 0 Chivas
10/3
Everton 1 x 1 Lanús
11/3
Chivas 1 x 0 Caracas
17/3
Lanús 1 x 2 Everton
14/4
Chivas x Lanús
Caracas x Everton
29/4
Everton x Chivas
Lanús x Caracas

Grupo 7
Grêmio (BRA)
Aurora (BOL)
Boyacá Chicó (COL)
Universidad de Chile

10/2
Aurora 0 x 3 Boyacá
25/2
Grêmio 0 x 0 Universidad de Chile
4/3
Universidad de Chile 3 x 0 Aurora
11/3
Boyacá 0 x 1 Grêmio
18/3
Boyacá 3 x 0 Universidad de Chile
25/3

Aurora x Grêmio
7/4
Grêmio x Aurora
8/4
Universidad de Chile x Boyacá
15/4
Universidad de Chile x Grêmio
16/4
Boyacá x Aurora
29/4
Aurora x Universidad de Chile
Grêmio x Boyacá

Grupo 8
San Lorenzo (ARG)
Libertad (PAR)
Universitário (PER)
San Luis (MEX)

11/2
Libertad 2 x 1 Universitário
San Lorenzo 4 x 1 San Luis
19/2
Universitário 1 x 0 San Lorenzo
26/2
San Luis 0 x 1 Libertad
5/3
Libertad 2 x 0 San Lorenzo
10/3
Universitário 0 x 0 San Luis
18/3
San Luis x Universitário
San Lorenzo x Libertad
7/4
Universitário x Libertad
8/4

San Luis x San Lorenzo
28/4
Libertad x San Luis
San Lorenzo x Universitário

Oitavas-de-final (6 e 13/5)
Jogo A - 1º col. x 16º col.
Jogo B - 2º col. x 15º col.
Jogo C - 3º col. x 14º col.
Jogo D - 4º col x 13º col.
Jogo E - 5º col. x 12º col.
Jogo F - 6º col. x 11º col.
Jogo G - 7º col. x 10º col.
Jogo H - 8º col. x 9º col.

Quartas-de-final (20 e 27/5)
S1 - Venc. A x Venc. H
S2 - Venc. B x Venc G
S3 - Venc. C x Venc. F
S4 - Venc. D x Venc. E

Semifinais (17 e 24/6)
F1 - Venc. S1 x Venc. S4
F2 - Venc. S2 x Venc. S3

Finais (1º e 8/7)
Venc. F1 x Venc. F2

Sempre vale a pena recordar as lúcidas palavras de Adílson Nascimento

Nesta terça-feira, quando se completa uma semana da morte do ex-pivô da seleção brasileira Adílson Nascimento, resolvi resgatar aquela que, provavelmente, foi uma de suas últimas entrevistas. No dia 10 de outubro do ano passado, escrevi a coluna Diário Esportivo baseada em uma conversa que tive ao telefone com Adílson.

Poucos dias antes desta conversa, ocorrera o jogo-beneficente em Campinas para arrecadar fundos ao seu tratamento contra o câncer, que já o deixava bastante debillitado, a ponto de ter visto a partida de uma cadeira de rodas. Mesmo assim, Adílson mostrou naquela entrevista a velha lucidez e veemência ao analisar os problemas do basquete brasileiro, da mesma forma que sempre se comportou ao longo de sua vitoriosa carreira.

Acompanhe abaixo os trechos da coluna Diário Esportivo, com Adílson Nascimento:

De volta para o futuro

O ginásio do Tênis Clube de Campinas viveu uma tarde de pura nostalgia no último sábado. Como se tivesse entrado no DeLorean voador de Marty McFly e do Dr.Brown do inesquecível filme “De Volta para o Futuro”, parte da geração de ouro do basquete brasileiro retornou às quadras, mesmo que por poucas horas, naquele 4 de outubro. Alguns quilinhos a mais e muitos fios de cabelo a menos, todos se uniram por meio da bola laranja em torno de duas causas nobres: ajudar a arrecadar fundos para o tratamento de saúde do ex-pivô da seleção brasileira masculina, Adílson Nascimento, e tentar tirar o basquete nacional do fundo do poço.

O primeiro objetivo foi alcançado. Organizado por amigos da família de Adílson, o evento “Bons Tempos em Quadra” foi um sucesso. Com estrelas como Oscar Schmidt, Marquinhos e Pipoka, entre outros, o público pôde matar a saudade de seus ídolos e ao mesmo tempo dar uma força para o tratamento de saúde de Adílson que, muito emocionado, acompanhou o amistoso em uma cadeira de rodas. Já encontrar uma solução para o basquete brasileiro sair de sua crise ainda está longe acontecer.


“Olha, enquanto não existir união entre as pessoas que fazem parte do universo do basquete brasileiro, não chegaremos a lugar nenhum”, diz o próprio Adílson Nascimento, que estava, em suas próprias palavras, “divorciado” da modalidade, mas ficou sensibilizado ao ver a seleção masculina mais uma vez fora das Olimpíadas. “Sinto que esta garotada que está atuando no exterior não tem o mesmo envolvimento da minha geração tinha. Sou do tempo em que a gente defendia o Brasil pelo amor à camisa.”

Exemplos do passado
Com mais de três décadas dedicadas ao basquete, Adílson tem autoridade suficiente para botar o dedo na ferida. E garante que o caminho para a modalidade começar a se reerguer pode estar em seu próprio passado glorioso. “Temos que aproveitar as coisas boas que os jogadores do passado têm a oferecer. Atletas como Oscar, Marquinhos, Carioquinha, Hélio Rubens, Nilo e Fausto, entre outros, teriam muito a contribuir neste processo. Precisamos apagar os problemas do passado e começar a trabalhar o mais rápido possível”, garante Adílson Nascimento.

Perdão a Iziane
Adílson não poupou nem mesmo o basquete feminino. Para ele, o técnico Paulo Bassul deveria ter levado a ala Iziane às Olimpíadas de Pequim. “Reconheço que ela foi muito indisciplinada, mas quem acabou punido de fato foi a seleção brasileira. Já vi jogador fazer coisa muito pior e depois a crise se resolvia dentro do grupo.”

O baú do Laguna


Neste dia em que Brasil e Itália farão um dos jogos mais aguardados do ano (é bom lembrar que as duas seleções irão se enfrentar na Copa das Confederações), é sempre bom recordar um duelo bastante interessante na história dos confrontos entre estas superpotências futebolísticas: a decisão do 3º lugar da Copa do Mundo da Argentina, vencida pelo Brasil por 2 a 1.

Neste jogo, realizado no dia 24 de junho de 1978, a seleção brasileira bateu a italiana com gols de Nelinho e Dirceu, enquanto Causio fez para a Azzurra. Na foto, o time que começou a partida: em pé, a partir da esquerda, Nelinho, Leão, Oscar, Amaral, Batista e Rodrigues Neto; embaixo, a partir da esquerda, Gil, Toninho Cerezzo, Jorge Mendonça, Roberto Dinamite e Dirceu.

Abaixo, as imagens desta partida. E vejam a curva que a bola faz no gol de Nelinho!


segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Confira todos os confrontos da história entre as seleções de Brasil e Itália




Finalmente a seleção brasileira fará um amistoso decente, digno da grandeza de sua história. E o duelo desta terça-feira entre Brasil e Itália é aquele em que a palavra tira-teima tem tudo a ver: Afinal, em 12 jogos ao longo da história, cada equipe venceu cinco vezes, houve dois empates e há igualdade até no número de gols marcados: 19 para cada seleção. Enfim, tem tudo para ser um jogão!

Confira abaixo todos os confrontos da história entre as duas seleções:

Data/Local/Resultado/Competição

16/6/1938 (Marseille) - Itália 2 x 1 Brasil - Copa do Mundo/1938
25/4/1956 (Milão) - Itália 3 x 0 Brasil - Amistoso
1/7/1956 (Rio de Janeiro) - Brasil 2 x 0 Itália - Amistoso
12/5/1963 (Milão) - Itália 3 x 0 Brasil - Amistoso
21/6/1970 (Cidade do México) - Brasil 4 x 1 Itália - Copa do Mundo/1970
9/6/1973 (Roma) - Itália 2 x 0 Brasil - Amistoso
31/5/1976 (New Haven) - Itália 1 x 4 Brasil - Torneio do Bicentenário
24/6/1978 (Buenos Aires) - Brasil 2 x 1 Itália - Copa do Mundo/1978
5/7/1982 (Barcelona) - Itália 3 x 2 Brasil - Copa do Mundo/1982
14/10/1989 (Bologna) - Itália 0 x 1 Brasil - Amistoso
17/7/1994 (Los Angeles) - Brasil 0 x 0 Itália - Copa do Mundo/1994
8/6/1997 (Lyon) - Itália 3 x 3 Brasil - Torneio da França

Chegada de Robinho na seleção tem uma aula de como não se fazer bom jornalismo


"Robinho, a gente que te conhece bem há muito tempo, sabe que aquele problema lá de Leeds foi tudo invenção da moça, não é mesmo?"

Pergunta do repórter Jaeci Carvalho, do Estado de Minas e que cobre os amistosos da seleção brasileria para a Rádio Jovem Pan, para o atacante Robinho na apresentação da seleção brasileira em Londres, exemplo explícito de puxa-saquismo jornalístico.

domingo, 8 de fevereiro de 2009

Perguntar não ofende

Quer dizer então que o coronel Marcos Marinho, além de policial da reserva e chefe da comissão de arbitragem da Federação Paulista de Futebol, também possuí profundos conhecimentos de meteorologia, para mandar o árbitro Flávio Guerra a reiniciar o jogo entre Corinthians e Portuguesa, que ele mesmo havia dado por encerrado minutos antes, graças a uma chuva torrencial que alagou metade de São Paulo?

Especial da ESPN dá um soco no estômago do esporte olímpico brasileiro

O programa Brasil Olímpico - Uma candidatura passada a limpo, exibido neste último sábado, pela ESPN Brasil (e com reprise nesta segunda-feira) é daqueles para se rever mais de uma vez. Trata-se de um verdadeiro soco no estômago do esporre olímpico brasileiro, e atinge com precisão a grande aventura que é a candidatura olímpica do Brasil para as Olimpíadas de 2016.

Depois de assistir as imagens do fajuto legado do Pan de 2007, as instalações jogadas às traças espalhadas pelo Rio de Janeiro e o descaso com que medalhistas olímpicos são tratados, não dá para levar a sério mais esta piada, protagonizada pelo presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Carlos Arthur Nuzman, de querer trazer os Jogos Olímpicos para o Brasil, antes de fazer o básico pelo esporte brasileiro.

Como escreveu Juca Kfouri em seu blog, fosse o Brasil um país sério, o ministro do Esporte cairia e o presidente do COB correria o risco de ser preso depois do que foi exibido pela ESPN Brasil.

sábado, 7 de fevereiro de 2009

Clássicos regionais irão marcar a rodada de abertura do Brasileirão 2009

Pelo menos quatro partidas terão um sabor especial na rodada de abertura do Campeonato Brasileiro da Série A de 2009. Um deles, inclusive, já foi até decisão de um nacional, em 1976: o Corinthians, que volta à primeira divisão, receberá em casa o Internacional.

Outros duelos também têm o seu charme, como Fluminense x São Paulo, repetindo o duelo das quartas-de-final da Libertadores de 2008; Grêmio x Santos e Cruzeiro x Flamengo.

Eis a primeira rodada do Brasileirão-09, que começará em 10 de maio:

Corinthians x Internacional
Palmeiras x Coritiba
Santo André x Botafogo
Atlético-PR x Vitória
Grêmio x Santos
Fluminense x São Paulo
Goiás x Náutico
Sport x Barueri
Cruzeiro x Flamengo
Avaí x Atlético-MG

Clique aqui para ver a tabela completa do Brasileirão-09.

Related Posts with Thumbnails